Discernimento Cristão

"Tudo está errado até que Deus endireite"

A confusão espiritual de C. S. Lewis autor de as Crônicas de Nárnia


200px-c_s_lewis31

Clive Staples Lewis, conhecido como C. S. Lewis, (1898 – 1963) foi um autor e escritor irlandês que se salientou pelo seu trabalho acadêmico sobre literatura medieval e pela apologética cristã que desenvolveu através de várias obras e palestras. É igualmente conhecido por ser o autor da famosa série de livros infantis “As Crônicas de Nárnia”. Foi chamado até de “Elvis Presley evangélico” devido à sua popularidade. É bastante conhecida sua influência sobre personalidades ilustres, dentre elas Margaret Thatcher, ex-primeira ministra inglesa. Seus livros foram lidos pelos seis últimos presidentes americanos e muitos de seus pensamentos citados em seus discursos. Foram vendidas mais de 200 milhões de cópias dos 38 livros escritos por Lewis, os quais foram traduzidos para mais de 30 línguas, incluindo a série completa de Nárnia para a língua Russa. Entre 1996 e 1998, quando foi celebrado o seu centenário, foram escritos cerca de 50 novos livros sobre sua vida e seus trabalhos, completando mais de 150 livros desde o primeiro, escrito em 1949 por Chad Walsh: “C. S. Lewis: O Apóstolo dos Céticos”. Lewis é respeitado até pelos que não concordam com a sua abordagem.

“Li todos os livros de C. S. Lewis, incluindo seus ensaios, suas coleções de cartas, sua ficção científica e As Crônicas de Nárnia. Li a maioria desses livros mais de uma vez, e li As Crônicas de Nárnia várias vezes. Li também todos os livros de Charles Williams porque ele era um amigo íntimo de Lewis, e Lewis elogiava muito os livros dele. Também li todos os livros de George MacDonald, porque Lewis o admirava e elogiava seus livros. A Viagem do Peregrino da Alvorada é o terceiro livro na série Nárnia. Ele promove diretamente os encantamentos e a magia. Uma parte da viagem é sobre uma ilha habitada por criaturas invisíveis chamadas Dufflepods. O personagem Lúcia usa um encantamento para tornar os Dufflepods visíveis. Ela examina um livro de encantamentos, que é bonito e fascinante. Ela então encontra o encantamento certo, profere as palavras e segue as instruções. Os Dufflepods (e Aslan) então tornam-se visíveis. O encantamento torna Aslan visível e ele fica satisfeito com o que Lúcia fez.

Muitos cristãos estão tratando os livros de Nárnia como se fossem uma alegoria, em que Aslan representa Jesus Cristo e as crianças representam os cristãos. Se você fizer isso com A Viagem do Peregrino da Alvorada, então estará retratando que Jesus Cristo fica satisfeito quando os cristãos recorrem à magia e aos encantamentos. E você estará apoiando a idéia que existe a magia e o encantamento do bem. Entretanto, a Bíblia proíbe claramente qualquer forma de feitiçaria:

“Quando entrares na terra que o SENHOR teu Deus te der, não aprenderás a fazer conforme as abominações daquelas nações. Entre ti não se achará quem faça passar pelo fogo a seu filho ou a sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro; nem encantador, nem quem consulte a um espírito adivinhador, nem mágico, nem quem consulte os mortos; pois todo aquele que faz tal coisa é abominação ao SENHOR; e por estas abominações o SENHOR teu Deus os lança fora de diante de ti. Perfeito serás, como o SENHOR teu Deus.” [Deuteronômio 18:9-13]

No livro, os Dufflepods são governados por um mago. Ele usa a magia para reinar sobre os Dufflepods porque eles ainda não são maduros o suficiente para serem governados diretamente por Aslan. Assim, existe uma magia boa e um mago bom. Esse mago prepara as pessoas para terem um relacionamento com Aslan. Novamente, se Aslan for considerado um símbolo para Jesus Cristo, então a magia prepara as pessoas para serem cristãs. Na nossa cultura moderna, isso significaria que a Wicca é um modo para alguém vir a conhecer Jesus Cristo e se tornar um discípulo de Cristo.

Lewis ensinou muitas coisas boas, mas misturadas com elas estão ensinos que lançam a base para a apostasia(abandono da fé). Lewis disse também que “o cristianismo cumpriu o paganismo” e “o paganismo prefigurava o cristianismo” C. S. Lewis [Roger Lancelyn Green, C. S. Lewis: A Biography, Harcourt Inc., 1974, pg 274 e 30.] Em sua autobiografia (Surprised by Joy), Lewis conta como, aos 13 anos, ele abandonou sua fé anglicana devido à influência de uma supervisora na escola que estava envolvida com ‘teosofia, rosa-cruz, espiritismo, e toda a tradição ocultista anglo-americana”. E Lewis desenvolveu um “desejo forte” pelo ocultismo que permaneceu com ele mesmo após retornar para o anglicanismo. Ele disse:

“E isso iniciou em mim algo com o que, desde então, de tempos em tempos, tenho tido muita dificuldade – o desejo pelo sobrenatural, ou simplesmente, a paixão pelo ocultismo. Nem todos têm essa doença; aqueles que a têm saberão o que quero dizer. Eu uma vez tentei descrevê-la em um livro. É uma lascívia espiritual; e, como a lascívia carnal, tem o poder de tornar tudo o mais no mundo parecer desinteressante enquanto ela dura.” C. S. Lewis do livro [Surprised by Joy, Harcourt Brace, 1955, pg 58-60]

Lewis disse que descreveu essa lascívia pelo oculto em um livro. Ela aparece no terceiro livro de sua trilogia de ficção científica. Um personagem citado está no processo de ser iniciado em um círculo mais interno de cientistas que são ocultistas. Eles adoram os demônios, a quem chamam de “macróbios” (imensas e poderosas coisas invisíveis, ao contrário dos micróbios, que são coisas invisíveis e minúsculas).

“Aqui, certamente afinal (assim seu desejo sussurrou para ele) estava o verdadeiro círculo mais interno de todos, o círculo cujo centro estava fora do gênero humano – o segredo máximo, o supremo poder, a última iniciação. O fato que ele era quase completamente horrível não diminuía nem um pouquinho sua atração.” [C. S. Lewis, That Hideous Strength: A Modern Fairy Tale For Grown Ups, Collier Books, Macmillan Publishing Company, 1946, pg 259-260]

“Estas criaturas [demônios] … arfavam a morte sobre o gênero humano e sobre toda a alegria. Não a despeito disso, mas por causa disso, a terrível gravitação o sugava, arrastava e fascinava em relação a eles. Nunca antes tinha ele conhecido a força frutífera dos movimentos opostos na natureza, que agora o tinha em seu poder; o impulso de reverter todas as relutâncias e desenhar todos os círculos no sentido anti-horário.” [C. S. Lewis , That Hideous Strength, pg 269]

Observe que Lewis dizia que tinha problemas com aquele forte desejo pelo ocultismo desde que conheceu a supervisora na escola. Ele escreveu essa afirmação em 1955. Naquele tempo, ele já tinha escrito todos seus livros, exceto três (The Four Loves, Reflections on the Psalms, e A Grief Observed).

Lewis dedicou sua autobiografia a Bede Griffiths, um ex-aluno que se tornou um velho amigo. Griffiths fundou um “ashram cristão” na Índia( Ashram: é um eremitério hindu, uma espécie de convento onde os gurus e seus discípulos vivem em meditação). Ele dizia que os templos hindus são um “sacramento”. E ele dizia: “Ninguém pode dizer no senso correto que os hindus, os budistas ou os muçulmanos são ‘incrédulos’. Eu diria que temos de reconhecê-los como nossos irmãos em Cristo.” [Randy England, The Unicorn in the Sanctuary: The Impact of the New Age on The Catholic Church, TAN Books and Publishers, 1991, pg 70-72]. O que Bede Griffiths fez e disse é a conclusão lógica de uma frase que C. S. Lewis escreveu em Cristianismo Puro e Simples: “Existem pessoas em outras religiões que estão sendo levados pela influência secreta de Deus para se concentrar naquelas partes de sua religião que estão em concordância com o cristianismo e que, portanto, pertencem a Cristo sem saber. Por exemplo, um budista de boa vontade poderá ser levado a se concentrar mais e mais no ensino budista sobre a misericórdia e a deixar em segundo plano (embora ele ainda possa dizer que acredita) no ensino budista sobre outros pontos. Muitos dos bons pagãos muito antes do nascimento de Cristo podem ter estado nessa situação.” [Existem muitas edições do livro, e a numeração das páginas varia. Essa citação é do Livro IV, Cap. 10, quarto parágrafo.] Essa conclusão ecumênica esotérica comprova que Lewis não compreendeu os fundamentos da fé cristã.[Nota Roberto Aguiar]

Lewis dizia que foi fortemente influenciado por George MacDonald, que era um universalista(universalismo:opinião segundo a qual Deus vai salvar todos os homens e não só os eleitos)[ Obviamente não existirá julgamento]. O livro de MacDonald, Lilith, está baseado no ensino ocultista que Adão esteve casado com um demônio feminino chamado Lilith antes de se casar com Eva. No fim do livro de MacDonald, Lilith é redimida, e Adão diz que até mesmo o Diabo será eventualmente redimido. O universalismo aparece em alguns dos livros de ficção de Lewis. Em O Grande Divórcio, Lewis está no céu. Ele fala com George MacDonald e pergunta sobre o universalismo, e MacDonald responde que Lewis não pode compreender isso agora. No último livro de As Crônicas de Nárnia (A Última Batalha), um pagão chega ao céu. (o “País de Aslan”) por causa de suas boas obras e de seus bons motivos, a despeito do fato que ele não cria em Aslan e adorava o inimigo de Aslan, um falso deus chamado Tash. Lilith aparece em O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa. O Castor diz às crianças que a Feiticeira Branca é uma descendente de Lilith, que foi a “primeira mulher” de Adão. Isso pode causar confusão, especialmente na mente das crianças. Embora o Castor seja um personagem fictício, ele está falando com autoridade sobre o mundo real – os reais Adão e Eva da Bíblia.

Lewis elogiava Charles Williams e seus livros, de modo que li todos eles. São livros que misturam as trevas e o ocultismo com algumas compreensões sobre o cristianismo. Em The Greater Trumps, o herói é uma mulher santa que passa o tempo fazendo magias com as cartas do tarô. Williams era tão confuso quanto são seus livros. Ele começou como um sério ocultista. Ele acreditava na teosofia( Teosofia: Conjunto de doutrinas filosóficas que conciliam a razão e a fé, de tal maneira que se estabelece perfeita harmonia entre todas as religiões, seitas e escolas filosóficas)[ Teosofia era a religião de Hitler e da cúpula do nazismo] e em outros ensinos ocultistas, e ingressou na Alvorada Dourada, um grupo que pratica a “magia sexual”, que é sexo ritual realizado com o propósito de obter poder ocultista. (O notório satanista Aleister Crowley( o mais famoso guru do rock, mestre spiritual dos Beatles, Led Zepelin, Roulin Stones e muitos outros) foi membro da Alvorada Dourada.) Williams abandonou a Alvorada Dourada e ingressou na Igreja Anglicana, mas manteve algumas de suas crenças teosóficas.

Lewis também tinha um amigo íntimo chamado Owen Barfield. Lewis dedicou os livros de Nárnia a ele e deu o nome de Lúcia a um dos personagens para homenagear a filha de seu amigo. Barfield era um filósofo que se iniciou na teosofia e que criou sua própria versão da teosofia. De acordo com a teosofia, o Deus da Bíblia é um tirano, e Lúcifer (o Diabo) veio para resgatar a humanidade. Até mesmo essa visão tenebrosa de Deus aparece nos escritos de C. S. Lewis.

Após a morte de Joy , sua esposa, Lewis escreveu A Grief Observed, um livro que descreve seus pensamentos e lutas emocionais em decorrência da morte de sua mulher. A obscura visão teosófica acerca de Deus aparece nesse livro, como mostrado nas seguintes citações:

“Supor que a verdade seja ‘Deus sempre faz vivisseção’?( Vivisseção :dissecação ou operação cirúrgica em animais vivos, para estudo de alguns fenômenos anatômicos e fisiológicos). [C. S. Lewis, A Grief Observed, Bantam Books, The Seabury Press, 1963, pg 33]

É racional crer em um Deus mau? Em um Deus tão mau assim? O Sadista Cósmico, o Imbecil Odioso? [C. S. Lewis, A Grief Observed, pg 35].

Lewis não ficou aí. Ele vacilou entre o desespero e a esperança. Mas em seus momentos de agonia e de desespero, a visão teosófica de Deus voltava para aterrorizá-lo. Há outro problema com C. S. Lewis. Li todos os livros dele e não me lembro de uma passagem em que ele trata as Escrituras como tendo autoridade. Pode ser que ele tenha feito isso, mas se fez, não foi com freqüência suficiente, ou de forma suficientemente clara e enfática para ficar registrado. A teologia de Lewis parece estar baseada principalmente no raciocínio humano (incluindo a Teoria da Evolução e a Psicologia Freudiana)[ Ambas inimigas mortais da bíblia]. Algumas pessoas o chamam de “humanista cristão” (Humanismo: uma filosofia contrária ao verdadeiro cristianismo que coloca o homem como o centro de tudo).

As incontáveis similaridades entre os temas olímpicos e os livros de C. S. Lewis nos fazem lembrar que a natureza humana não muda com o tempo. Apesar das mudanças culturais ao longo das épocas, a humanidade enfrenta a mesma tentação intemporal de trocar os absolutos bíblicos pela atração dos mitos criados pelo homem. O poder de atração dos Jogos Olímpicos – contos emocionantes, idéias espirituais, poder triunfante, sensualidade carnal, e a visão de paz e unidade – combinam com as histórias persuasivas de Lewis.

“Durante os antigos Jogos Olímpicos, na Grécia, uma chama sagrada queimava no altar de Zeus, em cuja honra os jogos eram realizados. A chama era acesa para sinalizar a abertura dos jogos, e era apagada para sinalizar o encerramento…”

“A chama é acesa durante uma cerimônia no sítio do antigo estádio olímpico em Olímpia… Mulheres vestidas em trajes similares aos usados pelas antigas gregas utilizam um espelho curvo para fazer a tocha acender naturalmente, com os raios do sol. A suma sacerdotisa então apresenta a tocha para o primeiro corredor da corrida em revezamento.”

C. S. Lewis amava os Jogos Olímpicos. As raízes deles estão profundamente imersas nas antigas mitologias, que cativaram seu coração. Muito depois de decidir acreditar que a Bíblia era verdade (1931), ele continuou a justificar os mitos pagãos como precursores do evangelho. Em sua mente rica de imaginações, ele acreditava que “o cristianismo cumpria o paganismo” porque os dois eram simplesmente um fio contínuo da mesma história em evolução. A descrição de Lewis de sua viagem à Grécia em 1960 é coerente com essa persuasão:

“Tive certa dificuldade para evitar que Joy(sua esposa) e eu RECAÍSSEMOS NO PAGANISMO em Ática! Em Dafni, FOI DIFÍCIL DEIXAR DE ORAR A APOLO, o curador. Mas, de algum modo, a pessoa fica com a impressão que não seria uma coisa muito errada – teria sido apenas dirigir-se a Cristo, subespécie Apolônio. Testemunhamos uma bela cerimônia cristã em uma vila em Rodes e quase não vimos discrepância.”

Os mitos antigos nos dizem que os antigos Jogos Olímpicos foram fundados pelo poderoso Heracles (o Hércules dos romanos), filho de Zeus, o deus que reinava no Olimpo. Esse tema antigo continua a dirigir as Olimpíadas modernas e suas cerimônias de abertura. Uma parte reveladora é o hino olímpico, uma oração a Zeus, a deidade grega que reinava no Olimpo. Muitos justificariam esse ritual pagão de Lewis como pouco mais do que uma afirmação de um espírito benevolente que vem se adequar às exigências globais de uma espiritualidade universal. Mas Deus nos diz: “Não terás outros deuses diante de mim.” [Êxodo 20:3]

C. S. Lewis levou esse tema pagão adiante. Por exemplo, ele apresenta os deuses romanos Marte e Vênus como deidades angélicas visíveis no planeta Vênus em seu livro Perelandra, o segundo na sua Trilogia Espacial. Ransom, o herói principal, foi transportado para esse planeta por alguns elvilas amigos, mensageiros angelicais visíveis somente pela luz que emanam. Em Vênus, o nu Ransom faz amizade com uma Eva inocente e a protege de um tentador terreal, possesso por demônios. A batalha que ocorre esmaga o vilão, porém fere o calcanhar de Ransom, que continua a sangrar até o fim da história – como se fosse um cumprimento de Gênesis 3:15.

A história do terceiro livro na série, That Hideous Strength, ocorre na Inglaterra. Ransom agora precisa deter uma equipe de conspiradores malignos e totalitários que estão determinados a governar o mundo por meio das estratégias modernas de comportamento e poderes mágicos antigos. Forças mais fortes, porém, ficam ao lado de Ransom. Tenho viajado para Marte e para Vênus, ele tem contato contínuo com os amigáveis elvilas. Trabalhando com Ransom e Merlin (sim, o druida e mago dos antigos contos do Rei Artur que foi despertado de um sono de 1.500 anos), eles invocam os poderosos poderes do panteão planetário. O primeiro deus a aparecer é Mercúrio (chamado de Hermes pelos gregos), o deus “mensageiro” das obscuras magias herméticas. Lewis descreveu a cena de alteração da mente:

“A duplicação, divisão e recombinação dos pensamentos que agora estava acontecendo neles teria sido insuportável para a pessoa a quem aquela arte ainda não tinha sido ensinada no contraponto da mente, o domínio da visão duplicada e triplicada… Todos os fatos estavam partidos, espirrados em cataratas, pegos, virados de dentro para fora, amassados, mortos e renascidos como significado. Porque o próprio Senhor do Significado, o arauto… estava com eles… a quem os homens chamam de Mercúrio (ou Hermes).” [4, pg 322]

Momentos mais tarde, Vênus, a conhecida deusa do amor, chega. Marte vem logo depois. À medida que você lê o próximo excerto, lembre-se que nos jogos na antiga Grécia, os atletas – todos homens – competiam nus. A homossexualidade era considerada boa e normal. O fato que o amigo de longa data de Lewis, Arthur Greeves, era um homossexual, pode ajudar a explicar por que Lewis acrescentou esses detalhes antes de apresentar Zeus.

“Os três deuses que já tinham se encontrado… representavam aqueles dois dos Sete Gêneros, que têm certa analogia com os sexos biológicos e podem, portanto, ser em alguma medida compreendida pelos homens. Isso não seria assim com aqueles que estavam agora se preparando para descer. Esses também, sem dúvida, tinham seus gêneros, mas não temos pista alguma deles. Estas seriam energias mais poderosas: os antigos eldils… ” [4, pg 325]

“Subitamente um espírito maior veio… No andar de cima, seu poderoso feixe de luz tornou o Quarto Azul em uma chama de luzes… Reino, poder, pompa e cortesia festivas eram emitidos como as centelhas que saem de uma bigorna… Porquanto este era o grande Glund-Oyarsa, Reis dos Reis… conhecido entre os homens nos tempos antigos como Jove [também chamado Júpiter, pelo romanos, Zeus pelos gregos]… Então… Merlin recebeu o poder nele.” [4, pg 326-267].

C. S. Lewis via uma necessidade por uma ética global. Treze anos depois de chamar a si mesmo de cristão, ele escreveu A Abolição do Homem, que apresenta o Tao chinês, não a Bíblia, como o padrão ético e moral para toda a humanidade. Simbolizada pelo Yin Yang, esse Tao seria o guia supremo para os valores e para a ação – incluindo a atitude do homem com relação ao meio ambiente. Ele substituiria a Bíblia como a autoridade final e o guia para as nossas vidas – e para o bem comum. Considere estas afirmações em A Abolição do Homem, que Lewis – um fã de Charles Darwin(ateu criador da teoria da evolução) e da evolução – referencia em Cristianismo Puro e Simples. Observe que, na mensagem de Lewis, esse Tao precede até mesmo o Criador:

“Os chineses também falam de uma grande coisa (a maior de todas as coisas) chamada de Tao. Ela é a realidade que está por trás de todos os predicados, o abismo que existia antes do próprio Criador. É a natureza… É o caminho que o universo segue, o Caminho em que as coisas perpetuamente emergem… no espaço e no tempo. É também o Caminho que todo homem deveria seguir em imitação daquela progressão cósmica e supercósmica, conformando todas as atividades com esse grande exemplo… A essa concepção em todas suas formas, ao mesmo tempo platônica, aristotélica, estóica, cristã, e oriental, daqui para frente, por facilidade, referenciarei simplesmente como ‘o Tao'” [7, pg 30, 32]. C. S. Lewis [Isso é esoterismo puro!]

“Não olhamos para as árvores como Dríadas ou como belos objetos quando as cortamos em feixes para lenha: o primeiro homem que fez isso deve ter sentido o preço agudamente… As estrelas perderam sua divindade à medida que a astronomia se desenvolveu, e o Deus Moribundo não tem lugar na agricultura química.” [6, pg 78] [referindo-se aos mitos antigos em que o deus-sol morria durante o solstício de inverno] Desse ponto de vista, a conquista da natureza aparece em uma nova luz. Reduzimos as coisas à mera natureza de modo a que possamos ‘conquistá-las’.” [7, pg 79] C. S. Lewis

“Somente o Tao prova a lei humana comum de ação que pode estar por cima ao mesmo tempo dos governantes e dos governados… No próprio Tao, desde que permanecemos nele, encontramos a realidade concreta em que participar é ser verdadeiramente humano: a real vontade comum e a razão comum para a humanidade… Enquanto falamos de dentro do Tao, podemos falar do Homem ter poder sobre si mesmo em um sentido verdadeiramente análogo ao autocontrole individual. Mas no momento em que pisamos para fora e consideramos o Tao como um mero produto subjetivo, essa possibilidade desaparece.” [7, pg 81, 82] C. S. Lewis

Mas Deus diz: “Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos os meus caminhos, diz o SENHOR. Porque assim como os céus são mais altos do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos mais altos do que os vossos pensamentos.” [Isaías 55:8-9]

A cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno em Turim teve uma apresentação dramatizada do famoso quadro de Botticelli, “O Nascimento de Vênus”. No quadro real, Vênus está nua. No palco olímpico, a modelo estava coberta modestamente por um tecido branco. Botticelli pintou esse quadro para a poderosa família Médici (que teve dois papas). “Como eles, o artista aderia ao neoplatonismo: uma teoria esotérica, filosófica e literária que misturava o paganismo no cristianismo e professava uma união espiritual com Deus.”

C. S. Lewis, que não era um fã das galerias de arte, gostava de Botticelli. Diz ele, “Tomei a decisão desesperada de ir à Galeria Nacional, onde finalmente cheguei à conclusão que não tenho gosto pela pintura… A única coisa (além dos quadros) com a qual me preocupei muito foi o quadro de Botticelli, ‘Marte e Vênus com os sátiros’…” Botticelli retratou a Divina Comédia, de Dante, um longo e alegórico poema que descreve a jornada espiritual de Dante pelo Inferno, pelo Purgatório e pelo Paraíso antes de retornar a Terra. Cinco séculos mais tarde, Lewis apresentou um ensaio sobre esse poema diante da Sociedade Dante, em Oxford. Se você assistiu a cerimônia de abertura, viu um grupo de atores no palco se moverem na forma de um coração pulsante. Eles estavam retratando a paixão – a paixão dos corredores que levam a tocha olímpica, dos treinos, da competição, da busca pela unidade global… A apresentação mais apaixonada naquela noite deve ter sido a ária da ópera Turandot, de Puccini, interpretada por Luciano Pavarotti. Porém, a música magnífica da Puccini não teria movido o coração de C. S. Lewis de forma tão dramática quanto faziam as óperas de Richard Wagner(Alem de gênio da musica clássica, foi um esotérico cultuador do paganismo germânico. Ele foi ligado a uma sociedade mística chamada Thulle, a mesma de Hitler, e os especialistas em estudos wagnerianos mostram como suas obras eram manifestações do paganismo germânico. Wagner foi um difusor do misticismo gnóstico germanista do qual veio nascer o nazismo) especialmente O Anel dos Nibelungos. Lewis ficava extasiado com os temas místicos e com a música dessa ópera. Em seu livro Surprised by Joy, ele descreveu sua paixão:

“Durante este tempo, eu ainda não tinha ouvido uma nota sequer da música de Wagner, EMBORA A FORMA DAS LETRAS IMPRESSAS DO NOME DELE TINHAM SE TORNADO UM SÍMBOLO MÁGICO PARA MIM… Ouvi primeiro uma gravação de A Cavalgada das Valquírias… Para um menino já amalucado pelos mitos nórdicos e germânicos que estão subjacentes na obra de Wagner, a Cavalgada veio como um relâmpago e um trovão… FOI UM NOVO TIPO DE PRAZER, SE REALMENTE ‘PRAZER’ É A PALAVRA CORRETA, EM VEZ DE TRANSTORNO, ÊXTASE, ASSOMBRO, ‘UM CONFLITO DE SENSAÇÕES SEM NOME.” [pg 75] C. S. Lewis

“Aprendemos no Livro de Orações a ‘dar graças a Deus por Sua grande glória’… CHEGUEI MUITO MAIS PERTO DE SENTIR ISSO PELOS DEUSES NÓRDICOS EM QUEM EU NÃO CRIA, DO QUE EU JÁ TINHA ALGUMA VEZ SENTIDO PELO VERDADEIRO DEUS ENQUANTO EU CRIA. Algumas vezes, quase chego a pensar que fui enviado de volta aos falsos deuses ali para adquirir alguma capacidade para a adoração…” C. S. Lewis [pg 77]”

Enquanto Lewis delirava com a cultura e a falsa fé do mundo, veja como ele reagia diante de seu contato com a igreja fundada por Cristo. C. S. Lewis freqüentou a mesma igreja durante trinta anos. A experiência não tinha nada de extraordinário a cada semana. A maior parte daqueles anos Lewis não se importava muito com os sermões; ele até mesmo sentava-se atrás de um pilar da igreja para que o ministro não visse suas expressões faciais. Ele ia ao culto sem música porque não gostava dos hinos. E saía logo após a comunhão da Ceia provavelmente porque não gostava de se envolver nas conversas com os outros membros depois do culto. Uma vez perguntaram para Lewis: “É necessário freqüentar um culto ou ser membro de uma igreja cristã para se ter um modo cristão de vida?”

Sua resposta foi a seguinte:

“Esta é uma pergunta que eu não posso responder. Minha própria experiência é que logo que eu me tornei um cristão, cerca de quatorze anos atrás, eu pensava que poderia me virar sozinho, me retirando a meu quarto e lendo teologia, e não freqüentava igrejas ou estudos bíblicos; e então mais tarde eu descobri que era o único modo de você agitar sua bandeira; e, naturalmente, eu descobri que isso significava ser um alvo. É extraordinário o quão inconveniente para sua família é você ter que acordar cedo para ir à Igreja. Não importa tanto se você tem que acordar cedo para qualquer outra coisa, mas se você acorda cedo para ir à igreja é algo egoísta de sua parte e você irrita todos na casa. Se há qualquer coisa no ensinamento do Novo Testamento que é na natureza de mandamento, é que você é OBRIGADO a participar do Sacramento e você não pode fazer isso sem ir à igreja. EU NÃO GOSTAVA MUITO DOS SEUS HINOS, OS QUAIS EU CONSIDERAVA POEMAS DE QUINTA CATEGORIA COM MÚSICA DE SEXTA CATEGORIA. Mas à medida em que eu ia eu vi o grande mérito disso. Eu me vi diante de pessoas diferentes de aparência e educação diferentes, e meu conceito gradualmente começou a se desfazer. Eu percebi que os hinos (os quais eram apenas música de sexta categoria) eram, no entanto, cantados com tamanha devoção e entrega por um velho santo calçando botas de borracha no banco ao lado, e então você percebe que você não está apto sequer para limpar aquelas botas. Isso o liberta de seu conceito solitário.”

Entre alguns grupos da igreja de Cristo C. S. Lewis é difundido como um defensor da fé cristã, e por ser bem sucedido como escritor secular, goza de livre passagem tanto no mundo como na igreja; o que enche alguns de orgulho. No entanto devemos olhar a questão com mais cuidado e notar que os questionamentos tanto quanto as conclusões de Lewis são extremamente esquisitas, e alheias a tudo o que se conhece em relação à bíblia e aos sentimentos de Jesus. A linha de raciocínio de C. S. Lewis está sim totalmente coerente com as conclusões das pessoas do mundo que nunca nasceram de novo e encontram um sentido de vida em coisas que Jesus ensina absolutamente não existir valor algum. Nós Cristãos temos que vigiar sempre nossos sentimentos para que eles, seduzidos pelo mundo, não nos levem para longe das escrituras, o que significa isolamento de Deus. Os crentes por serem sempre desconsiderados e humilhados pela sociedade em que vivem, tendem a receber com euforia e pressa qualquer celebridade que esboce algo que se pareça a uma conversão, na esperança de que essa celebridade limpe um pouco sua imagem tão desgastada perante o mundo, de forma que possam exibir essa celebridade como uma conquista de seu time. Isso é um erro, uma espera em vão por uma aprovação que nunca virá, não sem prejuízo ao evangelho. A bíblia se bem interpretada, coloca um abismo entre a igreja e a opinião da sociedade organizada, a cultura do homem. Querer construir uma ponte sobre esse abismo é impossível sem prejuízo pessoal e eterno, no entanto ,há muitos que se lançaram nessa obra infrutífera esperando lograr algum êxito. Essa postura resulta da má compreensão da proposta de Cristo para a humanidade. Eu simpatizava bastante com C. S. Lewis até descobrir sua distorcida visão espiritual totalmente embasada na confusa cultura humana. Em uma certa altura de sua trajetória espiritual (infelizmente) este cristão se deixou enganar pela as artimanhas do maligno, fazendo uma miscelânea da cultura do mundo com o evangelho, descaracterizando-o. Na verdade sua obra juntamente com suas considerações revela que em toda a sua vida, Lewis nunca abandonou a sua paixão pela inútil cultura humana ao mesmo tempo em que demonstrou uma considerável apatia pela contracultura do sermão do monte.

Roberto Aguiar

Mas Deus nos adverte: “Tu amas mais o mal do que o bem, e a mentira mais do que o falar a retidão.” [Salmos 52:3]

“Filho do homem, estes homens levantaram os seus ídolos nos seus corações, e o tropeço da sua maldade puseram diante da sua face; devo eu de alguma maneira ser interrogado por eles?” [Ezequiel 14:3]

“Como, pois, recebestes o Senhor Jesus Cristo, assim também andai nele, arraigados e sobreedificados nele, e confirmados na fé, assim como fostes ensinados, nela abundando em ação de graças. Tende cuidado, para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo; porque nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade.” [Colossenses 2:6-9]”

Fonte:

Adaptação dos textos, “O Lado Ocultista de C S Lewis”, “Os Deuses do Olimpo e C S Lewis” e “Problemas com Nárnia O Lado Ocultista de C. S. Lewis”.

Mary Ann Collins (artigo extraído de Kjos Ministries, em http://www.crossroad.to/articles2/006/narnia-trouble.htm) e http://www.cuttingedge.org

Protocolo da Cerimônia de Abertura em http://history1900s.about.com/library/weekly/aa081000a.htm

Roger Lancelyn Green, C. S. Lewis: A Biography, Revised Edition (Orlando, FL: Harcourt Inc., 1974), pg 30, 274. (A primeira referência aponta para a página 62 em Surprised by Joy (http://www.crossroad.to/Excerpts/books/lewis/surprised.htm).

http://www.crossroad.to/Excerpts/books/lewis/inklings-williams.htm

C. S. Lewis, That Hideous Strength, http://www.crossroad.to/Excerpts/books/lewis/hideous-strength.htm (MacMillan Publishing Company, 1946).

Alan Jacobs, The Narnian: The Life and Imagination of C. S. Lewis (HarperCollins, 2005), pg 52: http://www.torino2006.org/ENG/OlympicGames/bin/page/C_3_page_eng_58_paragraphs_paragrafo_2_attachments_allegato_0_object.pdf

C. S. Lewis, A Abolição do Homem, http://www.crossroad.to/Excerpts/books/lewis-abolition.htm, Rockefeller Center, NY: Touchstone, 1996 (publicado originalmente em 1944). Publicado em português pela Editora Martins Fontes, em http://www.martinsfontes.com.br.

Alessandro Botticelli, Italiamia, em http://www.italiamia.com/art_botticelli.html

Kathryn Lindskoog, Spring in Purgatory: Dante, Botticelli, C. S. Lewis, and a Lost Masterpiece, em http://www.lindentree.org/prima.html

Para mais informações, veja http://larryavisbrown.homestead.com/files/Ring/Ring0_intro.htm e http://larryavisbrown.homestead.com/files/Ring/Ring2_Valkyrie.htm:

C. S. Lewis, A Abolição do Homem; leia um excerto em http://www.crossroad.to/Excerpts/books/lewis-abolition.htm.

http://www.crossroad.to

http://www.espada.eti.br/db063.asp

http://pt.wikipedia.org/wiki/Clive_Staples_Lewis

Anúncios

149 comentários em “A confusão espiritual de C. S. Lewis autor de as Crônicas de Nárnia

  1. Vitor Hugo
    29/05/2009

    Parabéns pelo texto.
    Vou ler com outros olhos os livros do C.S. Lewis.

    Curtir

  2. Jairo Mielnik
    05/06/2009

    Excelente artigo, mas por favor, corrija confulsão, esse L está feio demais para a palavra confusão.

    Curtir

  3. Daniel
    09/06/2009

    Não acho que tenhas competência para Julgar um gigante como C. S. Lewis.

    Não acho não, tenho CERTEZA.

    Curtir

  4. Roberto Aguiar
    13/06/2009

    Corrupção – do latim Corruptio; corrupção é o nome que se dá ao emprego de dois pesos e duas medidas diferentes no julgamento de atos pessoais idênticos. Também chamado de parcialidade, que significa: Preferência injusta; Partido; bando, facção. Isso é um tipo de corrupção moral, uma depravação progressiva da ética e dos bons costumes, pela qual um indivíduo, incapaz de se manter imparcial diante dos fatos, acaba por considerar sua visão pessoal de vida norma válida, ignorando a definição de verdade confirmada pela maioria. Deus por diversas vezes manifestou o que pensa sobre esse comportamento:

    “Balança enganosa é abominação para o SENHOR, mas o peso justo é o seu prazer”. Provérbios 11:1

    “Seria eu limpo com balanças falsas, e com uma bolsa de pesos enganosos?” Miquéias 6:11

    Quando se convive bem com a ética e a verdade bíblica não descartamos os fatos independente de onde venham ou a quem atinjam; os recebemos com total imparcialidade. Mas quando o homem se corrompe, filtra os fatos adulterando a verdade, ficando apenas com os que lhe convém. Esse é a intenção Daniel que você tentou esconder por traz da palavra competência.

    Roberto Aguiar

    Curtir

  5. Lilian Fernandes
    11/07/2009

    Deus usou uma mula para falar, imagino que a sua maneira, Deus fala através das obras de Lewis, eu achei o filme Cronicas de Nárnia muito interessante, a magia é uma adaptação para o sobrenatural e o guarda- roupas é algo que todos temos acesso, as nossas vestes limpas são guardadas no armário. Para acreditar no mundo sobrenatural de Nárnia é preciso ter a inocência de uma criança. O inimigo é traiçoeiro e vai se aproveitar de toda e qualquer oportunidade de nos roubar de Deus, fazendo com que não venhamos a conhecer a verdade que cura liberta e dá direito a vida eterna. A batalha é eminente, todos devemos travar a nossa batalha com nosso eu, nosso desejos, para que nossa vida seja preenchida com os sonhos de Deus, só assim conquistarmos a coroa da salvação. E cumpriremos nosso propósito que é adorar, glorificar, exaltar o nome do Senhor, para que todos possam vem e crer.

    Curtir

  6. Bruno Monteiro
    11/09/2009

    Nossa!
    Vou confessar que nao li o artigo todo,pois axei muito chato.Rebatia todas as obras de C.S Lewis com versiculos do antigo testamento(SÓ DO ANTIGO TESTAMENTO!).Não gostei do modo como você fala de outras religioes,outras crenças.Pois na terra não importa se é Buda ,Alá ,Ganesha ,Gaia outros, importa é fazer o bem. Jesus ensina(sim, JESUS do NOVO TESTAMENTO!) para que guardar o sábado pro senhor, fazendo o bem, não discançando,pois o mal nunca discança.Entao oque basta é fazer o bem.

    Curtir

  7. Isanone
    14/09/2009

    É incrível como um total ignorante que faz um texto sem ler qualquer obra do autor tem facilidade em postar na internet.
    Vão estudar e fazer coisas mais construtivas, e por favor, se não tem intenção de se aprofundar naquilo que faz não faça, ninguém merece ficar lendo um conjunto tão grande de bobagens sem fundamentos.

    Curtir

  8. Roberto Aguiar
    14/09/2009

    Isanone você foi insalubre no seu comentário. Minha matéria sobre Lewis está ligada apenas quanto à bíblia, livro que vc se mostra completamente leigo. É incrível como despertamos a ira de fanáticos culturais, quando tocamos em seus ídolos. Nessa hora o “fundamentalismo” aflora desfazendo toda a mascara de equilíbrio, confeccionada com tanto esmero. Sinto muito mas vou ser obrigado a declinar do seu conselho sobre me aprofundar no “estudo”, nesse caso, de Lewis. Para mim, a produção literária de Lewis é pobre e de gosto duvidoso. Diferente de você, escravo dos paradigmas culturais, não digo “amem” para toda celebridade “abençoada” pelos gurus do conhecimento, nem rastejo de admiração, lendo um autor mesmo sem gostar, só para espalhar uma falsa idéia de erudição e crescer no conceito dos outros. Será que isso acontece? Não, jamais, com você não… ? ! Mas entendo que para xiitas como você, é até “pecado” não gostar de um “mito” como Lewis. Mas eu, estou livre disso. Jesus me libertou. No entanto, concordo com você quando diz que ninguém merece ler isso, é o que pratico com Lewis. Sendo assim, faça um grande favor a si mesmo, fazendo por onde não merecer ler isso, não lendo.

    Curtir

  9. Roberto Aguiar
    18/09/2009

    Liliam, quando Deus usou a boca de uma mula, nos mostrou que não exige perfeição dos meios que usa, e isso é muito confortante para nós que somos uma constelação de defeitos. No entanto esses meios defeituosos em suas pessoalidades, não podem permitir que seus defeitos alterem a palavra de Deus. Outro detalhe causa-nos extrema confusão quando queremos chamar nossos desejos de vontade de Deus. Eu, você, Lewis ou qualquer outra pessoa, tem a liberdade de envolver-se com o que quiser, mas não tem o direito de arrastar Deus para junto de caprichos pessoais. O caminho que vc quis dizer que Lewis escolheu para nos passar uma mensagem cristã, jamais foi usado por outro seguidor de Cristo em 2000 anos de história cristã. Ou Lewis descobriu a segunda roda ou estava totalmente equivocado. Seria mais seguro se posicionar ao lado das multidões de testemunhas que apenas copiavam os métodos de Cristo.

    Curtir

  10. Graciele
    20/09/2009

    As crôniccas de nárnia é um dos livros( fora a bíblia) no qual Deus mais falou comigo!!!
    Olha, ele não me afastou da escritura!!Muito pelo contrário!!! Acada parte da história percebia incutidos textos bíblicos e situações muito reais com as quais me identifiquei… De Nárnia emana o o amor de Cristo… Sua soberania!!! Não é por que a história é uma ficção (conto de fadas com direito a todo tipo de seres) q ela deixa de ser uma benção!!!
    Tem q saber ler!!! Sinto muito q vc seja tão cego!!!
    Se você leu pra criticar e notar o q vc acha de acordo coma Lei q vc aprendeu, me desculpem como diria o escritor da “A Cabana”, estes livros não são pra VOCÊ!!!

    Curtir

  11. Roberto Aguiar
    22/09/2009

    Nobre Graciele, saudações.

    Gostaria de lhe dizer que não leio sobre Lewis no intuito de criticar. Se Lewis jamais tivesse professado ser cristão, as chances de vc encontrar uma linha sobre ele neste blog seriam iguais a zero.

    Quem sou eu para desacreditar da profunda experiência espiritual que vc revelou desfrutar quando viajava pelas paginas de Nárnia. Também nada contra sobre o fato de ser uma ficção. O questionamento mais apropriado que se deve fazer nesse caso seria: Qual Deus falou com vc? Sim qual Deus, porque existe hoje em dia uma diversidade tão grande de credos evangélicos que todas essas crendices não podem vir de um mesmo Deus.

    É estranho vc dizer que conseguiu enxergar a bíblia em Nárnia, quando as escrituras condenam claramente as fontes de inspiração de Lewis.

    “Porém ambas estas coisas virão sobre ti num momento, no mesmo dia, perda de filhos e viuvez; em toda a sua plenitude virão sobre ti, por causa da multidão das tuas feitiçarias, e da grande abundância dos teus muitos encantamentos”. Isaías 47:9

    “E as obras da carne são: Idolatria, feitiçaria, heresias”. Gálatas 5:20

    O que Lewis em sua ignorância sobre a espiritualidade chama de mito ou cultura, nada mais é do que a fé concreta, real, dos povos em outros Deuses, que a bíblia claramente dá o nome de demônios.

    “Então tornaram os filhos de Israel a fazer o que era mau aos olhos do SENHOR, e serviram aos baalins, e a Astarote, e aos deuses da Síria, e aos deuses de Sidom, e aos deuses de Moabe, e aos deuses dos filhos de Amom, e aos deuses dos filisteus; e deixaram ao SENHOR, e não o serviram”. Juízes 10:6

    Se Lewis realmente fosse uma pessoa influenciada pela bíblia, jamais interpretaria as religiões pagãs como fábulas ou mitos, mas como cadeias que arrastaram milhares de vidas para a perdição eterna. O que existe de interessante nisso? Onde está a graça excitante que Lewis via na idolatria e na escravização dos povos inclusive com rituais de sacrifício humano? É mais do que obvio que ele não via as coisas por esse ponto de vista. Nesse caso surge outra pergunta, por que não? Porque não levava a sério a palavra de Deus, mas apenas parte dela.

    O que Lewis fez foi uma configuração pessoal de Deus usando a bíblia apenas como fonte para fazer uma adaptação de um Deus personalizado aos seus desejos. Lewis amava sim o misticismo, as religiões dos povos chamados pagãos, seus ritos, e nunca escondeu isso. Já com os irmãos da igreja se sentia desajeitado. Seus melhores amigos eram pessoas de outros credos. Que coisa esquisita? Não encontramos um comportamento parecido com o de Lewis por toda a bíblia.

    “Sacrifícios ofereceram aos demônios, não a Deus; aos deuses que não conheceram, novos deuses que vieram há pouco, aos quais não temeram vossos pais”. Deuteronômio 32:17

    Você diz que viu a bíblia em Nánia… Acho difícil, pois uma coisa que Lewis deixou bem claro que ele era fã de muitas coisas, mas a palavra de Deus não estava entre elas, vejamos:

    Ele (1) promoveu o ecumenismo (União de todas as religiões). (No seu livro “Mere Christianity”, ele disse que o Cristianismo é uma grande casa com salas muito diferentes e aceitáveis, tais como Catolicismo, Protestantismo, etc.)

    (2) Ele negou a reparação vicária de Cristo;

    (3) Ele acreditava numa evolução teísta (Evolução Teísta acredita num Deus, mas diz que ele não estava diretamente envolvido no processo de origem da vida)

    (4) Ele rejeitava a Bíblia como a infalível Palavra de Deus;

    (5) Ele negava a doutrina do eterno inferno;

    (6) Ele acreditava na oração pelos mortos e confessava seus pecados a um padre;

    (7) Ele afirmava que os seguidores de religiões pagãs podem ser salvos sem a fé em Jesus Cristo: “Existem pessoas em outras religiões que estão sendo dirigidas pela secreta influência de Deus… Muitos dos bons pagãos, muito antes do nascimento de Cristo, podem ter estado nesta posição”.

    Fonte: (C. S. Lewis, Mere Christianity, edição Harper San Francisco, 2001, pp. 64, 208, 209).

    É uma pena que você parece resgatar o mesmo erro de Lewis, misturando imaginação, capricho e fé, ao mesmo tempo em que despreza a experiência dos coerentes autores da bíblia.

    Curtir

  12. Eduardo Soares
    06/10/2009

    Este texto é uma bobagem com maquiagem de apologia séria. Quem escreveu não leu C.S.Lewis direito e não comprendeu a riqueza poética de seu discernimento sobre o cristianismo.

    Curtir

  13. Roberto Aguiar
    06/10/2009

    Caro Eduardo, que crítica mixuruca! Essa sua insípida defesa de Lewis foi feita nos mesmos termos dos pobres fanáticos da igreja universal, que juram de pé junto que o bispo Macedo é honesto, e que tudo não passa de “despeito”. Onde está essa “compreensão profunda” que você se arroga possuir? … Insinuar que o autor não leu as obras de Lewis…? Apelação pura, adicionado a sérios problemas de interpretação de texto, que é igual a desespero de causa. Na bíblia o nome é estultícia! Bem, sobre a bíblia, há que se manter o silêncio, porque se foi frustrada a sua tentativa de compreender esta matéria, quiçá o livro sagrado…

    Curtir

  14. Marcos
    16/10/2009

    Ele (1) promoveu o ecumenismo (União de todas as religiões). (No seu livro “Mere Christianity”, ele disse que o Cristianismo é uma grande casa com salas muito diferentes e aceitáveis, tais como Catolicismo, Protestantismo, etc.)

    (2) Ele negou a reparação vicária de Cristo;

    (3) Ele acreditava numa evolução teísta (Evolução Teísta acredita num Deus, mas diz que ele não estava diretamente envolvido no processo de origem da vida)

    (4) Ele rejeitava a Bíblia como a infalível Palavra de Deus;

    (5) Ele negava a doutrina do eterno inferno;

    (6) Ele acreditava na oração pelos mortos e confessava seus pecados a um padre;

    (7) Ele afirmava que os seguidores de religiões pagãs podem ser salvos sem a fé em Jesus Cristo: “Existem pessoas em outras religiões que estão sendo dirigidas pela secreta influência de Deus… Muitos dos bons pagãos, muito antes do nascimento de Cristo, podem ter estado nesta posição”.

    Roberto, poderia citar as paginas do livro “Mere Cristianity”(Cristianismo puro e simples) com cada um dos pontos apresentados? li o livro umas 4 vezes e nunca vi estas afirmações nele.

    Curtir

  15. Roberto Aguiar
    16/10/2009

    Caro Marcos não sei por que razão você me pediu o numero das paginas se exatamente onde você leu, constava não só o numero exato das páginas, bem como a edição. Há propósito, alguns fãs brasileiros de Lewis se orgulham de terem um conhecimento “profundo” das obras de Lewis, entretanto há que ser lembrado que dos 38 livros escritos por Lewis, somente a minoria foi traduzida para o português, o que se torna, querendo ou não, uma barreira. Por outro lado, os autores dessa matéria afirmam que não só leram todas as obras do escritor, como também as obras dos amigos mais chegados de Lewis, para poderem ter uma melhor visão dos pontos de vista de Lewis. Não digo que não possa encontrar, mas ainda não apareceu um fã de Lewis evangélico, brasileiro, aqui nesse blog, que tenha comprovado um conhecimento à altura dos verdadeiros autores dessa matéria. Mas em todos os tempos sempre foi uma obra infrutífera tentar provar algo contra um mito, porque as pessoas não têm simpatia pela verdade, mas sim pela ilusão a que se entregam.

    Curtir

  16. Marcos
    16/10/2009

    Obrigado, pela resposta rapida Roberto.

    As paginas fornecidas sao da edição inglesa, interessante seria se tivesse as da edicao brasileira, que é o que eu de fato gostaria para poder pesquisar.

    Li todas os livros editados no brasil do C.S.Lewis, um livro dele de portugal e mais uns 5 livros dele em ingles.

    De fato o terceiro livro dele de ficção-cientifica “Aquela força Medonha” é o mais controverso pela figura da driades, merlim e outros. Mas o livro nao tem a intencao de coloca-los como seres existente, apenas os coloca para dar a historia o ambiente sobrenatural que ele pretende expor. A exemplo da fabula das arvores falantes que temos em Juizes 9:7-15, aonde a semelhança de Lewis, Jotão conta uma estoria de arvores que falam para compreenderem um principio, apesar de as driades da mitologia serem arvores falarntes tambem.

    Vou analisar com mais tempo as questoes apresentadas do livro ‘mere cristianity” e vou postando aqui, pois de todos é o livro que mais li.

    Curtir

  17. Roberto Aguiar
    21/10/2009

    Nobre Marcos, o texto citado é de uma edição inglesa, portanto é nela que você tem que se deter. Sou responsável apenas pelo o que cito. Outro detalhe, você se equivoca totalmente em sua análise comparativa dos escritos de Lewis com o texto do livro de juízes da bíblia, e vou mostrar por que.

    Você diz: “De fato o terceiro livro dele de ficção-cientifica “Aquela força Medonha” é o mais controverso pela figura da driades, merlim e outros. Mas o livro nao tem a intencao de coloca-los como seres existente, apenas os coloca para dar a historia o ambiente sobrenatural que ele pretende expor”.

    Nobre marcos, esse é um erro comum cometido pelos fãs evangélicos de Lewis. Você ou quem quer que seja não tem o direito de classificar a religião alheia como estória, “conto” ou folclore.

    “A dríade ou dríada, era uma ninfa associada aos carvalhos. De acordo com a narrativa, cada dríade nascia junto com uma determinada árvore, da qual ela exalava. A dríade vivia na árvore ou próxima a ela. Quando a sua árvore era cortada ou morta, a DIVINDADE também morria. Os deuses freqüentemente puniam quem destruía uma árvore”.

    Essa narrativa faz parte da religião daqueles povos, assim como a religião dos povos indígenas. Interpretar esses textos com visão particular é distorcer a história, que para a antropologia, a ciência que estuda a cultura do homem, é uma agressão e um desrespeito aos povos. Isso tanto é verdade que Lewis deixou registrado um episódio que revelou sua concepção sobre a “mitologia grega”. Numa viagem a Grécia Lewis relata,

    “Tive certa dificuldade para evitar que Joy(sua esposa) e eu RECAÍSSEMOS NO PAGANISMO em Ática! Em Dafni, FOI DIFÍCIL DEIXAR DE ORAR A APOLO, o curador. Mas, de algum modo, a pessoa fica com a impressão que não seria uma coisa muito errada – teria sido apenas dirigir-se a Cristo, subespécie Apolônio. Testemunhamos uma bela cerimônia cristã em uma vila em Rodes e quase não vimos discrepância.”

    Fica claro neste episódio assim como quando ele faz uma defesa do I Ching, que para Lewis, todos os deuses da humanidade eram apenas manifestações diferentes do mesmo Deus dos cristãos.

    Realmente você conseguiu me impressionar com a sua comparação do texto de Lewis com o texto da bíblia. O texto de Lewis é uma criação artística literária em cima de textos religiosos, tidos por você e pela maioria como uma espécie de conto de fadas. O texto de juízes não é uma fábula e sim uma metáfora sobre a vida real, acontecimentos verídicos no mesmo nível das parábolas de Jesus. Os sentidos dos textos em questão são completamente diferentes. As arvores falantes no texto de Lewis eram seres divinos com identidade própria, já as arvores da fala de Jotão, no livro de Juízes, significavam a atitude das pessoas em questão, pessoas reais.
    Um bom exemplo dessa linguagem é bem entendido no trecho onde Jesus chama os fariseus de raça de víboras. Será que alguém entendeu que os fariseus eram cobras de verdade? Já no caso de esse texto ser interpretado no mesmo sentido usado por Lewis, os fariseus seriam cobras reais e homens ao mesmo tempo.

    Dessa forma meu caro Marcos, só posso dizer que seu questionamento foi um grande equívoco, religioso, histórico e acima de tudo, gramatical. No entanto, a sua confiança em Lewis ficou mais do que provada que é consistente, e que sua disposição para defendê-lo parece desconhecer limites. Já a sua noção do livro sagrado…

    Curtir

  18. Caroline
    22/10/2009

    Ótimo texto, base bíblica.

    Curtir

  19. Jacob
    25/10/2009

    Você está gastando seu tempo com o C.S.Lewis (de maneira, esta sim, claramente confusa) enquanto que há coisas muito, muito piores nas igrejas por aí – inclusive na sua, tenho certeza. Você devia dar ouvidos às palavras do Jesus que você diz seguir – está vendo apenas o cisco nos olhos de Lewis, ao passo que há uma trave nos seus, bem diante do seu nariz.

    Curtir

  20. Roberto Aguiar
    26/10/2009

    Nobre Jacob, sinceramente, não tome as pessoas em geral tendo você como medida ultima. Isso não é legal… Embora reconheça que matérias embasadas totalmente nos fatos como essa, sejam um simples exercício de evacuação de tempo para pessoas como você, o resto dos mortais, que não pertencem a sua tribo e ao seu credo cultural, conseguem tirar algum proveito de fatos comprováveis. Sua fala revela tanto o fanatismo míope de fã, como o esboço frustrado de quem finge possuir algum conhecimento bíblico que não dispõe. Numa coisa pelo menos eu concordo com você. Nas igrejas evangélicas cristãs existem varias bandas podres. O que você ainda não sabe é que Lewis como um evangélico professo, deixou sua contribuição nesse processo de deteriorização da fé genuína.

    Curtido por 1 pessoa

  21. Jacob
    10/11/2009

    Não sou eu quem está tomando alguma coisa por outra. É você. Suas palavras – por sinal, mal colocadas – denunciam seus conceitos, ou melhor, sua maneira de achar que compreende as coisas em sua totalidade a partir de supostos fatos. Você fez isso com os escritos de Lewis (e com o próprio), e agora novamente, comigo.
    Como sabe a que ‘tribo’ e a que ‘credo cultural(?)’ eu pertenço? Como sabe se realmente sou um fanático pelos escritos de Lewis? Sua bola de cristal (e imaginei que este tipo de coisa fosse proibida aos cristãos) está falhando; considere substitui-la.
    Quanto ao trecho final de sua infeliz postagem, o que é que você entende por ‘fé genuína’? Não precisa responder de fato – estou certo de que se trata da ‘fé’ da igreja que você frequenta, dos dogmas e conceitos teológicos aos quais se submete, os quais se dizem os mesmos dos primeiros grupos ‘cristãos’. Bem, quanto a isso, estude, meu caro, e verá que você mesmo está longe, muito longe, do modo de vida do seu Jesus, da ‘fé genuína’ pregada por ele e por seus seguidores.

    Curtir

  22. Leandro Rodrigues
    20/11/2009

    Tenho que admitir que o autor deste compendio tomou o devido cuidado para que tudo o que dicesse fosse devidamente referênciado e exposto de tal forma que refutar cada argumento seria sobremodo exastivo. Qualquer pessoa que queira refutar seus argumentos pensa duas vezes só de olhar para a extenção do texto. Refutar todos os seus argumetos daria origem a uma tese de pós-doutorado para ser examinada por uma banca de oxford. Da preguiça só de pensar.
    Bem, devo dar os parabens ao Roberto Aguiar pelo seu esforço. Mas não estou defendendo ele.
    Acredito que todos nós devemos ler o que ele tem a dizer, mas também e o que os defençores de Lewis tem a argumentar. Pois ouvir só o Roberto e tomar os seus argumentos por absolutos sem ler e compreender de fato a bíblia e o que os defençores de Lewis tem a falar seria no mínimo alienação.

    Curtir

  23. Leandro Rodrigues
    20/11/2009

    Não pude deixar de notar uma certa jactância nos argumentos de Roberto contra os seus arquétipos. Me responda Roberto, qualquer pessoa que ouse contrariar os seus argumentos sobre Lewis ou qualquer outro assunto está errado? Gostaria de conhecer você pessoalmente para saber se a espiritualidade intriseca aos seus contra argumentos faz juz ao seu modo de vida.

    Curtir

  24. Nai Teixeira
    17/12/2009

    Lewis não deixou de ser uma benção porque teve recaída.
    Alguém comentou que Nárnia foi benção.. pra mim também foi.
    Se você disser que você nunca caiu ou me garantir que jamais vai cair ou duvidar da sua fé em Cristo… parabéns você deve ser O cara.
    Só acho Roberto, que pegar frases soltas e colocar tudo num pacote e ignorar as outras frases que até hoje são usadas pra evangelizar é muita ignorância.

    Curtir

  25. Luciana Borges
    24/12/2009

    Gostei do cancelamento das filmagens do terceiro filme de Nárnia, iria dividir opiniões na igreja e isso Deus não permitiu. Li o livro de Nárnia e as viagens do Peregrino fala diretamente de bruxaria. Vejam só o que achei na Wikipédia sobre personagens de Nárnia
    Incubo , demônio que adota uma forma masculina, geralmente humana, a fim de ter relações sexuais com uma mulher e a cuja influência se atribuíam os pesadelos. (O demônio feminino era chamado sucubo).
    Gostei muito da análise de Nárnia, há cristãos com visão espiritual.

    Curtir

  26. felipe
    31/12/2009

    (5) Ele negava a doutrina do eterno inferno;

    de onde vc tirou isso?

    cara, vc jé leu o livro o problema do sofrimento? onde existe um capitulo extenso falando em como o inferno é real e uma doutrina basica do cristianismo…

    desculpe amigo, estava realmente lendo seu artigo, mas infelizmente nisso vc esta errado…

    quanto ao que li anteriormente, é uma pena vc ver as coisas dessa forma.
    vou continuar lendo seus comentarios mas essa foi uma bola muito, muito fora.

    Curtir

  27. felipe
    31/12/2009

    caro roberto

    uma nova pergunta.
    esse seu artigo é a mistura de alguns artigos feitos por outras pessoas?

    vc realmente leu as obras de Lewis?

    se vc leu, poderia por favor indicar as paginas na versão em portugues das ditas heresias de Lewis?

    não sou fã-boy(fã-boy são pessoas que gostão de uma coisa e ñ aceitam nada que é dito ao contrario) de Lewis, mas sou fã de seus escritos sim.

    vim ler esse artigo realmente com a cabeça aberta e pronto a mudar de opnião, já tive que fazer isso ao constatar varios erros de autores que eu citava facilmente… e com Lewis não seria diferente, mas seu texto é realmente muito parcial. feito não com o intuito de mostrar a verdade, mas de provar a ideia “Lewis é Satanista”.

    Quando escrevemos algo nesse intuio poucos conseguem sobreviver,
    até um Pastor Sério que conheço, verdadeiro adorador de Cristo, eu posso pegar frases dele e pinta-lo como satanista incubado.
    uma vez ele disse: “A Bíblia é a mãe das heresias”. pronto, ta ai, o cara é satanista, ele nega a infabilidade da bíblia e bla bla bla…
    mas se temos todo o seu discurso, veremos que com essa frase ele na verdade ele estava a ensinar que muitas pessoas usam trechos Biblicos para criarem mentiras.
    Lewis é dificil de ler, muitas vezes temos que reler suas paginas para entender do que ele fala. mas até o momento, dos livros que li dele, não0 tenho nada que leve a crer que o mesmo não era cristão, e o seu texto, infelismente, é sim pobre, e usa de artificios que a super interesante e a revista epoca usam para tentar diminuir a veracidade da Bíblia.
    sou leitor, e quando vejo esses elementos em algo que leio já é motivo de levantar defesas, pois na verdade existem somente duas possibilidades quando alguem distorce o texto ou discurso de alguem
    1 – falta de conhecimento pleno de casa, sobre o que discursa
    ou
    2 – má-fé, maudade, desejo puro e simples de distorcer os fatos.

    qualquer uma das duas é preocupante e infelizmente diminue a confia do leitor nos dados mostrados.

    te dou a sugestão de que lance um segundo texto, baseado somente em suas leituras do mesmo.

    Curtir

  28. felipe
    31/12/2009

    Continuando…

    eu quando paro para refutar heresias. como textos das testemunhas de jeova por exemplo, leio sim varios artigos contestando-os, mas tbm leio os livros deles, e comparo-os com o pouco que entendo da Bíblia, e com isso eu preparo meu texto refutando tais doutrinas, e quando me falta capacidade argumentativa, cito sim, tais artigos que li

    é um caminho mais dificil, mas tbm te da mais segurança…

    abraços
    feliz ano novo
    Deus nos abençõe

    Curtir

  29. Luciana Borges
    01/01/2010

    Tenho acompanhado esta coluna e parado para refletir sobre opiniões. È importante você analisar com clareza e maturidade como as pessoas abordam a literatura de Lewis como algo interessante… mais do que isso, digamos ,edificante em diversos pontos do Cristianismo. Vou ler o livro escrito por ele ” Cristianismo puro e simples”, mas minha opinião de que ele introduziu a mitologia pagã em Cronicas de Nárnia misturando com mensagens cristãs foi desastroso.É um excelente escritor mas apenas isso… Foi um intelectual e batalhou para isso . Eu sempre fui apaixonada por literatura, mas não gosto da literatura de fantasia, porque os autores mexem com o sobrenatural sem se importarem com a verdade de Deus.
    Gostei dos comentários de Roberto Aguiar, tem fundamentos bíblicos . Isso ninguém poderá discodar. Aliás, será que alguém poderá ter uma opinião dirigida por DEus sem louvores a nenhum homem, é claro ! ? Lewis podia ser perfeito como escrito, mas era humano passível de erro. Esta é minha opinião.

    Curtir

  30. sabiaexortacao
    08/01/2010

    o CS lewis escreveu muita coisa boa, ele consegue fazer as pessoas imaginar o que ele esta querendo dizer, mas concordo como Cristao que ja encontrei algumas coisas que ele disse que sao no minimo suspeitas, como por ex achar que sacramentos da igreja anglicana e ate catolica,,de alguma forma possam ser beneficos, o que chega a ser uma sandice, mas ainda acho que tem muita coisa que ele disse que e aproveitavel, mas nao se esquecem que a palavra final e verdadeira e a Biblia, se ele disse algo que vai contra isso evidentemente esta errado, vamos reter o que e bom e descartar o que e ruim, seja do Lewis ou qualquer outro homem

    Curtir

  31. Shu Hikari
    18/01/2010

    Amigo, sinceramente, muita coisa que você disse é especulação.

    Primeiramente, C.S. Lewis nunca disse que Aslan representa Jesus, mas sim que Aslan foi criado, assim como Nárnia, para um “novo mundo de fábulas”, e seria apenas uma idéia de “como seria Jesus, se ele existisse neste mundo”

    Coisas que o próprio C.S. Lewis disse.

    Outra coisa, sobre magia, isso não faz sentido.

    O mundo de Nárnia foi criado sob o princípio da Magia Profunda, e do Imperador [pai de Aslan], se entender bem as alegorias, verá que Magia Profunda é algo como “as escrituras” e, o Imperador, é o governante daquele mundo.

    Poxa, vamos ser realistas, o cristianismo de hoje costuma “fissurar” em cima de tudo o que é “popular”, sempre procurando algo, coisas do demônio, coisas e coisas e pecado….

    Gostei do seu blog, sinceramente, há muita informação interessante, coisas bem importantes de se saber, mas não creio que C.S. Lewis se enquadre nisto.

    Grande abraço

    Kamisama to issho ni

    Curtir

  32. Waldyr
    18/01/2010

    Literatura. Já ouviu falar(int)

    Se pararmos de procurar o capeta em tudo ficaremos mais perto de Deus.

    Curtir

  33. Luciana Borges
    05/02/2010

    ” E estes sinais acompanharão aos que crerem: em meu nome expulsarão demônios; falarão novas linguas”. Marcos 16:17

    Curtir

  34. Deivid
    21/02/2010

    Meu irmão, pelo que eu li, receio que vc realmente tenha lido as obras de C.S Lewis, a forma como vc argumentou contra o “caráter” cristão (se assim podemos dizer) foi muito infantil e demonstra de fato a superficialidade de seu estudo, baseado em pontos um pouco que distantes e sem nexo algum. Até entendo alguns de seus questionamentos e admito que também os tenho, mas principalmente em relaçao às cronicas de Narnia, vale dizer que Lewis não os fez com intenção de ser uma literatura cristã, mas um conto de fadas para crianças.
    A literatura de Lewis é um pouco pesada, e exige estudo para ler, fiquei um pouco surpreso com algumas afirmações que você tentou fazer, mas tenho que dizer que de modo geral discordo com quase tudo que você alegou, não porque é contra C.S Lewis, mas simplismente porque não faz sentido.

    Graça e Paz;

    Curtir

  35. iranpontes
    27/02/2010

    Essa e sua opiniao mas não é a verdade absoluta. Eu gosto,leio e assisto os filmes do autor porque vejo menos mal como esta tao claro no harry potter e vejo mensagens cristas. Sou evangelico e acredito que sim, a traves da vida de CS LEWIS a mensagem de Jesus foi passada.

    Abraço

    Curtir

  36. Thiago
    01/03/2010

    Sinceramente, a forma que o Roberto critica os defensores de Lewis é tão ofensiva quanto alguns que aqui criticaram sem argumentos. C.S Lewis é modismo? Sinceramente, sua obra ainda é desconhecida dentro de vários meios cristãos tendo inclusive, em minha opinião, mas popularidade em meios seculares que cristãos e quando tratada nesse meio, geralmente são obras de difícil leitura, não as juvenis, como Milagres e Cristianismo Puro e simples.

    As citações que tem destaque em caixa alta, uma inclusive ele falando do passado pagão que teve antes mais facilidade de lidar com esses deuses do que inicialmente com Cristo ou sua opinão sobre os hinos antes de ver seus valores, não passam de acusação ao que nos comentários dele, são tempos passados. É como pegar o testemunho de um ex-alcoolatra que diz que se embebedava todo dia e o acusar de ainda o fazer.

    “Mas à medida em que eu ia eu vi o grande mérito disso. Eu me vi diante de pessoas diferentes de aparência e educação diferentes, e meu conceito gradualmente começou a se desfazer.”

    Quando ele fala dos falsos nordicos que não cria, ele dizia estar falhando em ter uma grande admiração por deuses que ele NÃO CRIA SEREM REAIS, mas que o levou a reflexão “se tenho tanta afeição a esses deuses porque não ter um adquirir alguma capacidade para a adoração?” Ele estava crescendo, como crescemos constantemente, quantas vezes não tiramos Cristo do alvo e o sinal vermelho piscou? Isso que ele mostra ter acontecido.

    Outra, Narnia, é uma ficção e alguns pontos são alegóricos, se todos os pontos são alegóricos, como o Leão representar a nosso lindo Cristo e seu sacrifício representar a Cruz, e a bruxa o demônio, o que te leva a crer que a magia está em sentido literal? Não tem sentido.

    Curtir

  37. Thiago
    01/03/2010

    (1) promoveu o ecumenismo (União de todas as religiões). (No seu livro “Mere Christianity”, ele disse que o Cristianismo é uma grande casa com salas muito diferentes e aceitáveis, tais como Catolicismo, Protestantismo, etc.)

    Lembrando que a religião é o Cristianismo e Catolicismo, Protestantismo, Anglicanismo são denominações.

    (2) Ele negou a reparação vicária de Cristo;

    Você poderia fazer uam citação a respeito?

    (3) Ele acreditava numa evolução teísta (Evolução Teísta acredita num Deus, mas diz que ele não estava diretamente envolvido no processo de origem da vida)

    Até onde sei, boa parte dos apologistas já adotaram a Evolução Teista ou Criacionismo Evolucionista é uma forma de pensamento, William Lane Craig, maior apologista atual, por exemplo toma como base essa teoria. Eu não me recordo de ter visto nada sobre Lewis nesse aspecto, mas é uma questão que discute COMO Deus fez a terra, se eram 7 dias literais ou se devem ser interpretados como diversas passagens do Apocalipse tem sido.

    (4) Ele rejeitava a Bíblia como a infalível Palavra de Deus;

    Você poderia fazer uma citação a respeito?

    (5) Ele negava a doutrina do eterno inferno;

    Um amigo acima já falou sobre esta, Já leu o Problema do Sofrimento?O.o

    (6) Ele acreditava na oração pelos mortos e confessava seus pecados a um padre;

    Ele era anglicano¬¬’. Calvino defendeu a Inquisição, Lutero era Mariano, Agostinho, deu grande base ao Catolicismo, mas mesmo assim é aindahoje base para Teologos Cristãos de todas as denominações, inclusive prostestantes.

    (7) Ele afirmava que os seguidores de religiões pagãs podem ser salvos sem a fé em Jesus Cristo: “Existem pessoas em outras religiões que estão sendo dirigidas pela secreta influência de Deus… Muitos dos bons pagãos, muito antes do nascimento de Cristo, podem ter estado nesta posição”

    Você talvez tenha ouvido falar da Teoria Melquesedeque, que Deus utiliza das religiões do mundo como preparação ao evangelho, é uma teoria claro, mas por exemplo, existem testemunhos diversos de Muçulmanos, por exemplo, que encontraram Cristo dentro das bases de sua religião e começaram a ter sede dEle, ao inves de mante-lo dentro das bases da religião já citada.

    Lendo Milagres, do mesmo autor, você perceberá por exemplo, que ele não acredita em politeismo, porque deuses diversos fazem parte da Natureza dentro de seus conceitos, enquanto nosso Deus é Sobrenatural e não é parte de sua criação ;)

    Como, nosso amigo Sábiaexortação disse, retamos o que é bom, e se ora Lewis falou algo errado, bem, descartemos. Mas ele não e pagão demoniaco que alguns tem pintado.

    Curtir

  38. Shu Hikari
    02/03/2010

    Concordo plenamente Thiago,

    Da mesma maneira, ótimos pastores falam coisas erradas, umas ou outras em suas pregações, mas isso não invalida a veracidade ou unção de sua pregação.

    É o mesmo que dizer: Nossa os ensinamentos dele são bem santificados, [daí o cara fala algo que alguns interpretam errado] então ele é demoníaco O.o

    “Julgai todas as coisas e retêm o que é bom…”

    Grande abraço

    Curtir

  39. Giuliana Azevedo
    07/04/2010

    Boa tarde!

    Roberto Aguiar, se possível, gostaria de saber se você tem alguma formação teológica. É que estou procurando para a minha monografia fontes que me falem sobre a polêmica em torno das obras de c.s.lewis, além das novas formas de comunicação religiosa.

    Abraço

    Curtir

  40. Roberto Aguiar
    07/04/2010

    Cara Giuliana, eu bem que tentei terminar minha graduação superior teológica, mas por discordar radicalmente dos meus mentores por suas incongruências cristãs, eu me alto exclui.

    Aqui no Brasil onde as informações chegam de quinta-mão, e por isso Lewis goza de status “inconteste”, acho difícil você encontrar material questionativo sobre ele. Sendo Lewis um ícone cultural…tá difícil…Se eu fosse você procuraria em inglês.

    Um abraço!

    Curtir

  41. Shu Hikari
    08/04/2010

    E eu pensando que o Roberto nem lia mais estes comentários O.o

    Prezado,

    Gostaria de saber que tipo de incongruências o fizeram largar a graduação Teológica.

    Curtir

  42. Giuliana Azevedo
    09/04/2010

    Obrigada!

    Curtir

  43. Giuliana Azevedo
    09/04/2010

    Mas você é pastor, tem alguma base teológica que seja?

    Curtir

  44. Marta Xavier
    06/05/2010

    Olá, não poderia deixar de comentar. [nem gosto de fazer isso]
    Mas diante de um texto tão rico [de palavras e de informação] não poderia deixar a minha passagem por aqui em branco.
    Mas o que quero comentar é o seguinte:

    Lewis teve experiÊncias extraordinárias com Deus. MAS ELE ERA UM HOMEM, COMO EU, COMO TODOS VOCÊS QUE ESTÃO LENDO [não sou ufologista hehe’]. E PECOU, DENOVO COMO EU E VCS FAZEMOS. NOSSA NATUREZA ADORA ISSO *O*, MAS O GRANDE ERRO DE TODOS OS HOMEMS É HIPERVALORIZAR HOMENS (EU NEM ADORAR). QUANDO SE ADMIRA UMA PESSOA PELA SUAS ATITUDES, PELOS SEUS TRAJES, SUAS IDEALOGIAS E CONCEITOS, É MUITO FÁCIL SE EMPOLGAR … E QUANDO VOCÊ SE EMPOLGA… JÁ ERA… VOCÊ PÕE TUDO A PERDER…

    Lewis se empolgava com ocultismo, eu me empogava lendo Lewis, o cara que fez a resenha também se empolgava lendo Lewis… Enfim… Deus quer toda nossa empolgação. Podemos ser felizes, viver, amar e sorrir. O que não podemos ser é idiotas ao ponto de ajuntar tesouros em outro lugar que não seja o céu.

    Abçs \o

    Curtir

  45. Roberto Aguiar
    06/05/2010

    Nobre Shu Hikari,

    eu sempre leio todos os comentários. Não respondo a todos porque alguns são repetitivos e já possuem resposta, outros ainda nem comentar valem. Alguns comentários são embasados apenas no conhecimento específico de Lewis, o que não me interessa. Lewis só mereceu um a matéria porque se auto afirmava cristão, sendo essa ótica a única que nos importa abordar. Sobre os absurdos religiosos que presenciei em duas organizações evangélicas em que estudei, não quero entrar em detalhes, no entanto minhas impressões estão sintetizadas em muitos das citações e comentários espalhados pelo blog.

    Um abraço!

    Curtir

  46. Roberto Aguiar
    06/05/2010

    Nobre Marta você conseguiu unir em seu comentário franqueza, objetividade e fé; e tudo isso despido de linguagem religiosa, o que é raro.

    Um abraço!

    Curtir

  47. Shu Hikari
    07/05/2010

    Nuss este tópico rendeu viu, já faz um ano e alguns dias.

    Concordo com o post falando de “todos sermos humanos” e errarmos, nem por isso deixamos de ser cristãos, nem por isso deixamos de ser filhos de Deus.

    Acredito que Lewis era tão falho quanto qualquer outro, assim como também podemos ver inúmeros pastores no meio cristão, falarem heresias evidentes dentro de igrejas, cabe a nós termos o discernimento cristão [ao merchandising rsrs] para saber o que devemos aproveitar das informações que nos são passadas.

    Lewis escreveu coisas incríveis, conselhos bem legais e proveitosos, assim como Dalai Lama fala coisas que fazem bastante sentido, assim como o “camarada lá da esquina” também fala coisas que são edificantes, sendo eles cristãos ou não.

    O que devemos fazer é não nos guiarmos pela pessoa, muito menos a “adorar” como se ela fosse um canal de bênçãos, pois Deus usou até uma mula pra falar com um de seus servos, por que não usaria uma pessoa que não faz parte do meio cristão? [não é que ela vale muitas vezes mais que a mula?]

    Bom, fica meu recado aí, acho que já está na hora de fechar este post rsrs

    Fazendo aniversário já e perdurando tão polemicamente.

    “Provai todas as coisas e retem o que é bom”, pois quem somos nós para julgarmos a integridade do pastor Silas Malafaia, Paul Washer, entre outros que também pecam, por serem humanos, e, no entanto, transmitem palavras edificantes [ou não né ? rsrs].

    Grande abraço a todos os leitores e ao idealizador do blog

    Curtir

  48. Marcelo Stutz
    03/06/2010

    A Santa Paz de Jesus Cristo seja com todos.

    Com todo o amor que posso me expressar, mantendo sempre o respeito e sinceridade, fiquei muitíssimo preocupado com alguns comentários aqui. Ví muita erudição, por assim dizer, porém, muita “brincadeira” e “risinhos” em um assunto que na verdade é muito sério e não tem, ou não deveria ter, motivos ou espaço para risos e brincadeira.

    C. S. Lewis (Clive Staples Lewis), em um modo até bem simples e lógico do ponto de vista cristão é um homem sim, como eu, pecador sim, como eu, porém, cheio de ensinamentos hereges que se encontram facilmente em qualquer seita destas espalhadas pelo mundo, no satanismo inclusive.

    Bom, eu prefiro manter-me no conceito bíblico e ao invés de “dar ouvidos” a fábulas de velhas caducas escritas por pessoas notoriamente inspiradas pelo espírito do engano ( quer saibam, quer não. ), ouvir pessoas inspiradas pelo Espírito da Verdade, ou seja, o Espírito Santo de Deus.

    Me espanto a constatar que alguém possa realmente admirar uma pessoa cujo jargão, melhor, um de seus muitos jargões seja: “O cristianismo cumpriu o paganismo.” Este seria, do meu ponto de vista, o mais brando em suas fúteis tentativas de desmoralisar o cristianismo.
    “Acredito que Lewis era tão falho quanto qualquer outro…” Eu também, porém levando-se em conta o quanto ele era acadêmico em letras, ele era também falho contumaz sabendo muito bem em que e onde estava errando.

    Prefiram dar ouvidos aos pastores, e ler a Bíblia em oração do que perder tempo com fábulas diversas.

    Curtir

  49. Shu Hikari
    03/06/2010

    Hmm o que você falou é bem interessante.

    Mas não posso deixar de discordar, uma vez que não creio que somos nós quem podemos julgar e definir as pessoas, associando-as às seitas [mesmo porque dentro do próprio cristianismo, existem brigas por causa de seitas emergentes (ou supostas seitas)]

    Pelo que conheço de Lewis, ele desmoralizava um cristianismo fútil, que é o que mais podemos ver hoje em dia, um cristianismo carnal [vide Paul Washer] que muitos se acostumam com o pecado e simplesmente o cometem sem problemas.

    Não defendo a Lewis, mas acho errado julgá-lo como “ciente de seus erros”, pois nem mesmo vivemos na mesma cultura que ele, quanto mais saberíamos do seu nível de entendimento da bíblia.

    Como diria Paulo [novamente] : “Provai todas as coisas e retêm o que é bom.”

    Dei muito ouvidos à pastores e hoje percebo o quão falho eu fui.

    O que torna uma pessoa comum em um pastor?
    Deus? Excelência em sabedoria e cumprimento do Caminho? A capacidade do dom supremo?

    Prefiro dar ouvidos à Deus, ao que Ele diz através da bíblia e através de muitas pessoas [os “loucos” deste mundo], pois Ele usa a quem quer e quando quer.

    Pode ter usado a Lewis, pode ter usado a você, ou a mim, cabe ao Espírito Santo confirmar em cada pessoa, o que ela deve receber.

    Prefiro não denominar à ninguém dizendo, “Ès santo” ou “És servo de Deus” ou ainda “És cristão” , pois no meio de nossas igrejas [minha maior indignação] os lobos estão muito bem disfarçados, inclusive ocupando púlpitos, pregando heresias evidentes, “criando” mandamentos enviados por “deus”, e o engraçado é que Lewis nem mesmo era pastor O.o

    [Ora, não é maior a responsabilidade dos que são líderes, pois deles será cobrado o sangue dos inocentes que neles acreditam?]

    Também sou líder e temo por esta palavra, pois hoje em dia, somente sabem que estão no caminho correto, aqueles que não se prendem à denominações, mas os que se guiam pelo Espírito Santo de Deus.

    Gostei de suas palavras Marcelo, se quiser manter contato, gostaria de conversar mais contigo shu.hikari (at) gmail (dot) com

    Abraços

    Que a Graça e a Paz de Deus seja com todos nós

    Curtir

  50. Marcelo Stutz
    04/06/2010

    A Santa Paz de Jesus Cristo seja com todos.

    Amado Shu Hikari, tenho que tentar desfazer algumas erratas.

    Eu também, como não poderia deixar de ser, creio que não somos nós quem poderia julgar alguém salvo ou não salvo, posto que só há um Juiz e um só advogado junto ao Pai, Jesus Cristo. Nisto estamos de completo e pleno acordo porém, se Deus deu-me a graça de conhecer a verdade eu de maneira nenhuma posso rejeitar este “talento”, biblicamente falando, e escondê-lo “debaixo da terra”. Longe de mim toda presunção mas tenho que fazer algumas citações bíblicas.

    Em Mateus 12:30 está escrito: “Quem não é comigo é contra mim; e quem comigo não ajunta, espalha.” A mesma coisa está também em Lucas 11:23.

    Já não é o bastante a quantidade enorme de pessoas perseguindo a Igreja, como se já não bastasse o inferno todo, para nós deixarmos algumas pessoas deste tipo entrarem com seus ensinamentos de iniciação ao ocultismo, feitiçaria, satanismo, etc… Isto é uma temerosidade para aos que acabaram de se converter. Lembremos, cuidai dos “pequeninos”, esta é uma direta ordenança de Jesus a nós. Que temos nós então a fazer quanto a isto? ( retórica )

    Sei que existem muitas pessoas se “auto intitulando” líderes de igrejas cometendo erros absurdos no púlpito e até mesmo ensinando coisas vãs, isto, infelizmente, é notório hoje em dia. Dou graças à Deus por você ser uma das muitas pessoas que enxergam isto, isto vem de Deus para você e, como pressuponho, sua responsabilidade aumentou, posto que disse-me que também é um líder. “A quem muito é dado muito também é cobrado.”
    Enfim, creio eu, junto com meus pensamentos, que somente este assunto já seria algo para uma longa e boa conversa pois existem vários desdobramentos, me detendo somente ao que me escreveu em resposta ao meu comentário aqui neste abençoado blog, se me enveredasse a escrever-te tantas coisas, não terminaria, por esta razão vou para a próxima.

    Não quero de forma alguma me expressar mal, tenho tido muitíssimo cuidado com as palavras ao escrever-te, porém, creio que há uma discrepância em seus argumentos, você diz que não pode julgar alguém mas escreve que existe um tal de “cristianismo fútil”. Pois bem amado Shu Hikari, quantas pessoas estão envolvidas neste tipo de cristianismo? Dezenas, milhares, ou milhões? Eu me detenho a tentar combater uma pessoa que notoriamente ataca a igreja e, principalmente, aos ensinos de Jesus, o evangelho. De quantas igrejas e/ou denominações você está falando e , quantas pessoas ensinam nelas e, quantas pessoas estão nelas? De quantas pessoas discordou somente aqui neste tópico, incluindo a mim mesmo? Meu irmão em Cristo, vê agora que não é tão simples o pensamento, nem tão complicado que não o possa ver? Claro que vê, és filho de Deus, co-herdeiro com Jesus nosso Senhor, salvo e remido por Seu sangue.

    Creio que foram perguntas diretas as seguintes: “O que torna uma pessoa comum em um pastor?
    Deus? Excelência em sabedoria e cumprimento do Caminho? A capacidade do dom supremo?”
    Em Efésios 4:11-16 está escrito: “E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, Querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo; Até que todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida da estatura completa de Cristo, para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo o vento de doutrina, pelo engano dos homens que com astúcia enganam fraudulosamente. Antes, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo, do qual todo o corpo, bem ajustado, e ligado pelo auxílio de todas as juntas, segundo a justa operação de cada parte, faz o aumento do corpo, para sua edificação em amor.”
    Enfim, o próprio Deus levanta homens para pastores e para todo o mais dentro da igreja.
    Aí entra o ensino bíblico: “Mas o que a não soube, e fez coisas dignas de açoites, com poucos açoites será castigado. E, a qualquer que muito for dado, muito se lhe pedirá, e ao que muito se lhe confiou, muito mais se lhe pedirá.” – Lucas 12:48

    Sinceramente falando, me senti muito bem em conversar aqui, posto o respeito e mansidão com as quais a maioria aqui escreve, creio de todo o meu coração que realmente é, de alguma forma, edificante.
    Sei que deveria escrever mais, porém, não quero ser deveras espaçoso por aqui, afinal, acabei de chegar.

    Shu Hikari, anotei seu e-mail, também gostei de suas palavras, que nosso Deus continue te abençoando e te enchendo de Sua divina Graça por nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. ( Amém )

    Fiquem com Deus abençoados!

    Curtir

  51. Shu Hikari
    07/06/2010

    Bem, é a primeira vez, em muito tempo, que me deparo com uma resposta bem formulada, sem chacotas, sem infantilidades e, mais importante, sem falácias.

    Concordo quando dizes que a igreja é perseguida por multidões, incluindo alguns “membros” dela mesma.

    E, quando disse sobre cristianismo fútil, não foi me assentando como juiz de alguma coisa, mas da mesma forma que você se posicionou contra Lewis, posso afirmar que me posiciono contra um cristianismo carnal, que é predominante [restringindo a generalidade] em 90% das igrejas que já frequentei. Os 10% estão destinados às pessoas em quem eu pude ver uma ânsia para buscar a Deus de qualquer maneira, mesmo caminhando pela sombra de líderes insensatos, alguns até hereges, mas, se está por “dentro” da mídia evangélica, com certeza perceberá de quem estou falando.

    Preocupo-me mais com os de dentro das igrejas, chamados líderes [como eu também] do que com os que se dizem cristãos apenas, mesmo que influentes, não estão em posição de líderes, ou seja, menos lhes será cobrado.

    Unidade da fé, com certeza, creio nisto e busco que isto aconteça, mas jamais conseguiremos “encontrar” [nos tornar] esta igreja, se não quebrarmos as nossas barreiras denominacionais. Jà vi imensas brigas entre igrejas que diziam trilhar O Caminho, mas porque “um tomava como pecado, aquilo que o outro fazia no cotidiano” pude perceber que, hoje, muitas vezes reinam as vontades dos líderes como “vontades de Deus”, o que confunde à muitos.

    Em um debate com um ateu, a quem eu tentava ensinar sobre O Caminho Perfeito [Jesus], me questionou o seguinte: “Como vou saber o que é pecado? Se nem entre vocês mesmos [cristãos] se decidem o que é lícito ou não? Como posso dizer que estou certo, sendo que outras igrejas [denominações] dizem que estou errado, e olha que dizem pregar sobre o mesmo Deus…”

    Sinto-me envergonhado do que o cristianismo se tornou atualmente, e, assim como Paul Washer, meu coração chora na tentativa de mudar o rumo das inúmeras inserções de um “pecado santo”, onde as coisas praticadas pelos ímpios são introduzidas nas igrejas com nomes “santificados”, mas possuem a mesma essência mundana.

    Gostaria de continuarmos nossa conversa por e-mail, a menos que acredite ser de valia para mais pessoas, este nosso assunto exposto neste blog, haja vista que este blog é bem visitado, este assunto pode ser edificante para muitos que o acessam. [também com o consentimento do Roberto, pois é autor deste post. Podemos? rsrs]

    Retornando à Lewis, para finalizar meu ‘comentário’:

    O quanto conhece de Lewis? [só uma dúvida comum]
    Pois possuo alguns de seus livros e tenho o seguinte pensamento sobre ele:
    Lewis não era um cristão exemplar, mas sem dúvida, eu gostaria de conhecê-lo. Suas idéias em “As Crônicas de Nárnia” são bem interessantes, era apenas uma tentativa de demonstrar como ele enxergava à Cristo, e, ao mesmo tempo, passar este ponto de vista em forma de fábulas [Tendo em vista que muitas de nossas crianças[entenda como liderados] lêem obras como Alice no País das Maravilhas, Crepúsculo, O Código da Vinci, Anjos e Demônios, Harry Potter, O Senhor dos Anéis, entre outros, que são imensamente mais pesados que os escritos de Lewis, principalmente no tocante à feitiçaria.

    Creio que as Crônicas de Nárnia são mais saudáveis que os livros supracitados, e percebo isto depois de ter visto um de meus primos de 10anos, ao terminar de assistir ao filme do livro “Principe Cáspian”, exclamar com a frase: “É assim a mão de Deus sobre os poderosos do mal.” , no momento em que Aslan destrói um exército inteiro com seu rugido manipulando as águas.

    Acho que facilitaria nossa conversa se entendermos claramente os posicionamentos sobre Lewis. [no caso, eu entender os seus, bem como seus motivos, e vice-versa]

    E agora, que “abrimos” duas vertentes de assuntos, um sobre Lewis e outro sobre o cristianismo, creio que será melhor se falarmos de Lewis por aqui e, por e-mail podemos falar sobre o segundo assunto.

    Agradeço pelas sábias palavras e não discordo de ti completamente.

    Que Deus nos direcione ao discernimento santo, e possamos nos esclarecer mutuamente na Graça dEle.

    Abraços

    Que Deus abençoe aos leitores.

    Curtir

  52. Shu Hikari
    07/06/2010

    Esqueci de falar sobre os pastores.

    Você citou passagens bíblicas que definem exatamente como Deus escolhe os seus, e , de fato, não discordo disso.

    Mas o meu questionamento não é sobre a liderança divinamente imposta, mas sobre como o povo de Deus consegue seguir à um falso profeta, da mesma maneira com a que segue um profeta abençoado divinamente.

    Com a imensa quantidade de heresias, o povo se perde, mas, mesmo seguindo à hereges, existem inúmeras pessoas que tentam encontrar a Deus em espírito e em verdade.

    Citei sobre os pastores porque inúmeras pessoas costumam me falar : ” Ah a pregação de fulano é uma bênção…” “Ah a de ciclano é uma maravilha…” Ora, não são pregações vindas do Santo dos Santos para instruir aos seus? A glória não pertence apenas à Ele? Quando dizem uma heresia, quando é convincente, o povo logo consegue se sensibilizar com aquilo [posso citar ocorrẽncias deste fato] e subitamente tomam aquele pastor como abençoado.

    Infelizmente [ou felizmente] devo dizer que creio que as ovelhas de Cristo não precisam seguir a nenhum pastor. Mesmo sob a liderança de “lobos” eles ouvem a voz de Deus e conseguem se diferenciar, mesmo estando no meio à mentirosos do “reino de Deus”, eles entendem que não estão caminhando após aqueles líderes, mas estão apenas seguindo os dizeres de Cristo: “… não deixem de congregar, como é costume de alguns…”
    E isto faz toda a diferença, pois não seguimos “… Paulo ou Apolo…” mas um só Senhor e Salvador.

    Novamente, abraços e que Deus seja conosco

    Curtir

  53. Elton SDL
    13/07/2010

    Roberto, a impressão que tive ao ler seu artigo foi a de que você é o tipo de pessoa que acredita que, para ter “opinião formada” tem que ser do contra. Até virou moda, hodiamente. Para simular alguma opinião própria tem que discordar! Ah! Faça-me o favor!
    Seu artigo, para começar, é inserido apenas de TRECHOS dos livros de Lewis. O que você fez foi bastante simples: Distorceu os fatos, sem utilizar os TRECHOS no seu contexto. Por exemplo: na bíblia encontramos a palavra MORTE. Ela, isoladamente ,dá uma gama de significados diferentes, incluindo os negativos. Mas, se olharmos para o contexto em que as palavras estão inseridas, a coisa pode mudar e muito.
    Outro ponto: Você diz ter lido toda a obra de Nárnia, todavia, usou de apenas UM TRECHO DE UM ÚNICO LIVRO – A Viagem do Peregrino da Alvorada – para criticar toda a obra. Se você tivesse prestado atenção na Última Batalha, perceberia claramente a apologia cristão inserida, principalmente, no que diz respeito à batalha entre os narnianos e Tash (representação do demônio). Assim como no primeiro livro da série, onde a feiticeira branca possue a mesma função.
    Foi, de fato, uma idiotice você ter repreendido a atitude de Lewis, de estabelecer uma amizade com Owen Barfield, apesar da SUPOSTA ligação dele com o ocultismo. Lembre-se que Jesus Cristo veio PARA TODOS. Em nenhum momento ele excluiu seguidores de seitas e não-cristãos em geral. Pelo contrário, mantinha um contato com eles em prol de suas conversões. Lewis tentava fazer o mesmo. Em fez de repudiar os atéus ele tentava convertê-los através de sua obra e de seu contato. Mas, ao que parece, isso não tem muita importância para você, tendo em vista que você só cita o ANTIGO TESTAMENTO.
    Por fim, se realmente Lewis manifestasse interesse por ocultismo, não significa que ele PRATICAVA ocultismo. Uma coisa é ser curioso – pesquisar a respeito e etc. Muitos mebros religioso fazem isso, são verdadeiros peritos no assunto. Uma coisa é saber a respeito e outra é praticar. Não é correto conhecer nossos “inimigos” para melhor combatê-los?
    Termine sua faculdade, deixe esse orgulho de lado, sua visão estreita e sua presunção. E escreva correto.

    Curtir

  54. Elton SDL
    19/07/2010

    Ah! Além disso, deve ser levado em conta, o contexto histórico-social. Você, como é instruído e tudo mais, deve saber, com certeza, que Lewis escreveu a obra em 1949. Uma época pós guerra mundial; uma época em que os valores humanos (morais) estavam se esvaindo. Lewis percebeu e se preocupou com isso, em especial com relação às crianças. Ele queria inserir o moralismo perdido – ou ainda evitar que ele se perdesse, através das crianças. Um moralismo social e cristão. E que maneira melhor para falar com as crianças do que a linguagem que elas entendem? Acredito que, se Lewis tivesse falado com elas na linguagem em que Marx escreveu O CAPITAL, elas não entenderiam nada. Aliás, se Marx, Freud, Platão tivessem repassado suas ideias para as crianças através dos contos de fadas, elas os entenderiam. Crianças gostam de histórias fantasiosas e não de novelas da Globo (embora existam exceções).

    Curtir

  55. Salem
    20/07/2010

    Nunca vi tanta asneira em tão poucas linhas… li só até o terceiro parágrafo e não prossegui.

    Você escreveu isso aqui: “em que Aslan representa Jesus Cristo e as crianças representam os cristãos. Se você fizer isso com A Viagem do Peregrino da Alvorada, então estará retratando que Jesus Cristo fica satisfeito quando os cristãos recorrem à magia e aos encantamentos.”

    Você toma Aslam e as crianças em sentido figurado, mas a magia você a tomou com sentido literal e ai é que se dá o equivoco.

    O “feitiço” que a Lúcia faz é de deixar as coisas visíveis, isso é uma metáfora. Lúcia nunca perde a fé em Aslam e ela é sempre a que leva a palavra dele, ela é a que faz Aslam ser visivel para as outras pessoas. Entendeu? Ela é como um apóstolo de Jesus, aquele que faz as pessoas “verem” Deus.

    Quando se está analisando uma obra de analogias se deve tomar toda a obra como analogias, metáforas e não apenas as partes que convém.

    Curtir

  56. Leonardo Silva
    03/08/2010

    Eu acho esse texto uma tremenda baboseira…

    O que o autor usou textos isolados, sem contexto…
    A mesma coisa que os testemunhos de Jeova utilizam para “repassar” a sua doutrina…

    Eu concordo com o\a Salem no comentario de cima…
    Se Lewis utilizou tantas metaforas, porque a magia nao poderia ser tambem??Alias, a magia É tambem uma metafora…

    Na verdade, As Cronicas de Narnia nada mais é do que uma grande metafora…

    discordo de cada palavra do seu “artigo”…
    A unica parte verdadeira deve ser o seu nome…
    ……………..Ou nem isso…

    Curtir

  57. melyssa
    08/08/2010

    olha, eu acho que realmente não existe um cristão perfeito…mas devemos levar em conta que cs. lewis era humano, e que , também tinha seus defeitos…eu concordo plenamente com o que o salém disse… não há como definir uma história pelo o que ela realmente é, mas pelo o que ela representa. eu sou cristã, e , realmente não sou do tipo q sinto orgulho por algum, escritor assim como cs lewis , etc., pq não tenho certeza de qm realmente ele era, só qm sabe a verdadeira história de lewis, qr dizer, o que ele realmente queria passar para as pessoas qnado escreveu esse livros é Deus!!!então, sendo assim, não podemos julgar os livros com certas citações da biblia, pq não são coesas e certas… não podemos fazer uma certa conclusão sobre algo que não conhecemos muito bem, como se a fé de lewis era ou não verdadeira…pois, no mundo em q vivemos hoje, existem tantas possibilidades( de mudar a postura de uma hora para outra) q às vezes ficamos confusos com tudo isso(não q VC seja confuso, claro q não) , confesso q até eu às vezes já duvidei da minha própria fé…se eu estava mesmo no caminho da verdade, se era tudo mesmo real, ou se era tudo mais uma maneira de manipulação mental…eu as vezes fico muito injuriada com tudo isso, como nós(me refiro a todos os seres humanos) nascemos e crescemos com certas crenças, mitos, e códigos de postura , como por exemplo, que devemos estudar, pq se não estudarmos não teremos futuro e etc… isso tira totalmente o sentido do livre arbítrio… mas recorro rapidamente à biblia, pq ela não mente, é ela qm discerne o bem do mal , ela é q nos traz a verdadeira luz, a verdade, Jesus Cristo.q Deus abençoe a todos e eu sugiro que a pessoa que escreveu sobre cs lewis aqui, leia o livro de Glauco Magalhães Filho ” O IMAGINÁRIO EM AS CRONICAS DE NARNIA”, é muito bom!

    Curtir

  58. Diana Lunna
    09/08/2010

    Antes Lewis do Harry Potter.
    vejo mensagens claras de boa conduta, boa educação, humildade entre outros… Coisa que nossas crianças precisam. Não vejo mal algum em ler seus livros, conheço a Bíblia e nada lá( nos livros) me afeta pelo contrario posso dizer que fui muito edificada…

    Sei bem analisar e até onde posso ir sem ter o risco de me perder…
    quem tenta com tanta veemência provar o contrário é por que provavelmente, não está certo do que acredita.

    Na santa Paz.

    Curtir

  59. TIAGO FROES NETO
    11/10/2010

    Caro Roberto Aguiar

    FALTA DICERNIMENTO CRISTÃO. Lewis foi e sera um dos Maiores denfesores do Cristianismo Puro e Simples se vc como disse ter lido duas vezes suas Obras. FALTA DICERNIMENTO CRISTÃO. Holy Espirit. \\\\\\\\C.S.lewis é um gigante denfensor do Cristianismo e suas obras são de uma profundezas da alma humana e de toda sua Filosofia e Mitos e devemos ter cuidado. Pois sera necessario estudos em cima deste legado deixado por este Cristão Autentico na sua Visão do Eterno e do Nosso Salvador Jesus Cristo.
    FALTA DICERNIMENTO CRISTÃO

    Curtir

  60. Roberto Aguiar
    14/10/2010

    Nobre Tiago, seu insuficiente conteúdo bíblico é o que lhe permite enxergar em Lewis um genuíno cristão. Embora isso lhe pareça duro, não é essa a minha intenção, mas apenas constatar um fato. Se após toda essa narrativa detalhada da vida do autor, com muitas citações do próprio, o que revela meu compromisso apenas com fatos comprováveis, e ainda assim você não enxergou nada que o comprometesse quanto ao evangelho, nesse caso então, o que lhe impede a visão é a ausência do livro sagrado, unica base pela qual Lewis foi analisado.

    Há propósito, eu não sou o autor, mas apenas o adaptador de 4 matérias sobre Lewis.

    Curtir

  61. Ana Maria
    21/11/2010

    Não há uma só vez que eu não tenha visto o 1º filme das Crônicas de Nárnia e que eu não tenha chorado litros na cena da ressurreição de Ashlan. Eu realmente gosto do filme. Raramente vejo filmes da Disney. Mas vi esse qdo me disseram do que se tratava e me apaixonei. Mas confesso que essa questão dos faunos e magias e feiticeira e etc sempre me incomodou muito. Mas como eu sempre ouvi dizer que Lewis foi um dos maiores escritores cristãos do séc XX, dei um crédito. Achei que esse foi o meio que ele achou para encontrar o coração das crianças, pq antigamente não se tinha o entendimento que temos sobre essas coisas como temos hoje. Nunca me preocupei em estudar sobre o autor. MAs isso continuou me incomodando muito. Mas como todos sempre defenderam e disseram que ele era genial, e eu gosto do filme, a gente faz “vista grossa” :( Além disso, nunca achei ninguém para debater de fato sobre o assunto.
    Mas achei muito esclarecedor tudo que li, pois vi que não foi tirado “de trás da orelha”.
    Nem tudo que tem cara de santo e é febre nas livrarias evangélicas deve ser aceito de cara. Os de Bereia eram mais nobres por conferirem sempre tudo nas escrituras. Uma prova disso é o lixo da CAbana, que tem sido lido avidamente por milhares de crentes e recomendado por muitos pastores e é outra heresia sem tamanho que tb divulga o universalismo descaradamente e prega uma baboseira que está longe de ser algo de Deus. E tem muito crente dizendo: ai, que lindo!!! Eu mesmo publiquei no site da minha igreja um estudo sobre esse livro e fui duramente criticada por muitos. Aliás, Roberto, fica aí a sugestão pra uma próxima pauta, se é que vc ainda não o fez! ;)

    Curtir

  62. Roberto Aguiar
    23/11/2010

    Ana Maria me admira sua capacidade de ser honesta e franca diante de uma opinião crítica a algo que você gosta. A sua imparcialidade é incomum diante da maioria das pessoas. A maioria das pessoas são incapazes de aceitar critica sobre seu gosto pessoal, por isso torcem os fatos, mesmo que estes sejam comprováveis, para justificar e dar ares de legalidade as suas simpatias.

    Sempre defendi nesse blog que mudaria de opinião a qualquer momento, sobre qualquer post, quando alguém comprovasse através de fatos documentados, que determinada postagem estava equivocada. E para isso me baseava num fato simples: Quem procura a verdade se abre a esta, independente de onde venha, pois o fato em si deve calar a todos nós. Entretanto, na maioria das vezes é justamente o contrario o que vemos. Multidões de pessoas se levantam contra fatos comprováveis, tolamente, munidas unicamente de suas simpatias pessoais; o que é ridículo e vergonhoso em minha opinião.

    Por isso venho louvar a sua integridade de fé e discernimento cristão por se manter junta da verdade, mesmo quando essa ameaça o seu prazer pessoal. Saiba que você faz parte de uma pequena minoria.

    Deus continue te iluminando!

    Há propósito, já postei uma matéria sobre a cabana.

    Curtir

  63. Gabriel Pressato
    30/11/2010

    Acho que tem gente que inventa demônio em tudo. Ter um trabalho de escrever isso tudo lhe foi quase inútil. Parabéns.

    Curtir

  64. Roberto Aguiar
    30/11/2010

    Nobre Gabriel, por favor, não tente manipular a opinião alheia, fale apenas por você. A matéria é inútil com certeza, mas apenas para você. E ainda assim essa mesma inutilidade apontada por você é baseada em coisa alguma, muito diferente das conclusões da matéria.

    Curtir

  65. Junior
    01/12/2010

    vc q escreveu esse artigo é um idiota que nao teve sucesso na vida e fica inventando coisa
    dasquelas pessoas que tiveram
    isso se chama invenja

    Curtir

  66. Shu Hikari
    01/12/2010

    “Invenja” @.@

    Discordo de muitas de suas afirmações, meu caro Roberto, e já é de seu conhecimento, porém, resolveu não levar adiante o debate, por algum motivo que desconheço.

    Porém, a chuva de falácias aí está fora de série rsrs

    É cada uma que me aparece

    @_@

    Curtir

  67. Roberto Aguiar
    01/12/2010

    Meu nobre samurai de nome engraçado, Você certamente está me tomando por outra pessoa. Jamais eu diria um tal absurdo como o que você insinuou, que eu teria dito que alguém sentia inveja de mim. E por um simples fato, eu não possuo nada que vala a pena ser invejado. Certamente você não irá encontrar essa idéia na minha fala. Reveja e reenvie ao destinatário correto.

    Quanto a sua concordância, ou a de qualquer outro para comigo, me é de pouca serventia pois faz tempo que desisti de buscar a aprovação de minha tribo como condição para que eu esteja bem comigo mesmo.

    Não levei avante seu comentário, porque sinceramente nem o notei. Não porque não vala a pena, mas porque na verdade são tantos, e na maioria repetitivos, que fica sem sentido formular a mesma resposta para 50 pessoas diferentes. Apenas isso!

    Quanto a chuva de falácias, desafio você que tem vocação meteorológica a elucidar!

    Curtir

  68. Shu Hikari
    02/12/2010

    Well, me parece bem típico de “crente”… e lhe faço uma pergunta: Leu meu post por completo, ou me confundiu com alguém acima??

    Bom, pra esclarecer, sua falta de conhecimento e sua pompa de rei lhe induziram à uma interpretação errônea e infantil sobre meu nome, se quiser, posso lhe explicar com detalhes as origens que o formaram.

    Brincadeiras à parte, me decepcionei com seu último comentário, afinal, já é a segunda vez que tento iniciar uma conversa decente contigo e sou recebido mal interpretado, subjulgado e, novamente, à mercê de uma possível humilhação. [vindo de uma pessoa que se posiciona como cristão… bom podemos dizer que se conhece uma árvore pelos seus frutos, e não vou me estender neste aspecto, pois não é meu dever te julgar]

    Esclarecendo [novamente]: As falácias que me referi, nada mais eram do que os comentários acima de pessoas mal instruídas, que, possivelmente, nem deveriam ter postado um comentário por aqui e, em nenhum momento, eu afirmei que tu tiveste inveja de Lewis, mesmo porque não faz parte da minha essência, tentar ridicularizar alguém ou usar chacotas para atacar os interlocutores.

    Então, meu caro irmão, se quiser retirar o que disse acima, ficarei feliz em ignorar este incidente, pois não vejo necessidade alguma de brincarmos de “gato e rato”, como muitos “irmãos” fazem dentro das igrejas, tentando ver quem consegue humilhar mais o outro. Mas podemos retomar o debate o qual, posso lhe assegurar, que não estará buscando aprovação alguma de sua tribo, mas apenas cooperando para uma unificação de pensamentos e compartilhando informações e opiniões.

    Não afirmo mentiras, meu caro Roberto, não digo que seu post foi uma falácia porque, de fato, não o foi, mas posso detectar certos aspectos bastante incoerentes com a vida de Lewis. Não estou aqui para defendê-lo, mesmo porque não defendo homens falhos, como todos nós somos, mas defendo algumas das idéias de Lewis no tocante ao cristianismo, afinal, Paulo não nos disse pra “julgar todas as coisas e reter o que é bom” à toa…

    Fraternalmente em Cristo

    Kamisama to issho ni

    Curtir

  69. Shu Hikari
    02/12/2010

    Só completando… eu recebi uma atualização por e-mail que está diferente do seu comentário postado aqui…

    Roberto Aguiar disse:
    “Meu nobre samurai, de nome obviamente esquisito, talvez mudando um pouco a ordem das palavras…uma mistura da iguaria espanhola Churros com o ato insano da cultura japonesa, o harakiri. Ficaria então, Shurros Harakiri San(Senhor em japonês)…”

    O resto está a mesma coisa, mas só pra esclarecer o motivo dos meus dois primeiros parágrafos, porque, realmente, se tu não tivesse dito isto, eles com certeza seriam desnecessários também…

    Curtir

  70. Roberto Aguiar
    03/12/2010

    Bem nobre samurai, você tem razão sobre o primeiro post. Eu o redigi, postei, e imediatamente conclui que fui desnecessariamente ácido. Retornei ao post, reeditei, retirando o desnecessário. Não foi por pobreza de conhecimento nem arrogância de Rei que não dei o significado correto do seu nome, pois jamais procurei fazê-lo. O que fiz foi um trocadilho com as palavras, ironizando-o. Um distempero para ser esquecido e perdoado, se for possível…

    Quanto a julgar, discordo de você. Essa conversa de que não se deve julgar nada mais é do que hipocrisia “in natura” de uma humanidade que pratica isso 24 horas por dia, “366” dias por ano. O julgamento é parte essencial da lógica, sendo assim, jamais alcançaríamos o conhecimento que possuímos se não julgássemos. O problema não está no julgar, mas no julgar mau. E você me julgou errado e isso ficou evidente no termo “crente”, num sentido pejorativo. Você me conferiu um rótulo inadequado. Eu passei do limite com você, e você me devolveu a “gentileza”. E mais, se a idéia dos frutos me cabe, tendo que usarmos pesos e medidas iguais, o seus frutos ficaram em evidência também, e também não combinam com a postura sensível e meiga que você vende sobre si mesmo eu seu blog. Acho que estamos quites!

    Sinceramente, o que parece ter havido foi um mau entendido. Veja bem, o que você deveria interpretar quando alguém endereça essas palavras a você?

    “Invenja” @.@
    Discordo de muitas de suas afirmações, meu caro Roberto, e já é de seu conhecimento, porém, resolveu não levar adiante o debate, por algum motivo que desconheço.
    Porém, a chuva de falácias aí está fora de série rsrs
    É cada uma que me aparece”

    Considerando essa mensagem, de quem meu caro Shu, eu deveria interpretar que seria a inveja? De quem eu deveria interpretar, seria a chuva de mentiras? Será que caberia a mais alguém alem de mim? É obvio que não!
    O texto acima é irônico e zombador, muito distante de um questionamento sério. E assim foi interpretado e respondido.

    Mas concordo com você. Vamos deletar o que passou e recomeçar. A parte infeliz do meu post foi retirada antes da sua solicitação para que eu o fizesse, provando minha discordância com minha própria atitude. Gostaria que você nos revelasse os “pontos incoerentes” com a vida de Lewis postados aqui. Gostaria de saber também qual a igreja que pertence se pertence.

    Curtir

  71. Shu Hikari
    03/12/2010

    Pesos iguais, medidas iguas! Compreendo perfeitamente que não sou perfeito ^_^
    Devolvi a “gentileza” e acredito que nossos “erros” deram um jeito de tratar o “olho por olho” que aliás, gerou um terceiro erro coletivo de nossa parte rsrs.

    Bom, deixando de lado o que passou, já que me indagou sobre meu post, realmente eu estava sem tempo pra comentar, mas não resisti à quantidade de falácias comentadas [sim comentários e não post], não preciso citar nomes, mas alguns dos ‘comentaristas de plantão’ me fizeram o “favor” de acabar com a fama dos defensores de Lewis. E ainda, escrevendo erroneamente [invenja, no caso] e reescrevendo o comentário, sem fundamento, sem motivo, simplesmente liberando uma falácia perfeita em número e grau.

    Perdoe minha falta de detalhes no comentário ao qual você se referiu, mas em primeiro momento, critiquei a palavra “invenja”, logo em seguida, comentei um fato ocorrido há tempos, e depois, novamente retornei ao comentário sobre o “texto da invenja”.

    Foi algo que não faz a mínima diferença em um diálogo contigo, a idéia era mesmo ver se quem o escreveu, voltaria para acompanhar os comentários. [com certeza ele me atacaria logo de primeira]

    Voltando ao nosso assunto, bem vou continuar o post assim que chegar em casa, mais tarde, pois argumentos carecem de citações e pontos objetivos que possam ser identificados pelos interlocutores.

    Sobre a igreja, eu me afastei dos templos por um longo tempo, tentando entender os motivos das desavenças entre as diversas doutrinas, que se dizem cristãs.

    Mas logo estarei retornando, recebi as respostas que estava procurando, agora é meu dever “colocar-me na brecha do muro de Jerusalém”.

    Não me entenda mal, não defenderei Lewis, mesmo porque não posso defender um ser humano tão falho quanto eu. Falar em defender Lewis me faz lembrar de Benny Hinn e muitos outros “consagrados” cristãos exemplares. [que todos possuíam suas falhas duvidosas]

    Mas guardarei os devidos argumentos para mais tarde, o horário por aqui terminou.

    Nos veremos novamente em breve, meu caro.

    Fraternalmente em Cristo
    Kamisama to issho ni

    Curtir

  72. Nilson
    02/01/2011

    Tem tanta gente lendo coisa que não presta por aí e vc vem criticar o escritor de narnia(um dos melhores livros que já li), vai procurar estudar mais a biblia…
    Todo mundo tem defeitos…

    Curtir

  73. Roberto Aguiar
    02/01/2011

    Nilson, pela sua educação precária, por sua incapacidade de se comunicar, e por você dizer que Nárnia foi os dos melhores livros que você leu, eu é que não vou cair na tolice de te trazer um tema tão nobre e superior como a bíblia. Limite-se a Nánia, ela relativiza melhor com seu nível intelectual e cultural.

    Curtir

  74. D'Ávila
    17/01/2011

    Boa tarde!
    Rapá, vcs acreditam que eu lí esta página até o fim? Pois é, nem eu mesmo acreditei! Ufa acabou e agora dá pra colocar a minha opinião! rs
    Amados, nos últimos tempos tem acontecido tantos problemas envolvendo o corpo de Cristo(Igreja), que me leva a reflexão do quão está próximo a Sua Vinda.
    Rogo aos amados que pratiquemos o verdadeiro Cristianismo, conforme Ele mesmo ensinou:
    “A religião pura e imaculada para com Deus, o Pai, é esta: Visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações, e guardar-se da corrupção do mundo.” Tiago 1:27
    Estamos vivendo os últimos dias, e nestes últimos dias muitos serão enganados por falas bonitas, que confortam o coração. Mas por trás há tropeços e enganos.
    Parabéns ao Roberto na sua tentativa de tentar trazer a compreensão às pessoas, para acontecimentos nos últimos dias, que irão se infiltrar nas igrejas, e tirar o foco em Cristo de muitos. Sabemos que isso não será fácil, pois o inimigo está trabalhando a todo o vapor.
    Apenas um lembrete:
    Toda mensagem cai em diferentes terrenos. Umas brotam e outras morrem.
    “Um semeador saiu a semear a sua semente e, quando semeava, caiu alguma junto do caminho, e foi pisada, e as aves do céu a comeram;
    E outra caiu sobre pedra e, nascida, secou-se, pois que não tinha umidade;
    E outra caiu entre espinhos e crescendo com ela os espinhos, a sufocaram;
    E outra caiu em boa terra, e, nascida, produziu fruto, a cento por um. Dizendo ele estas coisas, clamava: Quem tem ouvidos para ouvir, ouça.

    Esta é, pois, a parábola: A semente é a palavra de Deus;
    E os que estão junto do caminho, estes são os que ouvem; depois vem o diabo, e tira-lhes do coração a palavra, para que não se salvem, crendo;
    E os que estão sobre pedra, estes são os que, ouvindo a palavra, a recebem com alegria, mas, como não têm raiz, apenas crêem por algum tempo, e no tempo da tentação se desviam;
    E a que caiu entre espinhos, esses são os que ouviram e, indo por diante, são sufocados com os cuidados e riquezas e deleites da vida, e não dão fruto com perfeição;
    E a que caiu em boa terra, esses são os que, ouvindo a palavra, a conservam num coração honesto e bom, e dão fruto com perseverança.” Lucas 5:5-8;11-15.

    Grande Abraço para todos!

    Ps: Uma boa dica. Querem saber qual o verdadeiro caminho a seguir ante a tanta confusão, orem ao Papai e digam: “Senhor, quero te seguir, me conduz ao verdadeiro caminho(Cristo)”.

    Curtir

  75. Mateusanches
    23/01/2011

    Também li esta página por inteiro. Me intitulo Cristão, mas tenho uma queda por fantasia e idealismo. Sinto falta da réplica que Shu Hikari ficou devendo ao Roberto (já passa mas de 1 mês desde seu último post).
    Por acaso essa discussão continua em outro local?
    Continuo acompanhando as discussões sobre C.S.Lewis…
    Grato.

    Curtir

  76. Roberto Aguiar
    24/01/2011

    Não Mateus, a discussão ainda está por se desenrolar…

    Curtir

  77. Shu Hikari
    04/02/2011

    Bom, depois de muuuito tempo… estou de volta às minhas atividades.

    No mais tarder, no domingo colocarei meu post. [ainda estou com uns problemas de tempo]

    Deus nos abençoe
    Kamisama to issho ni

    Curtir

  78. Roberto Aguiar
    05/02/2011

    Seja bem vindo nobre Shu Hikari!

    Curtir

  79. Shu Hikari
    07/02/2011

    Bom, como o assunto é grande [e a postagem mais ainda xD] vamos por partes e desenrolamos o debate ao longo de nossa pequena jornada.

    Então, minha primeira indagação sobre o post é:
    Lewis, em algum momento, disse que suas publicações referentes à Narnia eram pra ser, de algum modo, comparadas à bíblia. Ele, inclusive, disse que de modo algum Aslan era pra ser comparado com Cristo, afirmando que Aslan representava uma figura da imaginação de Lewis [assim como toda Nárnia], em que ele colocaria características que ele acreditava serem de Cristo. [são coisas diferentes]

    Minha primeira pergunta é: Dizer que Aslan representa Cristo, não seria o mesmo que as palavras do próprio autor seriam afirmações falsas?

    Assim como todo homem [comum], Lewis também tinha seus defeitos. Assim como um pastor que pode ter uma queda incessante à pornografia, pode escrever belos conselhos ao povo cristão, e isto não fará com que os conselhos sejam menos válidos. [Paulo mesmo disse:”… julgai todas as coisas e retêm o que é bom…”]

    Não acho que as “tendências” [talvez mal interpretadas, principalmente levando-se em conta o fator cronológico, ou seja, quando ele se sentiu tentado e quando ele escreveu os livros] de Lewis ao “pecado” sejam um motivo para tornar suas palavras menos edificantes.

    Óbvio, assim como não concordo com toda a oratória [ou narrativa] de livros evangélicos, também não concordo com certas afirmações de Lewis, principalmente àquelas que se referem ao Tao e ao Cristianismo, mas isto também não invalida seus outros escritos.

    Minha segunda pergunta é:
    Como se pode, então, afirmar que as tentações [ao ocultismo, principalmente] de Lewis o “induziram” de alguma forma à colocá-las em seus livros, misturando-as com o verdadeiro Caminho à Deus, sendo que, o objetivo de muitos de seus livros, não era ser categorizado em livros religiosos? [geralmente os que favorecem o ocultismo – de Lewis – não foram os destinados à “categoria” Livros Cristãos]

    Assim como eu posso escrever livros por toda minha vida, em momentos onde eu estive nas “trevas”, isso pode influenciá-los. Mas em seguida, posso me “corrigir” e mudar meu caminho, escrevendo novos livros e, desta vez, edificantes e com uma visão “sem trevas”. [tentei exemplificar o que eu quis dizer com “cronológico” anteriormente, não sei se terei sucesso rsrs]

    Inicialmente, vamos pontuar o debate para não haver muitos ramos não resolvidos.

    Por hoje, é só ^_^

    Abraços à todos
    Kamisama to issho ni

    Curtir

  80. Roberto Aguiar
    07/02/2011

    Saudações a todos!

    Ok caro Shu, vamos agora calmamente dissecar o tema.

    Shu: Minha primeira pergunta é: Dizer que Aslan representa Cristo, não seria o mesmo que as palavras do próprio autor seriam afirmações falsas?

    Roberto: Sim! Seria colocar palavras na boca de Lewis. Entretanto temos que destacar dois pontos.

    1 – Em parte alguma da matéria o autor afirmou que Lewis tinha dito isso. O autor afirma que os crentes é que afirmam isso e ponto.

    2- Não fica meio esquisito da parte de Lewis, afirmar que um personagem não representa Cristo, mas que ele Lewis apenas colocou nesse personagem as características de Cristo? É só para mim ou vocês também encontram dificuldade de entender essa dicotomia? Isso tá parecendo trocar seis por meia dúzia…

    Shu: “Assim como todo homem [comum], Lewis também tinha seus defeitos. Assim como um pastor que pode ter uma queda incessante à pornografia, pode escrever belos conselhos ao povo cristão, e isto não fará com que os conselhos sejam menos válidos. [Paulo mesmo disse:”… julgai todas as coisas e retêm o que é bom…”]”

    Roberto: Algumas considerações:

    1 – Digamos que esse pastor dirija uma pequena igreja num bairro pobre de nossas cidades. Será que esse grande volume de compreensão e misericórdia seria oferecido a um ilustre e pobre desconhecido, ou o tratamento seria outro? Será que por Lewis ser uma celebridade cativante isso não esteja pendendo a balança para ele, produzindo reações que não surgiriam em outros casos?

    2- O fato do pastor ter queda por pornografia não retira a verdade de suas palavras, mas no entanto o descaracteriza e o desqualifica para o cargo que ocupa, caso ele não reconheça o seu erro, se arrependa e abandone. A coerência não é um artigo de luxo mas uma necessidade. Se eu prego o que não vivo, as minhas palavras podem até serem respeitadas, mas a minha pessoa não. Nesse caso minha vida, a despeito de minhas palavras, passa a ser uma propaganda enganosa. Essa lógica é comum no mundo desde sempre. Não encontramos em Lewis o tão valoroso e esperado retrocesso dos arrependidos.

    Shu: “Não acho que as “tendências” [talvez mal interpretadas, principalmente levando-se em conta o fator cronológico, ou seja, quando ele se sentiu tentado e quando ele escreveu os livros] de Lewis ao “pecado” sejam um motivo para tornar suas palavras menos edificantes”.

    Roberto: Você está enganado sobre a cronologia meu caro Shu, veja isso, “Observe que Lewis dizia que tinha problemas com aquele forte desejo pelo ocultismo desde que conheceu a supervisora na escola. Ele escreveu essa afirmação em 1955. Naquele tempo, ele já tinha escrito todos seus livros, exceto três (The Four Loves, Reflections on the Psalms, e A Grief Observed).”(parte da postagem).

    Shu, essa matéria em momento algum tenta provar que tudo que Lewis falou deva ser jogado no lixo. O que se faz aqui é comprovar o desvio espiritual, o abandono da fé cristã genuína para abraçar um sincretismo religioso por parte do Lewis. O fato de Lewis ter proferido verdades sem ter se entregue a elas tem tanta importância quanto a porcentagem de verdade proferida pelos fariseus. Veja isso,

    Disse Jesus sobre esse assunto, “Todas as coisas, pois, que os fariseus vos disserem que observeis, observai-as e fazei-as; mas não procedais em conformidade com as suas obras, porque dizem e não fazem; Mateus 23:3

    Shu: “Óbvio, assim como não concordo com toda a oratória [ou narrativa] de livros evangélicos, também não concordo com certas afirmações de Lewis, principalmente àquelas que se referem ao Tao e ao Cristianismo, mas isto também não invalida seus outros escritos”.

    Roberto: Você faz muito bem em discordar de alguns livros evangélicos, mesmo porque, o que move a maior parte do setor editorial evangélico atualmente não é o espírito de Deus, mas o mercado, a filosofia capitalista.

    Aqui o fato se repete, as afirmações de Lewis sobre o Tao e sobre as religiões pagãs não invalidam suas palavras verdadeiras mas invalida a fé cristã de Lewis. Porque? Porque se você afirma que as outras religiões são caminhos diferentes para o mesmo Deus, você nega as afirmações de Jesus que são extremamente claras sobre esse assunto, em contra partida, ratifica os outros caminhos que Deus classifica como malignos. Isso significa que você destrói toda a bíblia, por que toda a teologia bíblica está armada em cima de um caminho. Sendo assim, não existe mais sentido lógico para te chamar de cristão, porque o seu credo religioso não é mais cristão no sentido da palavra.

    Shu: “Assim como eu posso escrever livros por toda minha vida, em momentos onde eu estive nas “trevas”, isso pode influenciá-los. Mas em seguida, posso me “corrigir” e mudar meu caminho, escrevendo novos livros e, desta vez, edificantes e com uma visão “sem trevas”. [tentei exemplificar o que eu quis dizer com “cronológico” anteriormente, não sei se terei sucesso rsrs]”.

    Roberto: A bíblia é muito clara nas suas afirmações de como os deslizes devem ser interpretados. Não importa o tamanho, nem o tempo de duração do deslize. Se houver arrependimento e abandono da posição ruim, Deus não só perdoa como esquece. Tudo fica zerado. Não só pela cronologia, mas também pelas afirmações heréticas, fica evidente em sua história que Lewis em vez de abandonar o problema, tratou de se enterrar ainda mais nele.

    Curtir

  81. Shu Hikari
    09/02/2011

    Roberto :
    1 – Em parte alguma da matéria o autor afirmou que Lewis tinha dito isso. O autor afirma que os crentes é que afirmam isso e ponto.

    2- Não fica meio esquisito da parte de Lewis, afirmar que um personagem não representa Cristo, mas que ele Lewis apenas colocou nesse personagem as características de Cristo? É só para mim ou vocês também encontram dificuldade de entender essa dicotomia? Isso tá parecendo trocar seis por meia dúzia…

    Shu:
    1 – Os crentes afirmam isso, logo seria uma “confusão espiritual” deles, não de Lewis [no tocante às Cronicas de Nárnia]

    2 – Nâo acredito que seja trocar seis por meia dúzia. Eu escrevo um livro e crio um personagem fictício, inspirado em você, por exemplo. Não quer dizer que eu o conheça tanto ao ponto de exemplificar perfeitamente como você seria em minha história, e nem as atitudes deste personagem terão, obrigatoriamente, de seguir suas atitudes. Ou seja, o personagem criado não tem relação com o ser real que foi motivo da inspiração.

    Agora, se eu digo que você estará em minha história, o coloco como personagem participante, se as ações do personagem não condizerem com sua personalidade, você pode [e deve] reivindicar tal ato, afinal, eu [autor] afirmei que você [sua personalidade] estaria em minha história.

    Roberto:
    1 – Digamos que esse pastor dirija uma pequena igreja num bairro pobre de nossas cidades. Será que esse grande volume de compreensão e misericórdia seria oferecido a um ilustre e pobre desconhecido, ou o tratamento seria outro? Será que por Lewis ser uma celebridade cativante isso não esteja pendendo a balança para ele, produzindo reações que não surgiriam em outros casos?

    Shu: Sim, a balança pesa pra ele devido à sua imensa fama, seus “títulos” e seu respeito por diversos “senhores” no assunto. “… à quem muito é dado, muito será cobrado…”

    2- O fato do pastor ter queda por pornografia não retira a verdade de suas palavras, mas no entanto o descaracteriza e o desqualifica para o cargo que ocupa, caso ele não reconheça o seu erro, se arrependa e abandone. A coerência não é um artigo de luxo mas uma necessidade. Se eu prego o que não vivo, as minhas palavras podem até serem respeitadas, mas a minha pessoa não. Nesse caso minha vida, a despeito de minhas palavras, passa a ser uma propaganda enganosa. Essa lógica é comum no mundo desde sempre. Não encontramos em Lewis o tão valoroso e esperado retrocesso dos arrependidos.

    Shu: Isso talvez se deva pelo fato de não o conhecermos. Eu só não acredito que há como julgar o comportamento de uma pessoa, simplesmente através de seus escritos. O autor não conversou com Lewis, não andou com ele. Mas o analisa simplesmente pelos seus inúmeros escritos. Posso me tomar como exemplo. Em meu blog, escrevo várias coisas, muitos sentimentos estão nas entrelinhas, mas isso não garante que, quem quer que os leia, possa simplesmente me interpretar por completo e dizer: “Ès um cristão” ou “Não és um cristão” . Eu costumo dizer que palavras são palavras, o coração é outra história. [quem o conhecerá? rsrs]

    O post, pelo que pude interpretar, nos instiga a não tomar como exemplo, os escritos de Lewis, denotando que o mesmo faz uma confusão espiritual absurda. Eu realmente não li todos os livros de Lewis mas, dos que li, consigo encontrar vários conselhos proveitosos, principalmente no “A abolição do homem” e nas Crônicas de Nárnia.

    A fantasia criada por ele nas Crônicas é a mesma criada por mim nos diversos contos que escrevo. E o que mais destaco em Nárnia, é o fato de Lewis ter dito claramente que não era um livro cristão, apesar de que ele mesmo ainda afirmou que não deixaria de colocar aspectos cristãos dentro do livro.

    É o mesmo que eu dizer que escreverei um livro de filosofia, e, dentro dele, adicionar similaridades com a minha fé cristã.

    Tenho belos exemplos de crianças que, ao verem Nárnia, fizeram comentários que realmente me instigaram a colocar Nárnia em um de meus livros favoritos. Em outras palavras, eu prefiro deixar meus filhos lerem Nárnia à lerem Harry Potter, ou Crepúsculo, ou ainda O Senhor dos Anéis. Embora eu creia que as próprias pessoas devam selecionar o que “é bom pra elas” e se abster daquilo que julgam não edificante. [afinal, o que é edificante pra mim – ex. rock cristão – pode não ter o mesmo efeito em outros tipos de pessoas – ex. meus avós ^_^ ]

    Sobre a cronologia, realmente me enganei neste quesito.
    Os livros de Lewis e sua “reviravolta” sobre ir e vir [digamos, desviar-se e retornar ao caminho] caminharam juntos.

    Gostei da citação sobre Jesus, nos dias de hoje isso faz um sentido estrondoso.

    Roberto:
    Aqui o fato se repete, as afirmações de Lewis sobre o Tao e sobre as religiões pagãs não invalidam suas palavras verdadeiras mas invalida a fé cristã de Lewis. Porque? Porque se você afirma que as outras religiões são caminhos diferentes para o mesmo Deus, você nega as afirmações de Jesus que são extremamente claras sobre esse assunto, em contra partida, ratifica os outros caminhos que Deus classifica como malignos. Isso significa que você destrói toda a bíblia, por que toda a teologia bíblica está armada em cima de um caminho. Sendo assim, não existe mais sentido lógico para te chamar de cristão, porque o seu credo religioso não é mais cristão no sentido da palavra.

    Shu:
    Este ponto é interessante pra mim, porém, não creio que faça parte deste debate [Lewis]. Mas gostaria de debater contigo acerca do assunto “Tao e religiões pagãs” [provavelmente coisa breve, mas gostaria de ouvir sua opinião], pois atualmente estou em um debate com um ateu e assuntos como este vieram à tona na conversa.

    Mas, completando a parte que toca em Lewis, neste assunto, realmente tens razão. Não seria cristão, um alguém que não crê que o único caminho seja Cristo. E Lewis, em muitos momentos, costuma se desligar desta relação para procurar a Deus de outras formas, incluindo orar à outors deuses como se atingisse a Deus da mesma forma [digamos indiretamente].

    Roberto: A bíblia é muito clara nas suas afirmações de como os deslizes devem ser interpretados. Não importa o tamanho, nem o tempo de duração do deslize. Se houver arrependimento e abandono da posição ruim, Deus não só perdoa como esquece. Tudo fica zerado. Não só pela cronologia, mas também pelas afirmações heréticas, fica evidente em sua história que Lewis em vez de abandonar o problema, tratou de se enterrar ainda mais nele.

    Shu:

    Bom, acredito que esta parte do debate está bem clara.

    Lewis não deixou de ter uma “dualidade” na crença, mas não deixou de publicar vários escritos edificantes [o lance dos fariseus]. Acho que nem carece de explicações.

    Agora o outro ponto sobre este texto é o fato de ser taxativo demais.

    Já afirmo [novamente] que não concordo plenamente com Lewis, assim como não o faço com escritores cristãos, pastores, etc

    Porém, concordo que o cristianismo têm se tornado muito taxativo.
    Antes de eu começar a debater contigo eu estava realmente afastado de templos.

    Fiz uma longa jornada em vários templos evangélicos, de todas as denominações que eu conhecia.

    Vi inúmeras diferenças nas formas de adoração, nas formas de se “nomear” a Deus e nas formas de se referir à Ele.

    O aspecto de se analisar o cristianismo morto e julgá-lo por ser diferente do que estamos acostumados foi a principal motivação desta caminhada.

    A busca pela essência de Deus. Em outras palavras, por que, dentre tantas diferenças nas igrejas evangélicas, Deus ainda se move em todas? [Deus realmente se move em todas?]

    Lewis associava vários aspectos cristãos à teosofia e, a meu ver, consegui retratar as dificuldades enfrentados pelos cristãos ao adorar a Deus [escrito naquelas cartas de um demônio à seu aprendiz].

    Nunca o tomei como exemplo de vida, aliás, é um conselho para todos os que estiverem lendo: Não tomem como exemplo de vida, homem algum além de Cristo. Os limites da imperfeição humana são bem evidentes quando se fala de qualquer autor, mesmo cristão, quando se analisa o comportamento deste.

    O que tento dizer é o seguinte: Muitos tentam ser taxativos demais, dizendo: “Fulano és do mundo, mas beltrano és cristão”

    A afirmação de João:
    “Amados, amemo-nos uns aos outros; porque o amor é de Deus; e qualquer que ama é nascido de Deus e conhece a Deus.
    Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor.” [I Jo 4:7-8]

    A pessoa conhecer a Deus, não implica que ela seja salva [ salvação apenas por meio de Jesus, o Único Caminho], porém, o fato dela conhecer a Deus retira algumas barreiras, não?

    Acho que Lewis enxergava o Tao desta forma, apesar de eu ainda crer que ele foi longe demais e só defendo alguém naquilo em que eu concordo.

    Logo, não posso passar muito além de nárnia e de alguns dos escritos dele.

    Se eu me estender no que quero dizer, provavelmente sairemos do assunto Lewis, embora ele tenha opiniões à respeito, porém vamos concluir as “primeiras partes” antes.

    Abraços
    Kamisama to issho ni

    Curtir

  82. Gabriel
    05/03/2011

    Eu li as Crónicas de Nárnia, e sinceramente detestei o artigo. Você não tem mais o que fazer não. Poxa cara, As crónicas de Nárnia me ensinou muitas coisas. Sou evangelico e respeito as escolhas que os outros fazem no campo religioso, você falou mal das outras religiões, e a Bíblia fala que Deus deu livre arbitrio. Vai se ocupar em outra coisa, e vê se vpcê se vigia ao falar dos outros.

    Curtir

  83. Gabriel
    05/03/2011

    Vou concorda com de Shu, JESUS é um, não Aslam.

    Curtir

  84. Anônimo
    05/06/2011

    AHHH vai se ferrar!
    O livro é muito bom e vcs ficam falando bosta de um livro que nem, leram!
    Antes de falar algo sobre um livro, recomendo lê-lo primeiro!
    Sou católico e não tô nem aí! Leio Percy Jackson, Harry Potter, As Crônicas de Nárnia, etc… nunca li a Bíblia durante meu 13 anos!
    Enfim, mesmo ele querendo que Aslam fosse Jesus, e daí? Lewis gosta tanto de Jesus que queria fazer um personagem inspirado nele!
    Leia As Crônicas de Nárnia antes de escrever algo, sobre sobre o que não tem ideia do que seja!
    Caso não queira ler, DANE-SE!

    Curtir

  85. Gabriela
    23/07/2011

    Amoo nárnia de coração ♥
    maiis ñ concordo com oq disse o texto ‘ .. Magia e encantamentos ñ e nunca será ‘ é de Jesus Cristo

    Curtir

  86. Juniel
    26/07/2011

    Achei o post muito bem feito porem achei que o autor não foi irrelevante na hora de escrever tais coisas(roberto)

    Hoje em dia é moda achar ´´menssagens subliminares´´ em todo lugar,uma teoria muito confusa para mim,acho que na verdade devemos ver a obra do autor como um todo antes de criticar apenas alguns trechos…Um exemplo disso é:Há passagens da própria Bíblia que passam mais tempo falando sobre satanas do que de Deus e nem por isso a mesma é vista como livro satânico.

    Cuidado caro autor para não cinfundir as boas pessoas com suas palavras que muitas são frutos de seu conflito interno…

    Curtir

  87. Nathália Aamorim
    12/08/2011

    Bênção o texto, Roberto! Não entendo nada de ocultismo ou mitologia, mas já percebia algo muito estranho nas obras de Lewis. Não podemos deixar que coisas como essas invadam nossas mentes e minem nossa comunhão com o Senhor! Precisamos descobrir a essência do nosso Deus com os joelhos no chão e com a Sua palavra cravada em nossos corações. Tudo que passar do evangelho que nos foi dado é anátema!

    Curtir

  88. Jonathan
    12/08/2011

    Eu confesso que ao ler esse artigo fiquei meio incomodado :/ Mas é preciso analisar todos os lados de determinados assuntos para descobrirmos o real sentido de tudo.

    C. S Lewis é o pensador e autor cristão que eu mais admiro e me identifico. E tenho que dizer que não acredito na veracidade desse texto, até porque ele é visto apenas em blogs religiosos e tendenciosos.

    Eu, particularmente, posso pegar trechos da Bíblia e de outros livros para usar contra o que quiser, distorcendo a verdade e descartando o real contexto dos textos. Assim, as pessoas que lerem o meu suposto artigo, serão facilmente manipuladas.

    Li a bibliografia do autor, não vi nada que comprovasse que não era cristão. Sim, ele era ateu, mas se converteu ao cristianismo por volta de 1930.

    Não estou aqui para critica-lo, caro Roberto, tudo o que estou dizendo está de acordo com o meu ponto de vista pessoal.

    Quando eu me deparo com certas críticas envolvendo algo e/ou alguém, sempre analiso todas as fontes. Por exemplo, está escrito que Deus odeia o ocultismo e etc… Mas temos que entender que ele não odeia a magia em si, pois os anjos e demônios têm os mesmos poderes, pois foram criados pela mesmo Criador. Os demônios eram anjos que se corromperam e foram expulsos do céu. Hoje, existem pessoas que têm pactos com esses demônios e outras que as consultam. O que Deus odeia, na verdade, é a atitude e incredulidade de ambas essas pessoas.

    Se você estudar e analisar bem, os cristãos com dons espirituais também poderia ser chamados “bruxos” ou “magos”. Não há diferença de dons, mas sim, de deuses. Mas o problema é que, qualquer coisa relacionada a magia e fantasia hoje em dia é simplesmente julgada como “satânico”. Esse tipo de opinião mostra a ignorância, ou seja, a falta de conhecimento sobre determinado tema.

    Voltando a C. S. Lewis, vamos supor que ele envolveu-se com coisas que vão contra os princípios cristãos: considero isso apenas um ponto negro em sua vida – quantos de nós também não temos? Mas como diz a Bíblia, “examine tudo e retenha o bem”.

    Não sei bem se você, meu caro Roberto, entendeu a minha perspectiva. Se não foi de nenhum proveito pra você, peço que ignore isso.

    Curtir

  89. Camila de Oliveira
    02/09/2011

    Eu nao levo sorte mesmo, dessa vez nem comecei a ler “cristianismo puro e simples”
    desde q comecei a ler sem saber nada sobre o autor “evangelho maltrapilho” – Brennan Maning, nao corro mais o risco rs.
    obrigada por esse artigo, nao havia achado nada na internet q falasse sobre o carater de C.S Lewis, me ajudou muito…

    fico na palavra

    2 corintios 6:14-16

    Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque, que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas?

    E que concórdia há entre Cristo e Belial? Ou que parte tem o fiel com o infiel?

    E que consenso tem o templo de Deus com os ídolos? Porque vós sois o templo do Deus vivente, como Deus disse: Neles habitarei, e entre eles andarei; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo.

    Por isso saí do meio deles, e apartai-vos, diz o Senhor; E não toqueis nada imundo, E eu vos receberei;

    novamente obrigada! Deus abençoe a todos

    Curtir

  90. chaiane
    15/07/2012

    Com todo respeito ao sua pesquisa, sei que voce esta simplesmente dando a sua opinião e se a esta dando publicamente sabe que as pessoas pode não concordar e tambem ter voz ativa.Bom minha palavras só são que Deus é Deus sou crista e sei que ele é um Deus muito alem da bíblia(que é nossa maior referencia e guia pratico), ele é um Deus que fala ou não, é um Deus que nos ama ao ponto de usar uma pessoa que nasceu na Irlanda um pais mais do que mistico e ainda mais, ele é um Deus que nos usa como somos!
    Creio que Lewis escreveu Narnia assim como Jesus falava com parabolas (sim como Jesus! lembra que fariamos coisas maiores que ele). Não to aqui pra criticar ninguem só estou dando minha opinião . Deus abençoe

    Curtir

  91. Roberto Aguiar
    16/07/2012

    A racionalidade nos ensina a respeitar qualquer opinião, seja estapafúrdia ou genial, contrária ou à favor, independente de classe social, cultura ou raça, pelo simples fato de termos o mesmíssimo peso e importância diante do Criador. Já o comportamento, deve ser respeitado apenas se estiver se mantido na linha do campo das idéias. Se parte para o pessoal, ou para a linguagem chula, não merece ser considerado.

    Não concordo com você, mas a razão me obriga a respeitar tanto a sua opinião como a sua maneira de discordar.

    Parabéns pela última!

    Curtir

  92. Shu Hikari
    17/07/2012

    Tem coisa que não muda mesmo… infelizmente.

    Curtir

  93. Thaize Oliveira
    16/10/2012

    Olá
    Eu me propus a fazer a minha monografia embasada na relação das Crônicas de Nárnia- O leão, a feiticeira e o guarda-roupa, com os textos bíblicos. Confesso que depois de ler esse texto pude observar o outro lado que não é mostrado na maioria dos artigos sobre Lewis. Caro Roberto Aguiar, admiro a sua ousadia em falar nesse assunto, li seu texto, e penso que nenhum texto é ingênuo, principalmente o do próprio Lewis. Acredito que só os tolos não discutem esse tema, é por isso que falsos profetas invadem o nosso cotidiano. Penso que a Verdade Bíblica nos basta, e se a maioria não aprova o que pensamos, não significa que a nossa opinião não tenha valor, esse ditado que diz “A voz do povo é a voz de Deus” é grande mentira, afinal foi uma maioria que crucificou Jesus, não é?

    Curtido por 1 pessoa

  94. Pedro Mendes
    28/10/2012

    Caro amigo, gostei de sua argumentação….eu tenho lido mtos dos escritos de Lewis e tenho me deliciado em suas leituras, mesmo sabendo que ele não é a palavra final nos assuntos que aborda..todavia, tem um livro que eu gostaria mto de ler, já procurei em editoras, livrarias, sebos, sites de busca e nao tenho encontrado. O livro é “Supreendido pela alegria”…Gostaria de saber como encontrar esse livro, mesmo que seja em PDF ou mesmo de outra forma. Será que vc poderia me ajudar nesse sentido? Me mande retorno, meu caro, por esse e-mail: pedro_mendes.prof@hotmail.com

    Curtir

  95. Pedro Mendes
    28/10/2012

    Caro amigo, gostei de sua argumentação. Eu tenho lido mtos dos escritos de Lewis e tenho me deliciado em suas leituras, mesmo sabendo que ele não é a palavra final nos assuntos que aborda..todavia, tem um livro que eu gostaria mto de ler, já procurei em editoras, livrarias, sebos, sites de busca e nao tenho encontrado. O livro é “Supreendido pela alegria”…Gostaria de saber como encontrar esse livro, mesmo que seja em PDF ou mesmo de outra forma. Será que vc poderia me ajudar nesse sentido? Me mande retorno, meu caro, por esse e-mail: pedro_mendes.prof@hotmail.com

    Curtir

  96. Randerson
    19/11/2012

    Meu comentário franco e sincero: já li tudo e mais um pouco do que Lewis publicou e obras de outros autores sobre ele. O que Lewis diz ou a forma como fala ou ainda as alegorias que usa ou o tom de ficção que adota… tudo isso desperta de forma fantástica a nossa imaginação, ao ponto de suscitar discussões como a que estamos lendo aqui. A questão não é que Lewis era ou não um cético, confuso, herege ou o que quer que seja, o grande problema é que somos muito, mas muito mau leitores. E quando somos bons leitores?! Quando manifestamos nossas PRÓPRIAS opiniões sem considerar questões religiosas, crenças ou marcar qualquer tipo de tendência só para assegurar o que ou aquilo em quem creio. Isenção é a palavra-chave. Quando lemos assim, nos tornamos aptos a manifestar nossas posições com algum proveito.

    Curtir

  97. antonio
    05/12/2012

    Bom vcs tem que lembrar que o titulo do topico e a confusao espiritual de Lewis agora o filme e legal nao,de 0 a 10 dou a nota 0 pois e 100% mistico quanto ao livro nem perco tempo pois nao me edifica em nada,foi mais um filme besta que assisti , e mais este site e evangelico e o que se discute aqui e sobre a trajetoria deste autor renomado e que escreveu obras religiosas admiradas,e sua ligacao com o olcultismo,ja foi falado acima sua influencia com a teosofia .

    Curtir

  98. Sergio
    12/01/2013

    Roberto, parabéns pelo texto! Realmente não é fácil remar contra a maré!
    Em Oséias está escrito que “o meu povo erra por falta de conhecimento” e Paulo escreveu que quando estamos na carne nossas ações são baseadas na carne e quando estamos no Espirito Santo nossas ações são baseadas pelo Espirito Santo! Vivemos em um mundo que está no maligno e o próprio que é astuto vai sempre enganar as pessoas e essas que não tem seus pés plantados na palavra de DEUS aceitam facilmente essas teorias enganosas de CS Lewis!
    Temos que ter a mente aberta para o que DEUS fala através da Palavra Dele e não através de “ponto de vista” como o que CS Lewis apresentou!
    DEUS te abençoe Roberto e nos veremos no Lar Celestial!!!

    Curtir

  99. Bruna Pezzan
    07/06/2013

    Interpretação tenazmente ignorante. Será que é tão difícil perceber que o que Lewis quis nos mostrar em seus livros? Ele quis unificar as religiões, não dar supremacia a nenhuma em particular.
    Valorizou todas as diversas culturas dos povos pagãos assim como o Cristianismo. Infelizmente, as pessoas confundem demasiadamente a semântica da palavra pagão, pois formam uma convenção tácita, um preconceito, portanto, para elucidar melhor o seu significado, trago aqui a definição consoante o dicionário da língua portuguesa: Designação dada outrora às religiões não cristãs.
    Acredito que isso soa bem diferente do significado que damos a palavra atualmente, que é , contrário a Deus, portanto, nocivo e maléfico.
    Não consigo compreender as pessoas que preterem outras religiões, só porque são diferentes das cristãs. Existem não cristãos de boa conduta e moral, de caráter justo e certo.
    Ou você realmente conjectura que as pessoas bondosas, inobstante sejam de uma religião pagã serão sampadas diretamente ao inferno?
    Me desculpe, mas me parece que de nada adianta ter fé em Deus tão bom e justo, como o cristão, agindo da forma que você age, menosprezando as mitologias, como a grega, nórdica , celta que existiram muito tempo antes da mitologia cristã, e inclusive,foram precedentes a bíblia. É vil da sua parte vituperá-las pelo simples fato de serem religiões diferentes da sua ideologia ou daquilo que você considera certo. Censurar aqueles que fazem menção a elas, embora também sigam a religião cristã é igualmente errado.
    Não suje a obra de Lewis. A única exortação que dou é que pense mais antes de escrever bobagens.
    E se reavalie como cristão, pois a coisa recôndita aqui é o seu respeito por aquele que é diferente de você.
    Aja conforme Cristo ensinou, respeite, seja justo e sem preconceitos, pois só assim, também será respeitado integralmente.

    Curtir

  100. Marina
    23/07/2013

    Se você, realmente, cultiva o amor que Deus nos ensinou, não estaria ai julgando um cristã devoto que escreveu um conto de fadas para sua sobrinha.

    Sinceramente, As Crônicas de Nárnia fui o único livro em que já chorei, justamente por suas referências ao cristianismo, no qual Aslam seria a própria personificação de Jesus em um universo paralelo.

    Ele é um dos meus autores favoritos, então por favor, se informe e não espalhe tamanha ignorância ao mundo, pois já existe muito por ai.

    Grata pela atenção de ter lido este comentário de uma CRISTÃ.

    Curtir

  101. randerson
    23/07/2013

    Conheço tudo o que há escrito sobre Lewis e acreditem, o fiz para contrapor, contestar… mas…

    Lewis conseguiu com sua forma alegórica de pensar, com sua genialidade, provocar nos seus leitores manifestações como a que estamos acompanhando aqui, das mais alienadas às mais sensatas.

    O paralelismo que Lewis cria em sua literatura em relação aos vários movimentos religiosos não exclui a beleza de sua criatividade. Ela perpassa qualquer pensamento pragmático e abre a mente, principalmente do público infantil para um mundo de ficção e magia.

    É importante mesmo qualquer um fazer sua interpretação, pois foi para isso que Lewis escreveu. Só temos que tomar cuidado para não fazer interpretações ESTÚPIDAS e passar isso como uma verdade absoluta, ainda mais sobre um gênero literário que foi escrito para nos fazer PENSAR e levar nossa imaginação a lugares nunca explorados. Assim é C.S. Lewis e foi assim que eu consegui enxergar.

    Quanto a Deus, a Jesus, ao Espírito Santo e às coisas espirituais, basta estar na verdade, crer na verdade e viver na verdade e aí estaremos todos envolvidos em seu amor, que excede todo o entendimento. Isso é tão sublime que não dá para misturar “alhos com bugalhos”.

    Abração do Randerson

    Curtir

  102. Wilson Ramiro
    30/07/2013

    Caros, o cuidado que tem que ser tomado é quando são comparadas as ideia de C.S.Lewis, Anglicano, com Evangelicalistas e protestantes brasileiros. A Igreja anglicana tentou manter toda a tradição da igreja católica e apenas escolheu não obedecer ao papa. Os anglicanos, pelo menos ainda no tempo de Lewis possuíam cerimonias, hierarquia e rituais herdados da igreja católica. Alguns o admiram e ingenuamente chamam C.S.Lewis de protestante, tentando igualar o anglicanismo com outras formas de culto estranhas à religião que ele dizia ter. Considero Lewis um estupendo autor, apenas limitado, como é natural, ao fato de não ser católico.

    Abraços Wilson Ramiro

    Curtir

  103. Lucas Matias
    11/09/2013

    Caro autor Roberto, gostaria de dizer que respeito suas opiniões tão bem elaboradas, que estão em seus artigos. Porém acho que deve haver um cuidado para que não se crie um terreno hostil dentro de suas dissertações. Não podemos simplesmente anular grandes nomes do meio evangélico/pentecostal/protestante. Devemos ter uma cautela em relação ao que propagamos, pois não podemos desrespeitar as pessoas mais fracas na fé, ou aquelas que são ministradas de maneira inusitada em relação a nossa própria visão de ortodoxia. Não estou dizendo que pessoas que admiram os autores e líderes contrapostos neste blog sejam fracas na fé, estou apenas dizendo que existem pessoas que confiam de coração inocente em discursos e livros muitas vezes sem compará-los com a Sagrada Escritura. E existem aqueles que são ministrados de formas que para mim possa ser estranho, mas não posso julgar a ação do próprio Espírito Santo. Deus é o mesmo ontem, hoje e eternamente. Mas o caráter dele, não impede que ele se utilize da criatividade, que é um atributo que está presente em sua criação e no ser humano. Jesus deixou claro que o joio cresceria juntamente com o trigo, e muitas vezes ele não será notado. Caberá a nosso Senhor no último dia colher o trigo, e queimar o joio. Talvez Deus não elimine nem derrube muitos grandes líderes pois existem pessoas debaixo dessas autoridades que tem uma fé sincera e servem ao Senhor com sua simplicidade. Não cabe a mim, nem a você, nem a nenhum outro discípulo de Cristo julgar a si mesmo superior e começar a invalidar ministérios dos quais nem mesmo somos participantes. Então meu irmão, apenas quero deixar isto, que possamos deixar o papel de definir quem é ovelha e quem é lobo ao nosso Senhor. Nem todos nasceram para ser peritos nas Escrituras. E todos devemos compreender e respeitar isto.
    Que Deus abençoe

    Curtir

  104. Alexandre
    18/10/2013

    Péssimo texto, visão de alguém totalmente preso a seus preconceitos “cristão”, visão limitada e sem crédito algum. Se leu todos os livros do lewis certamente não leu nenhum com a intenção de aprender nada de homem com falhas sim, mas homem de Deus. Tenho dó de quem lê esse lixo em forma de texto e tira a ideia do autor por um invejoso, no mínimo.

    Curtir

  105. Edson
    12/11/2013

    ufa , li tudo, muito bom , assim vou crescendo na graça e no conhecimento do meu Senhor e Salvador YESHUA pois estou firmado na Biblia e ela me ajuda reter oque me edifica. Agora o Antonio do comentario acima ta representando bem oque a igreja catolica apostolica espirita idolatra romana faz com as pessoas.

    Curtir

  106. Romeu
    22/11/2013

    Saudações amigos. Li o post, todos os comentários. Não gosto de me envolver em polemicas, mas quero dar minha contribuição. Não li os livros do Lewis, apenas assisti aos filmes de nárnia. Não sabia quem era o autor. Frequentemente ouvia pastores citando frases de Lewis em suas pregações, achava legal. Até que descobri que Lewis é o autor de nárnia, pronto, perdi a graça nas citações. Convenhamos: Alguem que se diz cristão escrever sobre ocultismo, fábulas, feitiçaria? Está fora do tom. Alguns argumentaram que Jesus usou parábolas, opa, mas as parábolas tinham uma lição espiritual, e Jesus deixou isso bem claro. Já foi comentado que Lewis não escreveu nárnia com um cunho espiritual, o que pra mim agrava mais ainda as coisas, pois o interesse de um cristão escrever histórias com características e elementos contrários á Palavra de Deus? Isso me parece uma ideologia. Olha, não vou negar que sou atraído por esse género de filmes. Mas sinceramente, ao descobrir que Lewis era cristão e escreveu histórias que geraram filmes como nárnia, foi um aval para eu assistir outros do genero como o senhor dos anéis, até porque o RR Tokien também se dizia cristão. Graças a Deus, apesar de ainda gostar, tenho conseguido superar a tentação de ver, até como alguns dizem `com olhar crítico`. Amigos, lembro-me das palavras de Jesus em Mateus 7: `… nem todo o que me diz Senhor, Senhor entrará no reino dos céus…` Então, só porque o cidadão se diz cristão não é prova que está certo. O que ví nos filmes de nárnia, foi muita verdade misturada com mentiras. E quem é mestre nisso não é Cristo, que só dizia a verdade. Portanto, cuidado. Eu ando sempre com um pé atrás no que diz respeito s C.S. Lewis.

    Curtir

  107. Édipo Hikari
    02/12/2013

    Romeu, sinceramente, sinto muito que pense dessa forma.

    O fato de usarem fábulas não invalida a mensagem em si, muito menos torna assistir à este filme, um pecado.

    Nós cristãos temos muito preconceito com títulos, e muitas vezes nos esquecemos da essência das coisas, afinal, Jesus demonstrou claramente que o pecado não está no ‘título’, mas começa no coração. (Somente a intenção de pecar já é pecado)

    Lewis ensinou conselhos valiosos, trazidos de toda sua experiência em ter passado coisas ruins no ocultismo e somente por isso, não invalida nada do que ele foi ou fez…

    Nós cristãos ainda temos muito à aprender, muito preconceito pra quebrar, principalmente com ‘nomes’, ‘títulos’… infelizmente é a realidade da maior parte das igrejas brasileiras.

    Detalhe, Tolkien era católico e melhor amigo de Lewis, os livros não foram feitos com cunho de ensino espiritual, mas passaram mensagens interessantíssimas sobre lealdade, vida, fé e muitos outros assuntos.

    Agora, sobre Nárnia, vou fazer uma referência à Aslan e te perguntar algo:

    Como você enxerga Deus, hoje? Em outras palavras, para você, quem é Deus? (Paulo diz que hoje o vemos como espelho, então nossa visão sobre Deus está obstruída por nossas próprias vontades, desejos, visões, imaginação, etc)

    Quando Lewis descreve as características de Aslan, ele simplesmente mostra o que ele vê de Jesus, ou seja, como ele acredita que a personalidade de Jesus seja… há pecado nisso? Para mim, Aslan se aproxima mais de Jesus do que muitas das ‘visões neo-cristãs’ que surgem atualmente e muito mais ainda do que as visões fundamentalistas de antigamente.

    Agora, só porque eu não acho que Jesus e Aslan sejam parecidos, não tenho o direito de desmerecer Lewis por pensar diferente.

    Os seres humanos, principalmente os brasileiros, precisam sair das fraldas e parar com essas brigas estúpidas que causam por terem ideais diferentes. Todos somos humanos falhos e frágeis, tentando encontrar a Verdade do jeito que entendemos que seja… resumindo, o “meu Jesus” pode ser diferente do seu, e isso não te dá o direito de criar uma guerra contra mim e o que sou, só porque pensa diferente.

    Quando O que é Absoluto vier, e mostrar a Verdade absoluta, sem interpretações diferentes, sem vírgulas que nós mesmos colocamos pra se adequar às nossas vontades, aí sim a coisa vai mudar, mas até lá, nem mesmo nós cristãos sabemos ser unânimes quando se trata de pecado ou de Deus… (vide batistas, pentecostais, neopentecostais, calvinistas, arminianos, etc, etc)

    Curtir

  108. Diego Librelon
    23/01/2014

    Texto muito interessante e os comentários também! porém não concordo em dividir, por exemplo, a obra As Crônicas de Narnia em partes cristãs e não-cristãs. Se fizermos uma analogia de que Aslan representa Jesus e as crianças o povo (ou os apóstolos, como já ouvi por aí), temos que transportar toda a história como uma ilustração, inclusive as partes que falam de magia etc. Agora, se as discordâncias não se enquadrarem no contexto, creio eu que nada poderá ser aproveitado. Li recentemente Os Quatro Amores e tirei lições muito boas para a vida, mas não necessariamente no contexto cristão.

    Curtir

  109. Michelle
    08/02/2014

    Olá, li o seu texto porque estava atrás dos livros desse autor para ler, vi referencia à ele em dois livros evangélicos que li. Quando vi que ele foi o autor de As Crônicas de Nárnia já fiquei com o pé atrás pois vi os filmes e lembro da menção de Adão no primeiro filme e de Aslan e das magias, então li seu texto inteiro. Achei verídico tudo que você descreve, sua base bíblica é bem consistente, não porque não li nenhum dos livros e nem sei do que estou falando mas sim por causa da eresia descarada, nunca na minha vida consideraria as crônicas de nárnia como algo em que Deus seja retratado. O que acontece é a ânsia por conhecer a Deus e a nossa sensibilização e desejos embutidos na nossa compreensão, aí entra o discernimento só tem quem tem real desejo pela VERDADE E A BUSCA. Existem muitos crentes em contos de fadas essa é a verdade, e a verdade de Cristo não é atrativa para esses crentes. Teu texto me tirou do erro. Deus te abençoe!

    Curtir

  110. elyselton
    22/02/2014

    O cara estuda para escrever merda –‘

    Curtir

  111. Gabriel
    09/07/2014

    C.S Lewis é para mim, um dos maiores autores cristãos. Foi através de um livro dele, Cristianismo puro e simples, que Deus usou para tentar recompor minha fé abalada. Não consegui ler o texto todo, desculpa. Dizer que C.S Lewis não foi um cristão exemplar é sinceramente patético. Acredito que a maioria dos Cristãos estudados reconheçam a genialidade de Lewis, pois foi meu próprio pastor que me apresentou o livro. A partir daí comecei a me interessar cada vez mais e atualmente estou lendo As crônicas de Nárnia, que de nenhum modo traz feitiçaria como sendo uma coisa boa. A Feitiçeira Branca é uma vilã, e a Magia que a lúcia fala não é feitiçaria do modo que conhecemos.

    Curtir

  112. Davi Lima
    07/09/2014

    Nármia, Harry Potter, Senhor dos Anési tudo é a mesma coisa mistura fantasia.feitiçarias, pós mágicos, seres fabulosos – todos tem certo de fundo moral: o bem contra mal, valor da amizade, coragem, da vida em favor de outro ou pela humanidade. Mas a Biblia é incomparável, dizer que essas histórias de fantasia nos ajuda entender melhor a Bíblia – por favor leia Bíbla para valer em oração – ela já tem de tudo que precisamos – Deus pode usar homens com seus escirtos – profetas, mestres, evangelistas, pastores – que são chamados para edificar o corpo de Cristo – mas para levar bem longe dos valores da cultura humana – tão valorizado nos dias hoje – um deus. Vamos cuidar – não são os escritos de homem a resposta decisiva – a resposta final é a Palavra de Deus – se alguém apresentar um outro evangelho: As Sagradas Escrituras é taxativa: Seja anátema (maldito). Vamos cuidar do nosso coração dele saem fonte de vida ou morte – e nos falamos do que nosso coração está cheio – deixar o Espírito Santo atuar com a Palavra no íntimo nos fará ver que tudo do que tem sido tido – passa ou não pelo crivo da Palavra. O irmão deu um alerta, não estamos condenando os escritos do C.S. Lewis, mas vamos lembrar e lembrar a resposta final é a Palavra de Deus.

    Curtir

  113. VBMello
    21/02/2015

    Tá, agora escreva sobre o que você vê de bíblico em c.s.lewis…
    Aí eu volto e a gente conversa…
    ===
    Ps. Uma sugestão técnica para seu blog. Tente colocar o texto na cor cinza. Facilita a leitura, principalmente em textos longos como este.

    Curtir

  114. Cleyton
    23/03/2015

    Roberto, confesso que vi frustrada minha admiração a Lewis, foi coerente na maior parte do tempo, eu particularmente achei exageiro em uma parte apenas, mas não muda a exatidão em sua linha de raciocínio. Tenho quase todos livros de Lewis, pelo menos, a maioria deles traduzidos pela Martin fontes. Colega, creio que vi-me numa situação complicada, quando diz; magia, seres, entes e por ai vai… Concordo contigo, pois devemos lembrar as pessoas que a bíblia não foi construída numa visão pós-estruralista e pós moderna, que nos propõe relatividade de conceitos, quanto variedade de significados, ou sinônimos, até porque Bíblia deixa muito claro que estes substantivos implicam em prática, portanto, qual seria a diferença entre a adivinha que Saul consultou, para ciganas de hoje em dia? Realmente é de se pensar, principalmente nesta questão pós-estruturalista! Realmente frustrante, sobretudo agradeço-lhe pelo tapa na cara! Hahaha, estamos em um mundo, assim eu acredito, digo isso, unicamente de minha parte, que mais vale perder um ego que perder a vida eterna! Parafraseando! Se não for pedir muito gostaria de indicações suas de leituras, alem bíblicas, pois confesso que vi num comentário, a seguinte expressão de forma indireta vou citar; “Tive uma experiencia com Cristo ao ler Nárnia”. Caro colega, creio que devo dizer que; consegui achar um fundo moral e as vezes me emocionei! Mas quando li seu artigo, abriram-me os olhos e pude voltar a razão que fé não é sensitiva! Pois o amor é algo muito alem de sentimentos… Não entenda que sou um formalista ou legalista que vê fé como obediência! Mas isso não é assunto pra este comentário, sem mais, se não for incomodo, peço que atenda meu pedido, sobre leituras de apologetas cristãos! Meu gmail é: cleytonkesler gmail.com

    Curtir

  115. Manu B.
    25/04/2015

    Não li todas as obras do C. S. Lewis, mas sempre gostei dele. Entendo que há muitas falhas nas teorias dele, como também sei que há em todos os teólogos no mundo. Todos nós somos humanos e falhamos sim e várias interpretações das coisas divinas e da própria bíblia. Não vejo problema em deixa meus filhos lerem Nárnia, até porque não será a leitura unica, e quando lerem tentarei explicar e abrir seus olhos o máximo possível para que possam só absorver as coisas boas, não só da obra desse autor, como também no geral. Acho válido falar e criticar o autor, mas não acho que devemos desmerece-lo. Lewis passou por situações complicadas, foi ateu e depois voltou para os caminhos de Deus. Suas obras são reflexo da sua visão de Deus. Vi que alguns até ficaram frustados com sua admiração ao autor, não acho que precisa disso. Continuarei gostando do autor e lendo as suas obras. Não só como cristã, mas como ser humano, penso que não devemos absorver tudo que vemos ou lemos. Meus pastor sempre fala que devemos guardar o bom na sacola boa e o ruim na sacola furada. Se você não concorda ou acha ruim, não absorva, mesmo que seja o melhor teólogo/pastor/conferencista ou qualquer coisa, continuam a ser homens com falhas e erros. Simples.

    Curtir

  116. Vitor.
    28/05/2015

    Grande Roberto. Existe propriedade no que você diz, mas ao decorrer do texto vi muita razão mas me senti muito pouco edificado. Como Paulo trata em 2 Timóteo 2:14-19, discussão que se alastra em teorias vazias, excessos, inchaço ,arcabouços de linguagem que refrata a luz, pouca vida. Paz!

    Curtir

  117. Roberto Aguiar
    30/09/2015

    Prezado Vitor! Concordo com a “pouca luz e pouca vida”… Nesse post houveram varias discussões vazias e desnecessárias… O tempo aliado a fé concreta biblicamente textual, mediante o Espírito, nos ajuda a corrigir a rota… Quanto a teorias, confesso que não consegui encontrar… Estou aprendendo a ser escravo dos fatos, e fatos, são o teor exclusivo dessa matéria.

    Um abraço!

    Curtir

  118. Salomão
    07/10/2015

    Uma discussão de quase 6 anos. Admiro sua paciência Roberto. Mesmo que até os tolos podem o ser.

    Curtir

  119. Roberto Aguiar
    07/10/2015

    Nobre Salomão, a verdade não tem prazo de validade, além do mais, comentários como o seu, sempre são uma oportunidade para exercitarmos a misericórdia.

    Um abraço!

    Curtir

  120. tato
    10/11/2015

    Só para lembrar, CS Lewis nunca se considerou um teólogo e nos seus livros sempre aconselhou a busca por pessoas mas capacitadas do que ele no campo da teologia. Agora, todo esse debate por conta de um grande homem e pensador, porém limitado e falho como qualquer outro. Embora também não concorde com alguns de seus pensamentos, depois de ler seus escritos posso afirmar que é sem dúvida um dos maiores pensadores cristãos de todos os tempos. E quando ele faz citações de outras religiões em “Abolição do homem” , a sua única intenção é fazer uma defesa elaborada da lei moral, que na minha opinião é a maior prova da existência de Deus. Quem não conhece, não deixe de ler !!! Basta seguir o conselho apostólico, retendo aquilo que for bom e descartando o resto !!!

    Curtir

  121. Andrey
    26/11/2015

    Interessante suas argumentações sobre as crônicas de Nárnia, mas discordo. Quero destacar para melhor entendimento do assunto que o escritor das Crônicas jamais concordou em apontar seus escritos fictícios com a verdades do cristianismo. Ficção é ficção. Agora é verdade que há muitas similaridades no desvencilhar das histórias, mas ainda sim os leitores é que subentendem que a estória fantástica de Nárnia tem algo muito forte com o cristianismo. Segundo lugar quero destacar a parte que se trata da Magia e mago. Falando agora da Bíblia, o irmão que escreveu o texto sabia que MAGO nas (Escrituras Sagradas) está relacionado a Sabedoria?
    Por ex: Daniel era estadista e visto pelo reino em Babilônia como um Mago. Foi conhecido por Nabucodonosor como o maior mago, por este motivo foi posto em uma alta posição em Babilônia. Lembra dos Três reis (Magos) que vieram visitar o menino Jesus na estábulo? pois bem, estes não eram feiticeiros e nem o estadista Daniel. O título Mago não significa feiticeiro dentro deste contexto nas Escrituras Sagradas. Se quisermos comparar ou apontar as Crônicas de Nárnia com os ensinamentos do cristianismo tratando os símbolos demonstrado nas Crônicas por Lewis teríamos uma diversidade de suposições, umas coerente a fé cristãs e outras não. Há quem diga, isto é, aqueles que querem comparar a estória fictícia das Crônicas de Nárnia que deve se entender a magia profunda ou a magia que governa nárnia que C.S Lewis discorre como sendo alusão a Lei e a Graça. ” Magia Profunda”- fala da Lei e ” Magia profunda antes a aurora do tempo”- fala da Graça. Outra definição; Magia fala de poder sobrenatural ou uma força maior e na trama fictícia a força maior que governa tudo e todos em Nárnia é o Pai de Aslam Imperador-de-além-mar fazendo também alusão á Deus. claro que, não é eu que estou comparando isto ou o que deve ser este sentido, mas para os admiradores da obra de Lewis isto pode ser uma interpretação.
    Resumindo: Gosto muito desta obra de C. S. Lewis é fantástica! já li todos os livros da série mais de uma vez e embora o autor venha tratar de uma história fabulosa é claro que ao mesmo tempo nos remete a similaridades de acontecimentos cristãos. por exemplo: A morte de Aslam e sua ressurreição, Aslam por detrás de todas as histórias e destino, a Criação de Nárnia, e o apocalipse de Nárnia descrito no livro A Última Batalha.

    Curtir

  122. AndSchu
    22/12/2015

    “[…] mas por discordar radicalmente dos meus mentores por suas incongruências cristãs, eu me alto (sic) (auto) exclui.[…]”

    Pergunta pertinente: se os ‘mentores’ estão ‘errados, o erro está onde se foi buscar essa formação ou no que buscou a formação? Ou apenas o aluno que buscava conhecimento está correto e os mestres estão errados, levando ao erro todos os que buscam, e o aluno então é o mestre?

    C S Lewis (não sou fã, na verdade, ainda nem li toda a saga de Nárnia), se converteu ao Cristianismo, essa obra pode ser considerada (pode ser) uma alegoria, uma forma de contar uma história “fantástica” para crianças e apresentar grande base Cristã, lembro-me de, quando assistindo ao primeiro filme (o guarda-roupa), com 6 sobrinhos/as na cama, eles foram identificando “tempero Cristão” em algumas cenas e citavam ‘olha, isso é porque…” (não poderia exigir que lessem os livros, rs), concordo que temos que ter cuidado com o que lemos, como que levamos para dentro das nossas casas (e ‘casas’ – nossa mente/coração), mas em tudo devemos também discernir, saber separar a história fantástica da inserção para evangelizar.

    Devemos olhar como uma obra mitológica, uma parábola ou um instrumento de evangelização? Acho que cabe o conhecimento, a “via de pensamento”, o ponto d de vista e o radicalismo (presente ou ausente) de cada um.

    […] A – necessária – presença do outro naquilo que dizemos (escrevemos) ou ouvimos (lemos) é que postulamos a existência de uma intertextualidade ampla, constitutiva de todo e qualquer discurso, a par de uma intertextualidade stricto sensu, […], necessariamente, pela presença de um intertexto. (KOCH, BENTES e CAVALCANTE, 2007 apud SANT´ANNA, 2010, p.39).

    Seres ficionais e mitológicos, magia, entre outros… Na biblia tratamos de ‘dragões’, parábolas, etc…

    Se CSL utilizou-se de uma aventura fantasiosa para atingir os objetivos aos quais ele cria? seria um erro/dolo dele ou a forma que este encontrou para propagar a Palavra? (não defendendo, mas, citando, em tempos de pastor show, pastor piadista, culto high technology, mega eventos, entre outros…). Mesmo com a alusão ao fantástico, ao mítico/místico, o valor da obra não pode ser pura e simplesmente retirado, sem se pesar racionalmente o seu valor.

    CSL apresentou a obra redentora, os conceitos do pecado, do perdão e da salvação, do arrependimento, Nárnia é um manifesto da fé (talvez não seja ele que não queira se mostrar, mas nós que não queremos/consigamos vê-lo), temos a ‘feiticeira branca’, quebrando o paradigma de que o mal é negro, sombrio, ‘carimbado’ (Lúcifer – anjo de luz).

    Me intriga (e é sério isso) a forma jocosa e até abrupta que trata os interlocutores que questionam suas linhas (e alguns destes até fazem uso destes artifícios, mas… ‘oferecer a outra face’, ainda assim tratar com educação e completa cerimônia aos que eventualmente atacarem…).

    Bom, só umas ponderações minhas, espero (e oro) que eu não seja tratado tão desrespeitosamente como vi vários casos acima. Precisamos ter a mente aberta e focada (em Deus, saliento), para não nos tornarmos arrogantes, violentos, soberbos, (in)crédulos, apóstatas, religiosos, fanáticos…

    Graça e Paz

    Curtir

  123. AndSchu
    22/12/2015

    Em tempo: meu primeiro questionamento é pelo fato de que se os mestres (supostamente) estão errados, o que nos faria os certos (claro, poderia se contraargumentar com “os rabis’ estavam errados, inclusive os Judeus condenaram a Cristo, mas questiono é que se você está com a palavra e por isso abandonou a formação, onde foi buscar esta formação que depois você julgou ser errada? buscou água potável em rios sujos ou considerou suja a toda a agua?)

    abraços

    Curtir

  124. Eduardo.
    23/01/2016

    Roberto, excelente seu artigo/análise sobre o contexto ocultista de C.S lewis!
    Eu ja conhecia um pouco sobre o tema, via leitura dos artigos disponibilizados no Espada, site do qual sou leitor.
    Bem “interessantes” (para não citar outra palavra) foram as críticas de seus detratores que, diga-se, nada acrescentaram no sentido de edificar ou adicionar mais luz à questão.
    Parabéns pelo seu trabalho de conscientização, pois você cumpriu, nesse texto, Efésios 5:11, assim penso.

    Curtir

  125. romulo
    05/02/2016

    Indicaria a vç a leitura o melhor vç discuitir assuntos relativos a literatura com alguem da area. Lhe indico Gabrielle Greggersen

    Curtir

  126. Elis
    11/02/2016

    AndSchu, MUITO bem colocado! Quanto a este artigo… ‘senta lá Claudia’ define bem. Infelizmente o artigo demonstra uma pobreza enorme de imaginação, beleza e sabedoria. Vejo cabeças muito pequenas onde não cabem conteúdos aparentemente conflitivos. Uma pena.

    Curtir

  127. izabella
    13/03/2016

    ai que texto longo kkk
    enfim, só queria dizer que o Espirito Santo é competente o suficiente pra mostrar a todo aquele que nasceu de novo o que O agrada ou não.
    Eu tenho certeza do meu novo nascimento e da minha salvação..então sei q Ele habita em mim e me fala o q O agrada ou não em tudo que eu faço.
    NO MEU CASO consigo tirar princípios bíblicos da historia.Pra falar a vdd ate no filme Madagascar eu consigo tirar princípios kkk =D
    Então vai muito do seu relacionamento com o amor e graça de Deus e o quanto vc tem de intimidade com Cristo.

    Curtir

  128. Anderson Mardonio
    14/05/2016

    Sinceramente, é um artigo grotesco, sensacionalista e indigente de perspicácia. Lewis apenas fez adaptações do Evangelho àquilo que pertence ao “FANTÁSTICO”, a fim de propagar o cristianismo aos de tenra idade. Sem falar que a.C os mitos, como arquétipos do inconsciente coletivo, segundo pensou Jung, não deixam de apontar para verdades. Sendo uma delas, a SUPREMA VERDADE, a saber: CRISTO. Uma lavagem de roupas é mais interessante que o seu artigo!

    Curtir

  129. Roberto Aguiar
    26/05/2016

    Sinceramente Mardonio, do ponto de vista bíblico, o evangelho jamais esteve aberto a adaptações grosseiras como essa, de quem quer que seja, mesmo mediante a pretensa ótica da valorização do mesmo. Os homens é que tem que se adaptar ao evangelho e não o contrário. Até um novato na fé sabe que o conceito de magia não encontra conexão alguma com o conceito bíblico do bem. Se a intenção de Lewis, como você teoriza, era propagar o cristianismo aos de tenra idade, quais os resultados disso? Não existem! Você cita Jung, mas este era conhecido inimigo da bíblia… Seus argumentos não possuem consistência bíblica, que é o que interessa nesse contexto. Sinto muito ter atingido seu ídolo… Sua troça esvazia sua crítica…

    Curtir

  130. Roberto Aguiar
    26/05/2016

    Nos desculpe pela estreiteza de nossas mentes, é que nelas, só há espaço para a palavra de Deus, pois nossa pequenina percepção, não consegue alcançar nada alem disso… Nos escuse…

    Curtir

  131. Roberto Aguiar
    26/05/2016

    Prezado, acho que você não entendeu… O assunto aqui são as idéis espirituais de Lewis, o assunto aqui é bíblia…

    Curtir

  132. Roberto Aguiar
    26/05/2016

    Prezado, seu questionamento sai do nada, e vai para lugar algum… Discordar de alguns não significa que discordamos de todos…

    Curtir

  133. Roberto Aguiar
    27/05/2016

    Concordo planamente com suas críticas sobre a maneira anticristã com que tratei alguns de meus críticos. Isso não é admissível! Por isso dei um tempo… Percebi que estava pronto para receber críticas respeitosas, mas não as depreciativas… Por isso dei um tempo de alguns anos aqui no blog… Tinha que rever meus conceitos! Acho que agora estou um pouco mais dependente de Deus para enfrentar oposição mais áspera.

    Sobre a teoria de Lewis fazer toda a obra na tentativa de passar o evangelho as crianças… Seria mais ou menos como transmutar o demônio como ser do mal, para um agente difusor do bem… Isso é forçar a barra…! Se quiser, podemos justificar o que quisermos para satisfazer nossos desejos, mas isso não é muito inteligente… A bíblia retrata uma narrativa de 3500 anos. Isso é tempo suficiente para vermos diversos modelos de narrativas da mensagem em culturas diferentes. Não vemos nada que se aproxime de Narnia…

    Curtir

  134. Roberto Aguiar
    27/05/2016

    Como disse antes, jamais questionei o valor de Nárnia sob um contexto secular. Isso absolutamente não diz respeito a postagem. Tem um grande valor secular. No entanto Nárnia num contexto bíblico, juntamente com a espiritualidade esquisita do autor, aos padrões bíblicos, é que nos chama atenção.

    Quanto ao conceito bíblico de mago, o principal conceito era o de praticante de magia negra, poder sobrenatural do mal, que envolvia também clarividência, que poderia, com reserva, ser chamado de sabedoria. Quando na bíblia diz que Daniel era o chefe dos magos, ela não afirma que Daniel praticava magia. A lógica que se tira é que, no conhecimento dos reis, os poderes celestiais de Daniel, no conhecimento do rei, era interpretado como magia. Por isso Daniel foi colocado como chefe dos magos. Não esqueça que a lei que Daniel seguia, obrigava a que todos os magos fossem mortos.

    Curtir

  135. Allenylson
    05/06/2016

    Mesmo sabendo que iria ler especulações já refutadas sobre se o Lewis era satânico (no blog da Ultimato tem um artigo, BEM ESCRITO E SEM FALÁCIAS), li até boa parte do texto, mas não consegui prosseguir com tamanha invencionice. Ao que me parece, o autor do “artigo” não possui uma imaginação moral e é um leitor pobre. Pega frases fora do contexto e faz seus julgamentos equivocados. Seu “artigo” poderia ser verdadeiro (coisa que não é), mas seus comentários demonstram a ignorância e orgulho que existe dentro de você. O próprio Lewis fala do orgulho, que nos torna mais parecidos com o Inimigo (e isso está no Cristianismo puro e simples, que você deveria ler). Além de responder grosseiramente, você cai no erro de julgar as pessoas de “fãs” ou “idólatras”, quando você próprio aparenta ser um idólatra — de si mesmo. Mas claro, um blogueiro que mal sabe usar a ortografia em seu texto quer se AUTOINTITULAR uma autoridade no assunto, o da caça ao Lewis. C. S. Lewis não era um ser humano perfeito, mas imperfeito — como todos nós. Mas quando for fazer acusações gravíssimas como tais, que se prove com argumentos embasados em AUTORIDADES em Teologia e Apologética. Só imagino o que você tem a falar sobre as figuras de linguagem do Apocalipse, Daniel, Salmos e etc. Ou você não sabe que Davi fala em dragão (Sl 91:13), chifres de unicórnio (Sl 22:21, 92:10)? Será que Davi era um pagão ocultista? Tenha paciência! No mais, se de fato o C. S. Lewis fosse isso que você tentou denunciar, não acha que haveria livros e mais livros sobre o assunto? Ou você é um iluminado e obteve essa revelação única e exclusivamente? “Já vi gente tão ocupada em propagar o cristianismo, que nunca direcionou um único pensamento a Ele!” (C. S. Lewis)

    Curtir

  136. Adriano
    07/06/2016

    Meu caro Roberto Aguiar, vejo que você não entendeu nada do que leu sobre C.S. Lewis. Eu falo pra você o que Jesus disse a Nicodemus: ” você é mestre […] e não entende essas coisas?”.

    Curtir

  137. Elizabete Soares
    22/06/2016

    Prezados, ao ler e refletir sobre tudo o que foi escrito neste artigo e também todos os comentários… a única coisa que me veio a mente foi a passagem do Evangelho de Mateus 7.16:
    “Por seus frutos os conhecereis. Porventura colhem-se uvas dos espinheiros, ou figo dos abrolhos?”
    Nesta passagem Jesus ensina a nos acautelar dos falsos profetas, e a forma de identificá-los seria observando seus frutos.
    Em minha modesta observação da vida de C.S Lewis ainda não notei nada que desabone sua conduta como cristão. Pois, me parece (posso estar errada) que sua obra e legado tem somado ao Reino de Deus e não o contrário. Pois, já li alguns relatos de pessoas que se converteram através do testemunho de C.S Lewis, mas ainda não é do meu conhecimento alguém que tenha abandonado a fé em Jesus Cristo por causa dos escritos de C.S Lewis. Enfim, de uma coisa eu tenho certeza, cada um prestará conta de suas palavras diante de Deus (Mateus 12.36-37).
    Sendo assim, acredito que podemos até observar os frutos, mas quem somos nós para julgar os homens?

    Curtir

  138. Hugo Brandão
    04/07/2016

    Caros amigos, estive parcialmente acompanhando a discussão em torno dos escritos de Lewis, confesso não ter lido seus livros, apenas vi suas obras no cinema. Mas de uma coisa eu tenho certeza, perder tempo com estas discussões não nos levará a nada. Mas concentremos nossos esforços em saber o que diz o Senhor nas Sagradas Escrituras. Não sou fanático religioso, tenho apenas as Escrituras como referencia para minha conduta de vida.

    “Fiel é esta palavra: Se, pois, já morremos com ele, também com ele viveremos;
    se perseveramos, com ele também reinaremos; se o negarmos, também ele nos negará; se somos infiéis, ele permanece fiel; porque não pode negar-se a si mesmo. Lembra-lhes estas coisas, conjurando-os diante de Deus que não tenham contendas de palavras, que para nada aproveitam, senão para subverter os ouvintes. Procura apresentar-te diante de Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade. Mas evita as conversas vãs e profanas; porque os que delas usam passarão a impiedade ainda maior, e as suas palavras alastrarão como gangrena; entre os quais estão Himeneu e Fileto, que se desviaram da verdade, dizendo que a ressurreição é já passada, e assim pervertem a fé a alguns. Todavia o firme fundamento de Deus permanece, tendo este selo: O Senhor conhece os seus, e: Aparte-se da injustiça todo aquele que profere o nome do Senhor.” Timóteo 2:11-19.

    Curtir

  139. tonygordo666
    25/10/2016

    Quanta merda!!! O capeta adora esse cristianismo intelectualizado. Parabéns.

    Curtir

  140. Osvaldo
    19/11/2016

    Muito bem dito Allenylson!

    Se percebe muito mais falhas no pretenso autor do artigo do que em Lewis, que foi acusado de coisas gravíssimas – inculcar ocultismos na crianças que leem Nárnia – a saber, sua enorme arrogância travestida com falsa polidez ao responder os comentários, ao que parece, motivada apenas por possuir uma educação melhor do que a média dos brasileiros!

    No artigo, nota-se também uma certa aversão injustificada à cultura erudita (ainda que ela seja secular ou pagã), não sabe ele que o apóstolo Paulo (imensamente culto) utilizou trechos de um poeta pagão para pregar aos gregos? (“Pois nele vivemos, nos movimentamos e existimos” Atos 17:28). Da mesma forma Lewis também utilizou sua vasta cultura para pregar! Apesar da arrogância do autor, não acho que ousaria acusar Paulo de flertar com o paganismo! A graça é para os indoutos, mas para os doutos também!

    A respeito da questão do “Tao”, no mesmo livro Lewis afirma que é apenas o nome chinês para o Logos (Palavra), do evangelho de João. Neste livro, através do conceito de Tao, Lewis defende que a moralidade é universal, assim como… Paulo! “demonstram claramente que os mandamentos da Lei estão gravados em seu coração”. (Romanos 2:15)

    O artigo está imbuído de um farisaísmo cristão semelhante ao que Paulo enfrentou a respeito das questões de se comer carne sacrificada aos ídolos e das comidas impuras.

    SEMPRE vai ter aquela galera que quer se achar mais purinha que os outros, e infelizmente acaba levando a perdição as pessoas que sinceramente são sensíveis a certas questões!

    A respeito do Lewis negar a Bíblia não vou nem comentar…

    Como foi escrito acima: “Já vi gente tão ocupada em propagar o cristianismo, que nunca direcionou um único pensamento a Ele!” (C. S. Lewis)

    E claro que Lewis não é perfeito, quem é?

    Curtir

  141. Denilson Damame
    20/11/2016

    MEU DEUS ;;CEGOS GUIANDO OUTROS CEGOS …E AS PESSOAS ACREDITAM NO QUE O CEGO DIZ DISTORCENDO E ACRESCENTANDO , UM MAR DE MEIAS VERDADES E MUITAS MENTIRAS CONJECTURADAS ,PÁRA OS INCAUTOS DA FE QUE VIVEM NUMA IMENSA BOLHA EVANGÉLICA , PSEUDO PURITANA ,VOCE PODE LER A BÍBLIA 20 , 100 VEZES E AINDA TER UMA AVALIAÇÃO DISTORCIDA , ARROGANTE , RELIGIOSA . , ENTAO VOCE PODE REAFIRMAR O QUE QUISER COM BASE NO QUE QUER VER …TRAVAS NOS OLHOS CHEIAS DE RELIGIAO . ESTA E A MAIOR OBRA DO HOMEN A RELIGIÃO E COM BASE NO ‘DISCERNIMENTO” COLOCA JULGO SOBRE OS OUTROS Mateus 23
    …3Fazei e obedecei, portanto, a tudo quanto eles vos disserem. Contudo, não façais o que eles fazem, porquanto não praticam o que ensinam. 4Eles atam fardos pesados e os colocam sobre os ombros dos homens. No entanto, eles próprios não se dispõem a levantar um só dedo para movê-los. 5Tudo o que realizam tem como alvo serem observados pelas pessoas. Por isso, fazem seus filactérios bem largos e as franjas de suas vestes mais longas. …

    ORAREI POR TI MEU AMIGO PARA QUE NAO COLOQUE SEU JUGO SOBRE MAIS NINGUÉM , SE COLOCAR COLOQUE SOBRE SI MESMO MAS REFLITA PARA O BEM DE SUA VIDA SOBRE O QUE ESTA SOBRE SEUS OMBROS

    Curtir

  142. Matt
    05/12/2016

    Concordo com a Elizabete Soares. Ao autor do artigo, realmente você nos faz pensar. Eu gosto muito de CS Lewis, e ele escreve umas coisas difíceis realmente, e às vezes até estranhas. Mas, sinceramente, como a Elizabete disse, pelo fruto conhecereis a árvore. As obras que li do CS Lewis nunca me fizeram pensar fora da Bíblia, na verdade me fizeram amá-la ainda mais. Não que Lewis seja absoluto, mas também não acredito que seja um endemoninhado. Como a propria bíblia diz: devemos analisar tudo e reter o que é bom. Lewis não escreveu seus livros como se fossem uma verdade absoluta, ele foi um homem imperfeito como todos nós, mas isso não torna todas as suas ideias em lixo inútil.
    Em todo caso, você, Roberto Aguiar, fez um artigo e tanto, muito interessante! Estou longe do seu conhecimento intelectual, tal como o de muitos que aquu comentaram, mas lhe dou os parabéns, de verdade.

    Curtir

  143. W.
    08/12/2016

    parabens,
    esse é o texto mais obtuso que li sobre o C.S.Lewis. deve ser um esforço imenso ser tão limitado pra avaliar alguem com tanta informação disponivel.

    Curtir

  144. Roberto Aguiar
    09/12/2016

    Desculpa caro Nenessa, mas o tema aqui é cristianismo. Lewis pode ter sido um “mostro” no sentido secular, mas sua contribuição no mundo chamado cristão é pífia, apesar de alguns autores alardearem a Lewis uma contribuição que não se acha. No mundo, os ídolos são construídos via boato. Como a igreja se mundanizou faz tempo, esse expediente funciona aqui também. Sugiro para a sua próxima crítica que, como cristão declarante, você estipule como alvo apenas meus escritos, e não a minha pessoa.

    Curtir

  145. Roberto Aguiar
    09/12/2016

    De certo ponto de vista prezado Denilson, é até hilário ver “cristãos pop” como você, tentando se descolar da palavra religião… A palavra religioso virou a bola da vez degenerativa dos pretensos cristãos “descolados”, politicamente corretos, vendedores de um ar de vanguarda… Uma simples ida ao dicionário acabaria rapidinho com todo esse neo folclore religioso. As palavras religião e religioso são eutéticas e verdadeiras no genuino trato com o Deus da bíblia, porque ambas estão lá nesse sentido específico. Segundo a bíblia, única fonte crível, a religião não foi inventado pelo homem mas por Deus. Muito embora Lucifer em sociedade com os homens tenham criado outras versões. Sobre eu ter escrito mentiras, não vou nem tentar pedir para que você nos aponte, porque sei que você se esquivará de fazê-lo porque simplesmente não tem como fazer… Outro detalhe, ao contrário do que você pensa, no cristianismo bíblico, não no “faz de conta”, existe um julgo sim, muito embora religiosos como você desliguem a mente quando estão passando por essas partes da escritura. Apesar de suas simplórias palavras , suas orações serão muito bem vindas.

    Curtir

  146. W.
    15/12/2016

    vc é burro e obtuso, como afirmei no começo. tchau.

    Curtir

  147. Davi Lima
    16/12/2016

    II COR 13:9,10 – Porquanto em parte conhecemos e em parte profetizamos; quando, no entanto, chegar o que é perfeito, o que é imperfeito será extinto. …

    I Tess 5:21,22 – mas, examinai todas as evidências, retende o que é bom.Afastai-vos de toda a forma de mal.

    Efésios 5:14c “…Cristo esclarecerá.”

    Pessoas “burras”?, talvez seja ignorantes em determinado assunto.

    Pessoas “obtusas”?, talvez por determinados valores pessoais, são firmes em seus pontos de vistas.

    Cada um pode ter sua opinião, mas a resposta final é a Bíblia.

    Verdade absoluta: JESUS CRISTO SENHOR!

    Curtir

  148. Kauana
    01/02/2017

    Ótimo artigo! Devemos estar cientes de que quando buscamos conhecer a Deus é uma coisa (infinita é claro), mas agora quando buscamos servir a Deus é abrir mão do mundo, passar por um processo de libertação, algo que infelizmente não ocorreu Lewis, ele teve o grande interesse em conhecer Deus, estudar etc… da mesma maneira que ele buscou conhecer outras coisas mundanas, pois quando você escolhe servir a Deus você está escolhendo abrir mão do mundo, não devemos esquecer que ”Cristão” , ”Crente” até o diabo é… ; Jamais devemos pegar a bíblia e interpretarmos da maneira que quisermos, jamais devemos achar que as coisas de Deus está em algo oculto, se for assim posso pegar a história da chapeuzinho vermelho, três porquinhos e dizer que ali há um significado cristão, em minha opinião as ”Cronicas de Nárnia” não passa de uma mitologia, ele apenas estudou culturas, tradições etc, e montou uma história!

    Curtir

  149. Vicente
    20/02/2017

    Tenho uma pergunta para quem escreveu o artigo:

    – Você já pensou, só pensou, na possibilidade de você é quem está muito confuso ?

    Tem muita informação na sua cabeça mas não consegue organizar simplesmente por desconhecer muita coisa do que critica e rotula como negativo tudo que é diferente do seus conceitos e valores.

    Por favor, considere essa possibilidade, só considere: já será um grande passo para você e seus seguidores/leitores.

    Desejo a todos Paz !

    Curtir

Nesse blog, 100% dos comentários são publicados, portanto contribua com sua opinião!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Visitas certificadas pelo Wordpress. Primeira postagem Agosto/2008

  • 945,225

Clique para assinar este blog e receber notificações de novos artigos por email

Junte-se a 598 outros seguidores

A fonte da aflição humana

Nós como humanidade, mesmo tendo consciência da existência de Deus, não o consideramos como a um Deus, nem lhe agradecemos por nada, antes, em nossos próprios raciocínios nos perdemos. Em virtude disso, nosso coração enlouqueceu e se perturbou. Nos tirando por sábios, nos tornamos loucos. E, como esnobamos a Deus, o criador nos entregou aos nossos próprios sentimentos perversos, para fazer-mós coisas ruins uns com os outros. É precisamente assim que chegamos exatamente onde estamos.

Novo Testamento/Livro de Romanos/Capítulo 1/Verso 21,22,28.

“O questionamento e a crítica deve ser incentivado. Só que criticar não é o mesmo que fazer troça ou debochar, que é o que via de regra algumas pessoas fazem. A crítica só é possível com debate, ao passo que o escárnio leva ao combate.”
Um ateu.

“A verdade deve ter prioridade sobre o amor e o amor sem a verdade é uma falsa unidade.”

“A esquizofrenia do movimento evangélico moderno alcançou o nível de epidemia, e tem se alastrado, contaminado, e posto em risco até as tradicionais igrejas evangélicas cristãs.”

Progospel site cristão americano.

"A corrupção da sociedade começa por uma falha em chamar as coisas, pelos seus nomes próprios."

“Por meio de apresentações dramatizadas, os pastores fazem com que as igrejas se assemelhem a teatros; transformam o culto em shows musicais e os sermões, em arengas políticas ou ensaios filosóficos. Na verdade eles transformam os servos de Deus em atores cujo objetivo é entreter os homens.”

Spurgeon (1834 - 1892), pregador inglês chamado de o príncipe dos pregadores.

“A fé manifestada por Cristo não tem paralelo humano, ela divide o mundo”.

A.W. Tozer (1897 - 1963) foi um pastor, pregador, escritor, editor americano.

“O verdadeiro cristianismo é apolítico. A tentativa de misturar o evangelho a política é uma heresia antiga.”

"A experiência provê a dolorosa prova de que as tradições religiosas da igreja, uma vez formuladas, são primeiramente tidas como úteis, depois consideradas necessárias, até finalmente serem transformadas em ídolos. Todos têm que se curvar diante delas ou haverá punição".

J.C. Ryle (1816 -1900), brilhante aluno de Oxford, foi o primeiro pastor anglicano de Liverpool .

“O amálgama da psicologia com a Bíblia causa impacto destruidor sobre a mensagem do evangelho”.

David Robertson, pastor da Igreja Livre da Escócia, em Dundee e autor do livro “As Cartas para Dawkins”.

Alguns líderes de denominações evangélicas não fazem parte do que se chama a ‘Noiva de Cristo’. Eles são líderes de uma Igreja que há muito tempo traiu o Mestre”.

Richard Wurmbrand (1909 - 2001) foi um pastor romeno fundador da missão Voz dos Mártires. Wurmbrand passou 14 anos em prisões comunistas por pregar o evangelho.

“Deus não despede ninguém vazio exceto aqueles que são cheios de si mesmos”.

D. L. Moody (1837-1899), evangelista Americano.

“Ninguém descobre a cura para doenças por amor a humanidade. Como tudo mais, a ciência é apenas mais uma ferramenta para produzir dinheiro e glória”.

"Se você quer ser popular, pregue a felicidade. Se você quer ser impopular, pregue a santidade."

Vance Havner (1901-1986) pastor americano.

“Nenhum homem acredita que a Bíblia quer dizer o que diz, ele está sempre convencido de que ela diz o que ele quer dizer”.

George Bernard Shaw (1856 -1950) foi um escritor irlandês dramaturgo e premio Nobel de literatura.

“É difícil ver como o cristianismo pode ter um efeito positivo na sociedade, se não pode transformar a sua própria casa”.

John F. MacArthur Jr. (1939) escritor e pastor da igreja Grace Community em Sun Valley, Califórnia.

“É possível falar de amor para com os homens de tal maneira que Deus sai de cena. É possível começar a justificar a sua vida unicamente na base do quão "bom" você é para os homens. E, gradualmente, a diferença entre um cristão e a falsa ética humanista desaparece. Não porque o humanismo tornou-se centrado em Deus, mas porque o cristão tornou-se o centro de tudo”.

John Piper (1946) pregador e autor, pastor da Igreja Batista Bethlehem em Minneapolis, Minnesota-E.U.A.

“O grande poder do pecado é que cega os homens para que eles não reconheçam seu verdadeiro [mal] caráter”.

Andrew Murray (1828 - 1917) escritor e pastor sul-africano.

“Um sermão é pobre e sem efeito quando não deixa o ouvinte descontente consigo mesmo, e nem com o pregador”.

George Whitefield (1714 -1770) pastor anglicano itinerante. Seu ministério teve enorme impacto sobre a ideologia americana. Conhecido como o "príncipe dos pregadores ao ar livre" foi o evangelista mais conhecido do século XVIII.

“A humanidade está adquirindo a tecnologia correta para as razões erradas”.

R. Buckminster Fuller(1895- 1983)filósofo americano, teórico de sistemas , arquiteto e inventor.

“Eu considero que os principais perigos que confrontarão a igreja do próximo século será a religião sem o Espírito Santo; cristianismo sem Cristo, perdão sem arrependimento; salvação sem regeneração; e céu sem inferno”.

William Booth (1829 - 1912), pregador metodista britânico, fundador do Exército da Salvação.

“A menos que você tenha um compromisso sólido com a verdade, a Bíblia não vai mudar a sua vida, ela só vai ser um mar de palavras”.

Winkie Pratney (nascido em 1944) é um evangelista neozelandês, comunicador da juventude, apologista cristão e escritor.

“Se um homem se guiasse hoje em dia rigorosamente pelos ensinamentos do Novo Testamento, ele seria considerado insano”.

Robert Green Ingersoll (1833 - 1899) foi um ativista social, orador, agnóstico e inimigo da bíblia. Eis um sujeito que embora não cresse na bíblia, demonstrou tê-la compreendido muito mais do que a maioria dos que se dizem “crentes” nela.

“O cientista Charles Darwin foi o criador da teoria da evolução que diz que o homem vem do macaco. Essa ideia amplamente aceita pela sociedade, define a vida como a luta entre o forte e o fraco, o que é chamado de darwinismo social. Darwin definiu que o mais poderoso militarmente, psicologicamente, politicamente e em termos de tecnologia será superior aos fracos e oprimidos, e vai governar e subjugá-los. Esta idéia dominou a ideologia de Hitler e Mussolini, e conservando as devidas proporções, é um resumo da história da humanidade”.

“Para estar bem com Deus, muitas vezes isso significa ter problemas com os homens”.

A. W. Tozer (1897-1963), foi um pastor protestante americano.

“Deus não tem netos”

“O grande problema com a maioria dos pastores é que simplesmente não levam a sério o discipulado. Para nosso espanto, eles se satisfazem apenas com a confissão das pessoas de que desejam entregar suas vidas à Cristo, sem se preocuparem se elas vão ou não viver isso de fato”.

“Ou a bíblia me fará evitar o pecado, ou o pecado me fará evitar a bíblia”.

Dwight Lyman Moody (1837-1899), foi um evangelista americano.

“Ao contrário do que a maioria dos crentes imagina, no reino de Deus não existe independência nem democracia. A liberdade que nos é oferecida, jamais teve ou terá o sentido que desejamos. Que fique bem claro, que a liberdade ofertada pela bíblia, é liberdade do pecado, jamais significou liberdade para fazer o que se quer”.

“A Bíblia está sendo testada como o ferro em uma bigorna, espancada por muitos martelos. A Bíblia prova concretamente que é a Palavra de Deus por sua previsão impar de eventos futuros, além de todas as chances possíveis de erro, e isso tudo pode ser comprovado pelos fatos registrados na história. Sim, ela tem se mantido precisa.”

"Deus proibiu Salomão de comprar cavalos no Egito. Porque ele desobedeceu, e até casou com mulheres egípcias, perdeu a fé e se tornou um idólatra, mesmo com toda a sabedoria que Deus lhe havia concedido. Por isso, que ninguém se considerando sábio e ungido, se coloque acima dos outros cristãos, pois os que assim se julgam, como fazem os modernos apóstolos e profetas, acabam caindo na apostasia".

Mary Schultze escritora evangélica brasileira

"Nada na história, serve para ensinar aos homens a possibilidade de viverem em paz. É o ensino oposto que dela se destaca e se faz acreditar".

Paul Ambroise Valery [1871-1945], poeta, ensaísta e crítico francês.

"A morte perde metade de suas armas quando negamos em primeiro lugar os prazeres e interesses da carne".

Richard Baxter (1615 - 1691) foi um Inglês puritano líder da igreja.

"As pessoas na igreja não estão se voltando para Cristo, porque elas não têm senso de pecador contra o Senhor. Elas não estão convencidas do pecado pessoal, porque elas não sabem o que é pecado. Elas não têm noção do pecado, porque a lei de Deus não está sendo pregada de verdade".

Walter Chantry(1938) é um pastor de uma igreja batista na Pennsylvania.

“Pela lei da justa compensação, o coração dos que brincam com assuntos religiosos será destruído pelo brilho excessivo da verdade em que tocarem. Os olhos serão cegados pela luz que contemplam”.

A.W.Tozer (1897 - 1963), pastor americano.

“O que a história conta não passa do longo sonho, do pesadelo espesso e confuso da humanidade”.

Arthur Schopenhauer (1788-1860), filósofo alemão.

“As pessoas dizem que a cruz de cristo prova o quanto o homem é valioso. Isso é mentira! A cruz prova o quanto os homens são depravados”.

Paul Washer (nascido em 1961),fundador da missão HeartCry.

“A pessoa santificada é a única satisfeita no mundo”.

William Gurnall ( 1617 - 1679) escritor cristão Inglês.

“A história é apenas uma série de crimes e desgraças”

Voltaire (1694 —1778), filósofo iluminista francês.

“Nenhum homem começa a ser bom enquanto não se considerar mau”.

Thomas Brooks (1608-1680), pregador Inglês.

“Quando os homens começam a se queixar mais de seus pecados do que de suas aflições, começa a surgir alguma esperança para eles”.

Matthew Henry (1662 - 1714), pastor presbiteriano.

“A primeira e pior de todas as fraudes é enganar-se a si mesmo. Depois disto, todo o pecado é fácil”.

Philip J. Bailey (1816 — 1902), foi um poeta inglês.

“Dizer ‘Esqueça a doutrina, vamos evangelizar, é tão ridículo quanto uma equipe de futebol que diz "Esqueça a bola, vamos continuar o jogo"

Peter Lewis, é pastor da Cornerstone Church em Nottingham, Inglaterra, e autor de vários livros.

“Nada do que é de Deus é obtido com dinheiro”

Tertuliano (160 - 220 dC) foi o primeiro autor cristão a produzir uma obra literária em latim. Ele também foi um notável apologista cristão e um polemista contra as heresias.

“Eu sou um fã do homem, eu sou um humanista”

O ator Al Pacino no personagem do diabo no filme, “O Advogado do Diabo”

“Atribuirei todas as aparentes incoerências da Bíblia à minha própria ignorância”

John Newton (1725 - 1807) foi um pastor Anglicano, autor de muitos hinos incluindo o afamado,”Amazing Grace”.

" Ao tentar-mós inaugurar um reino que não é deste mundo, utilizando as ferramentas que são deste mundo , isso é não cumprir a meta que supostamente estamos procurando alcançar”

Cal Thomas é um cristão americano colunista sindical

"Quem quer que controle a mídia, as imagens, controla a cultura"

Allen Ginsberg , (1926 – 1997) poeta americano.

“Quem quer que controle a cultura, controla a vida das pessoas porque o homem é 100% um produto cultural”

“Uma grande parte da minha família foi assassinada. Foi na minha própria casa que seu assassino foi convertido. Foi também o local mais adequado. Assim, em prisões comunistas a idéia de uma missão cristã para os comunistas nasceu”.

Richard Wurmbrand (1909 - 2001) foi um pastor romeno fundador da missão Voz dos Mártires, passou 14 anos em prisões comunistas por causa do evangelho

“O auto-esvaziamento prepara o transbordamento espiritual”

Richard Sibbes (1577-1635) Foi um teólogo inglês, exegeta bíblico, um representante da espinha dorsal da teologia puritana.

“O mais querido ídolo que conheço, seja ele qual for, ajuda-me Senhor, a derrubá-lo do teu trono, e a adorar somente a Ti”.

William Cowper (1731 - 1800) foi um poeta cristão inglês. Um dos mais populares poetas do seu tempo. De muitas maneiras, ele foi um dos precursores da poesia romântica .

“Uma fé que pode ser destruída pelo sofrimento [ou pelas dificuldades] não é a fé verdadeira”.

Richard Wurmbrand (1909 - 2001) foi um pastor romeno fundador da missão Voz dos Mártires, passou 14 anos em prisões comunistas por causa do evangelho .

"Beber cerveja é fácil, destruir seu quarto de hotel é fácil, mas ser cristão é uma tarefa difícil. É a rebelião!"

Alice Cooper, famoso cantor e compositor de hard rock.( Jornal "The Sunday Times")

“O cristianismo genuíno faz questão de desmentir o refrão segundo o qual não se deve permitir que a verdade e os fatos estraguem uma boa história”.

“A história da ciência, como a história de todas as idéias humanas, é uma história de sonhos irresponsáveis, de obstinação e de erro”.

Karl Popper (1902 - 1994) foi um filósofo austríaco premio Nobel. Ele é considerado um dos mais influentes filósofos da ciência do século 20.

“É mais fácil dar qualquer coisa que tenhamos do que dar-nos a nós mesmos”.

Jonh Blanchard(1932) é um pregador cristão.

“Nada que não seja decorrente do amor pessoal a Cristo e da comunhão com Ele pode ter algum valor. Podemos saber de cor as escrituras, pregar com eloqüência e fluência considerável, com uma fluidez que as pessoas podem facilmente até confundir com poder de Deus. Mas não devemos nos enganar, se nossos corações não beberem profundamente da fonte principal, se o que nos incentiva não é o amor de Cristo que brota de uma realidade prática, o resultado de tudo isso será algo fugaz, passageiro!”

Charles Henry Mackintosh (1820-1896) foi um pregador irlandês, expositor da Bíblia, e autor.

"A verdadeira vida do crente, ou seja, a vida de Cristo nele é uma vida que está sempre brotando da morte".

Evan H. Hopkins (1837 – 1918) escritor cristão inglês

"Deus está esperando para encher as nossas vidas com o que é incrível, se a gente aceitar a nossa falência."

Ian Thomas (1914 - 2007) foi um escritor cristão inglês e professor de teologia.

"Deus pode cumprir promessas mesmo quando parece que ele as tenha quebrado, pode encontrar soluções onde as tentativas humanas fracassaram. Faz mais do que podemos fazer quando parece que está fazendo menos do que prometeu. Às vezes abertamente, às vezes secretamente, mas sempre com segurança. Ele é tão bom quanto sua palavra”.

Sra. Cowman (1870 – 1960) cristã americana co-fundadora da Sociedade Missionária Oriental

"A fé é dificultada pelo sentido da visão e pelo absurdo da nossa confiança na evidência externa. Nesse contexto, a prova em si é o invisível. Todas as coisas ao ar livre portanto devem ser removidas antes que possamos realmente acreditar. Então, enquanto nós olhamos para as coisas invisíveis, que são reais ... Deus as tornará reais de uma forma concreta ".

A. B. Simpson (1843 – 1919) pregador evangélico canadense, teólogo, autor, e fundador da Aliança Cristã e Missionária.

“A Fé vê Aquele que ordena todas as circunstâncias que nos rodeiam, a esperança vê além do que os olhos podem ver, a paciência dá força para suportar as provações a aquele a quem as circunstâncias não podem afetar”.

"Você não pode descansar sobre a sua própria interpretação das coisas que acontecem em sua vida. Você só pode descansar no Senhor. Confie no Senhor Jesus em seu coração. Reconheça-o em todos os momentos, e Ele abrirá um caminho que você nunca esperou. Essa é a promessa Dele!”

John MacArthur , pastor americano.

“A fé não resolve os problemas, mas se volta para quem tudo é possível. A fé não aborda as circunstâncias, mas o Deus da circunstância”.

“A bíblia ensina a servir sem atrair a atenção e trabalhar sem ser visto. É o contrário do que a sociedade ensina, mas é isso ai!”

“Ah, que alegria é ter nada, ser nada e ver nada além de um Cristo vivo em glória e não se importar com nada além de seus interesses aqui na terra!”

John Nelson Darby (1800 - 1882) foi um evangelista irlandês, influente entre os Irmãos de Plymouth . Ele é considerado o pai do moderno Dispensacionalismo.

“Aprendi a ser cada vez mais insatisfeito com tudo que não vem de uma comunhão permanente, profunda, divinamente forjada e em total conformidade com o Senhor. Caprichos pessoais, o ódio, as meras opiniões, eu as temo. As controvérsias, evito. Sistemas de doutrina, teorias, escolas de pensamento, em suma, cada "ismo" eu considero inútil. Minha esperança, no entanto é aprender mais da gloriosa pessoa de Cristo, sua obra e sua glória. E então, viver por ela! Trabalhar, testemunhar, pregar e orar, fazer tudo através de Cristo, e através do trabalho da sua graça em meu coração!”

Charles Henry Mackintosh (1820-1896) foi um pregador irlandês, expositor da Bíblia, e autor.

“Igreja é um hospital para pecadores, não um museu para santos”

Abigail Van Buren, colunista judia americana

“Segundo as palavras de Cristo, aquele que não perdoa o outro, detona a ponte que ele mesmo terá que atravessar”

George Herbert, (1593 – 1633) foi um poeta, orador e sacerdote cristão anglo-galês.

“Nós devemos nos lembrar de que a fé só é fé quando não sentimos nada e não vimos nada”

Peter Marshal (1902 - 1949), pastor presbiteriano.

“Em cada um de nós existem três pessoas: a que nós achamos que somos; a que os outros pensam que somos; e a que Deus sabe que somos.”

Leonard Ravenhill (1907-1994) foi um evangelista e autor cristão

“Todo cristão genuíno é mais competente do que qualquer psicólogo no que diz respeito ao aconselhamento.

Jay E. Adams (nascido em 1929) é um cristão americano reformado conhecido por livros na área do aconselhamento.

"Nós vivemos atualmente em um mundo evangélico onde a teologia é invertebrada, a moralidade é de água-viva, uma religião gangorra, uma filosofia cambalhota que nos diz o que já sabemos em palavras, mas que não entendemos de fato".

Robert GLee

“A tolerância dos evangélicos tornou-se tão tolerante que o mal está incluído no que é tolerável. Nós estamos em perigo de nos tornar-mós "vacas morais” em nossa obesa comodidade”.

Um missionário da Índia

Sobre crentes que distorcem o sentido da misericórdia bíblica: "Essas são as pessoas que hoje, com uma “bondade” doentia, estão tolerando professores de erros em nossos púlpitos, porque simplesmente elas são extremamente educadas e desesperadamente “amáveis”. Elas preferem permitir que o erro seja pregado e almas sejam enganadas do que ferir os sentimentos desse tipo de pregador. Como nos dias de Elias, Baal deve ser adorado para que não haja uma seca! É melhor o câncer matar a sua vítima do que o cirurgião cruel usar o seu bisturi para extirpá-lo!”

J. Sidlow Baxter ( 1903 - 1999) foi um pastor e teólogo Autraliano

"Em alguns círculos evangélicos, o medo da controvérsia é tão grande que os pregadores e as congregações se contentam com a paz a qualquer custo, até mesmo ao custo da verdade de Deus. A idéia é que a ausência de conflito é o ideal maior. A paz é um ideal bíblico... mas é a pureza? A paz da igreja nunca poderá ser comprada ao preço da pureza da igreja. Esse preço é alto demais ".

Jay E. Adams (nascido em 1929) é um cristão americano reformado conhecido por livros na área do aconselhamento.

"A era pós-moderna é a era de nenhuma verdade, ou onde qualquer coisa pode ser verdade. Esse pensamento está influenciando a igreja de Cristo.

"A oração não se destina a informar algo a Deus, mas dar ao homem uma visão de sua miséria, para humilhar seu coração, para excitar o seu desejo, para inflamar a sua fé, para animar a sua esperança, para elevar sua alma da terra ao céu."

Adam Clarke (1760 - 1832) foi um erudito teólogo britânico metodista.

“A maior parte do cristianismo evangélico é fundamentado em clichês. A maior parte do nosso cristianismo vem de músicos que se dizem cristãos e não da bíblia. A maior parte do que os evangélicos acreditam é ditado pela cultura secular e não pela bíblia”.

Paul Washer é pregador e diretor da Sociedade Missionária HeartCry

“A apostasia que a Bíblia nos advertiu que seria evidente nos últimos dias já está em pleno andamento. Somente aqueles que se mantiverem firmes com a Palavra de Deus serão protegidos e salvos. Este remanescente de crentes fiéis será visto como um antiquado reduto de mentalidades estreitas”

Roger Oakland Missionário da “Understand The Times”

“A fé da moderna igreja evangélica possui 100 quilômetros de largura por 1 centímetro de profundidade”

“Não perguntamos: ‘Cristo é seu Salvador', mas: ‘É ele, real e verdadeiramente seu Senhor?' Se Ele não for seu Senhor, então, com a mais absoluta certeza, ele não é seu Salvador”.

A.W. Pink(1886 - 1952) foi um evangelista cristão inglês.

“Quem vende propostas de baixo risco são comerciantes de mercadorias falsificadas. É exatamente isso que as igrejas modernas estão oferecendo”

"É impossível alguém se arrepender [segundo os padrões de Cristo] sem ter uma profunda decepção consigo mesmo"

A.W. Tozer (1897 - 1963) foi um pastor, pregador, escritor, editor americano.

"A simples aceitação de um ensinamento verdadeiro sobre a pessoa de Cristo, sem o coração ter sido ganho por Ele, e a vida ter sido devotada a Ele, é apenas mais outra etapa deste caminho "que ao homem parece direito", mas que cujo fim "são caminhos da morte".

A.W. Pink (1886 - 1952) foi um evangelista cristão inglês.

“ Nos dias de hoje, desconfie de qualquer “Best-seller”. Desconfie de qualquer um que for um furacão de vendas simplesmente porque a genuína verdade cristã jamais foi digerida pelas massas. A prova é que mataram o seu autor. Se caiu no gosto da maioria é falso. Lembre-se, Jesus se referiu aos seus verdadeiros seguidores como “pequenino rebanho”.

“Tu, ó Deus, bem conheces a minha ignorância; e os meus pecados não te são encobertos”.

Salmos 69:5

“A convicção de ignorância é a porta de entrada do templo da sabedoria.”

C. H. Spurgeon (1834 - 1892), pregador inglês chamado de o príncipe dos ´regadores .

“Agora, pois, eu, rei Nabucodonosor, louvo, exalto e glorifico ao Rei do céu; porque todas as suas obras são verdade, e os seus caminhos juízo, e pode humilhar aos que andam orgulhosamente”.

Daniel 4:37

“Alguns poucos crentes se protegem com Deus, mas a maioria se protege de Deus”.

“Não ajuntem riquesa na terra, onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam”.

Mateus 6:19

“Deus deliberadamente escolheu valer-se de idéias que o mundo considera absurdas e desprezíveis para envergonhar aqueles indivíduos que o mundo considera sábios e importantes”

1 Corintios 1:27

"A menos que um homem seja posto no nível de sua miséria e culpa, toda nossa pregação é vã. Somente um coração contrito pode receber um [o verdadeiro] Cristo crucificado".

Robert Murray McCheyne (1813 - 1843), foi um ministro da Igreja da Escócia

"Disse Jesus: Se vocês fossem cegos, não teriam culpa de nada", respondeu Jesus. "Mas a culpa de vocês permanece porque vocês afirmam que sabem o que estão fazendo".

João 9:41

"Muitos concordam que Cristo deva ser alguma coisa, mas poucos admitem que Cristo deve ser tudo."

Stuart Alexander Moody (1809 – 1898) missionário e pastor escocês.

"A natureza da salvação de Cristo é deploravelmente deturpada pelo evangelista de hoje. Eles anunciam um Salvador do inferno ao invés de um Salvador do pecado. E é por isso que muitos são fatalmente enganados, pois há multidões que desejam escapar do Lago de fogo que não têm nenhum desejo de ficarem livres de sua carnalidade e mundanismo ".

A.W. Pink (1886 - 1952) foi um evangelista cristão inglês.

“O temor do Senhor é o caminho para a sabedoria; os alienados desprezam essa sabedoria”.
Provérbios 1:7

“A palavra de Deus esta acima da igreja de Deus”.

Thomas Cranmer (1489 - 1556) foi uma importante figura da Reforma Protestante na Inglaterra e um dos primeiros mártires queimado em 1556 por heresia pela Igreja católica romana.

“Se dissemos que temos comunhão com Deus e andamos em trevas, estamos mentindo”.
I João 1:6

“É bom desmascarar os nossos pecados, para que eles não nos desmascarem”.

Thomas Watson (1620-1686), pregador e autor Inglês puritano

“Feliz o homem que não anda de acordo com a opinião das pessoas desligadas de Deus”.
Salmos 1:1

“A apostasia é uma perversão que conduz ao mal, depois de uma aparente conversão”.

Timoty Cruso (1656 -1697), pregador inglês puritano.

“Jesus estava no mundo, e o mundo foi feito por Ele, no entanto o mundo não quis conhecê-lo”.

Evangelho de João 1:10

“Quando procuramos honras, desviamo-nos de Jesus”.

Hugh Victor (1078 - 1141), escritor, filósofo, professor, um dos mais influentes teólogos do século XII.

"Pobre de quem considera a si mesmo sábio, e se tem como uma pessoa inteligente e sensata!"

Isaias 5:21

"O homem está naturalmente disposto a coroar qualquer coisa, menos Cristo".

Thomas Brooks (1608-1680), pregador Inglês.

“Deus irá julgar os segredos de todos os homens”.

Romanos 2:16

“Qualquer ensinamento que não se enquadre nas Escrituras deve ser rejeitado, mesmo que faça chover milagres todos os dias”.

Martinho Lutero (1483 - 1546) foi um monge agostiniano alemão, teólogo, professor universitário que após converter-se a Cristo desencadeou a reforma protestante.

“Paulo e Barnabé confirmavam os ânimos dos novos discípulos, exortando-os a permanecer na fé, e explicando que há que se suportar muitos sofrimentos até entrar no reino dos céus”.

Atos 14:22

“O começo da ansiedade é o fim da fé”.

George Müller (1805 - 1898), evangelista e diretor de obra missionária com orfanatos em Bristol , Inglaterra.

“Disse Jesus: Que a palavra de vocês se limite a sim ou não. O que passar disso é de procedência maligna”.

Mateus 5:37

“Qual é a vontade de Deus para a sua vida? Por que Deus deveria lhe dar mais algum conselho, quando você não está prestando atenção à direção que Ele já deu?”

O Dr. Schultz é Diretor do Departamento de História da Liberty University, ensina História da Igreja no Christ College, é também pastor da Westminster Reformed Presbyterian Church em Lynchburg, Virginia, E.U.A.

“Feliz o homem que põe no Senhor a sua confiança, e que não respeita os orgulhosos nem os que se desviam para a mentira”.

Salmos 40:4

“A pesquisa científica é uma atividade humana como outra qualquer, sujeita a vaidades, fraudes, disputas, etc. A ciência passa uma imagem de neutralidade e objetividade que é falsa”.

Peter Schulz, físico formado pela UNICAMP

“O Senhor olhou desde os céus para os filhos dos homens, para ver se havia algum que tivesse entendimento e buscasse a Deus. Desviaram-se todos e juntamente se fizeram imundos: não há quem faça o bem [de si mesmo], não há sequer um”.

Salmos 14:2,3

“Quando Lutero desencadeou a Reforma, mudou o eixo de autoridade em matéria de religião: tirou-a do Magistério da Igreja e passou-a para a Escritura. Desde Lutero esta é a postura protestante evangélica: a Bíblia é normativa. O movimento pentecostal deslocou novamente o eixo da autoridade: tirou-o da Escritura e colocou-o no indivíduo. Uma situação pior que a pré-Reforma. No catolicismo, a autoridade é também objetiva, como entre protestantes evangélicos. No pentecostalismo, é subjetiva: "o Senhor me falou", "o Senhor me revelou", "Deus me disse", etc. Parte do caos doutrinário hoje se deve ao abandono da Bíblia como fonte de doutrina e de edificação, que passou a ser a experiência. Usa-se a Bíblia para referendar as doutrinas produzidas pela experiência pessoal”.

Isaltino Gomes, é escritor bacharel em teologia e filosofia

“Maldito o homem que confia no homem, que se socorre na capacidade humana, e aparta o seu coração do Senhor!”

Jeremias 17:5

"E não havia espaço para Jesus na estalagem. Ele ficou um pouco mais velho e não havia espaço para Ele em sua família, por isso não creram nEle. Ele foi ao templo e o templo ficou contra ele. E quando Ele morreu não havia espaço para enterrá-lo e Ele morreu fora da cidade. Pois bem por que, em nome de Deus, você espera ser aceito em toda parte? Como é que o mundo não pôde suportar o Homem mais santo que já viveu e pode suportar a você e a mim? Será que nossa fé está comprometida? Será que estamos comprometidos? Será que não temos estatura espiritual? Por que será que nossa retidão não incomoda a corrupção do mundo, como aconteceu com Cristo?“

Leonard Ravenhil(1907- 1994) evangelista e autor cristão

“ Timóteo tenha horror aos clamores vãos da falsamente chamada ciência, a qual, professando-a alguns, se desviaram da fé”.

I Timóteo 6:20,21

“Testemunhar é colocar Jesus em destaque e não o nosso estilo ou nossas preferências”

Rubinho, no livro “Guia de Sobrevivência do Cristão”.

“Porque chegará uma época [na igreja] quando as pessoas não ouvirão a verdade, mas andarão de um lado para outro procurando mestres que lhes digam apenas aquilo que desejam ouvir. Não ouvirão aquilo que a Bíblia diz, mas seguirão alegremente suas próprias idéias desorientadas”.

II Timóteo 4:3,4

“Quando Deus fala, permanecer apático é uma prova de ateísmo prático”.

Joyce Baldwin foi autor do comentário do Antigo Testamento série Tyndale. Faleceu em 1996.

“Se alguém ensina alguma coisa que não se encaixa com as palavras de nosso Senhor Jesus Cristo, é orgulhoso, e nada sabe, mas delira acerca de questões e se confunde com as palavras. Essa confusão é causada por homens corruptos de entendimento, e privados da verdade, imaginando que a fé seja um meio de se obter lucro; aparta-te dos tais”.

I Timóteo 6:3,4,5

“Alimentar os pobres é uma preocupação válida e necessária e somos abençoados quando ajudamos os que precisam. Mas o problema com o assim chamado “Evangelho Social”, em oposição ao Evangelho que salva, é que o primeiro preocupa-se com aquilo que é temporário. O Evangelho que salva enfatiza aquilo que é eterno. Algumas pessoas só estão interessadas em melhorar este mundo, sem se preocupar com a possibilidade da perdição eterna. Nossa meta principal é que os perdidos sejam salvos. Eles precisam mais do que alimento e sabão. Eles precisam de salvação”.

Adrian Rogers em, Creia em Milagres, mas Confie em Jesus/ Revista Eclésia

“Não procuramos enganar as pessoas para que creiam, não estamos interessados em fazer trapaça com ninguém. Nunca procuramos fazer com que alguém creia que a Bíblia ensina o que ela não ensina. Nós nos abstemos de todos esses métodos vergonhosos”.

II Coríntios 4:2

“Se um homem tratar de pôr a fé de Cristo junto com a opinião humana, ou trata de provar que os seus ensinos estão em harmonia com a filosofia em voga, ao procurar defender a Cristo na realidade ele o está rejeitando”.

A. W. Tozer (1897-1963), pastor e escritor americano.

“Disse Jesus: Eu vim para o mundo para dar vista àqueles que são cegos , e para certificar, àqueles que pensam que vêem, que eles são cegos".

João 9:39

“O inferno é a eterna prisão dos loucos, da alma religiosa iludida, que teve a alucinação de que poderia chegar ao céu por moralidade, boas obras, membresia de igreja, batismo, santa ceia, louvores, orações, dízimos e ofertas, qualquer caminho, mas que rejeitaram a Cristo com certeza, por um simples fato: 'Eu sou o caminho, a verdade, e a vida: ninguém vem ao Pai, senão por mim"(João 14:6)”.

Fred Barlow(1921-1983) evangelista batista americano.

“Porque a imaginação do coração do homem é má desde a sua meninice”.

Genesis 8:21

"O sucesso de um falsificador de moedas depende quão parecida à moeda falsa se torna com a genuína. A heresia não é uma negação completa da verdade, e sim uma diluição da verdade".

A.W. Pink (1886 - 1952), evangelista inglês.

"Hoje temos o espantoso espetáculo de milhões a ser derramado na tarefa de proporcionar irreligioso entretenimento terreno aos chamados filhos do céu. Entretenimento religioso é, em muitos lugares rápido meio de se esvaziar as sérias coisas de Deus. Muitas igrejas nestes dias tornaram-se pouco mais do que pobres teatros de quinta categoria onde se "produz" e mercadeja falsos “espetáculos” com a plena aprovação dos líderes evangélicos, que podem até mesmo citar um texto sagrado em defesa de suas delinqüências. E dificilmente um homem se atreve a levantar a voz contra isso. "

A.W. Tozer no livro,”A Raiz dos Justos”.

“Disse Jesus: A aprovação ou não de vocês na vale nada para Mim”.

João 5:41

“O Liberalismo se define como a forma ao mesmo tempo racional e intuitiva de interpretar a vida em que prevalece a vontade da maioria, e que está livre de qualquer fundamento filosófico ou religioso capaz de limitar ou impedir a liberdade individual e a igualdade de direitos. Partindo de sua definição, compreendemos que o Liberalismo Teológico Cristão defendido pelas igrejas de vanguarda e emergentes constitui-se uma fraude religiosa por se colocar na contra-mão do raciocínio bíblico”.

“Deus despreza as orações de quem não o obedece”
Provérbios 28.9

“Você sabia que 80 á 90% das pessoas que “aceitam a Cristo” em trabalhos evangelísticos se “desviam” depois? O motivo de tudo isso tem sido esse evangelho centrado no homem que é pregado nos púlpitos, nas TVs e nas casas, onde o bem-estar e a prosperidade tem se tornado “mais valiosos” que o próprio sangue de Cristo. A graça já não basta mais (apesar dos louvores e acharmos Cristo tão meigo). O que nós realmente queremos é “o segredo” para sermos bem-sucedidos. Desejamos “uma vida com propósitos” para taparmos com peneira o vazio que sentimos. O Vazio de um espírito morto que somente Deus pode ressuscitar. Ansiamos por “o melhor da nossa vida hoje” no lugar de tomarmos a nossa cruz e de negarmos a nós mesmos. Queremos conhecer “as leis da prosperidade” mais do que o Espírito de Santidade; e, para nos justificarmos, tentamos ser pessoas auto-motivadas e de alta performance, antes de sermos cristãos cuja alegria está em primeiro lugar Nele; e santos bem aceitos pelo mundo a despeito das Palavras de Jesus contrariar esse posicionamento”.

Paul Washer, Diretor da Sociedade Missionária HeartCry

“O que confia no seu próprio coração é um insensato”.

Provérbios 28:26

“A nova espiritualidade emergente não fala sobre o custo de ser um verdadeiro crente. Ela fala sobre a unidade a todo custo, mas não a verdade a todo custo”

Lighthouse Trails

“Os modernos “Líderes Evangélicos” procuram encher suas igrejas de analfabetos bíblicos, convencendo-os que eles irão para o céu, simplesmente porque levantaram a mão, como sinal de aceitação de Jesus como Salvador, e que Ele vai lhes dar o sucesso familiar, social e financeiro, se forem dizimistas fiéis; [o que se constitui uma propaganda enganosa]”.

Mary Schultze

“A teoria científica será sempre conjectural e provisória. Não é possível confirmar a veracidade de uma teoria pela simples constatação de que os resultados de uma previsão efectuada com base naquela teoria se verificaram. Essa teoria deverá gozar apenas do estatuto de uma teoria não (ou ainda não) contrariada pelos fatos”.

Karl Popper (1902 — 1994) filósofo da ciência considerado por muitos como o filósofo mais influente do século XX a tematizar a ciência.

“O desejo dos cristãos modernos é deletar o pecado mas não de suas vidas, e sim da teologia cristã”.

“Deixem de enganar-se a si mesmos. Se você pensa que tem sabedoria, conforme avaliação pelos padrões deste mundo, faria melhor se pusesse tudo de lado e se tornasse um tolo. A sabedoria deste mundo é loucura para Deus”.
I Coríntios 3:18,19

"A Bíblia ensina a nos contentarmos com o que temos, mas nunca com o que somos".

Dr. John Blanchard é pregador, professor e escritor cristão.

“Os crentes modernos não acreditam na infabilidade da Bíblia porque ela se contradiz, mas sim porque ela os contradiz”.

“O Problema conosco hoje é que procuramos construir uma ponte sobre o abismo que há entre duas coisas opostas, o mundo e a igreja, realizando assim um casamento ilícito para o qual não há autorização bíblica”.

A. W. Tozer (1897-1963) Pastor americano

"A verdadeira satisfação vem de Deus e é gratuita, no entanto muita gente está disposta a pagar um alto preço pela sua falsificação!"

"Aquilo que governa o coração, forma a arte"

Wolfgang H. M. Stefani, citado no livro, "O Cristão e a Música Rock".

"O pecado é morte com aparência de vida".

Autor desconhecido

“A história é a Ciência da infelicidade dos homens”

Anônimo

"Não é o que você deseja fazer, mas o que você faz para Deus que transforma a sua vida."

Henrietta C. Mears, autora de Estudo panorâmico da Bíblia

“A primeira geração de cristãos pós-modernos já está aí. São crentes que pouco ou nada sabem da Palavra de Deus e demonstram pouco ou nenhum interesse em conhecê-la. Cultivam uma espiritualidade verticalista, com nenhuma consciência missionária. Consideram tudo muito “normal” e não vêem nenhuma relevância na cruz de Cristo. Acham que a radicalidade da fé bíblica é uma forma de fanatismo religioso e não demonstram nenhuma preocupação em lutar pelo que crêem”

Ricardo Barbosa de Souza no livro, “A Pós Modernidade e a Singularidade de Cristo”.

“Temos vivido uma nova forma de fundamentalismo[cego], a da “Democracia Liberal”, que impede que expressemos nossos valores cristãos e nossa crença numa Verdade Absoluta, pois assim ferimos aqueles que não concordam com eles”.

James Houston, erudito escritor e professor cristão.

“E viu o Senhor que a maldade do homem se multiplicara sobre a terra e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente”. Genesis 6:5

“Os líderes da “Igreja Emergente” não aceitam a divina inspiração da Bíblia nem sua inerrância. È simples, se não posso confiar em algo nela por não corresponder a realidade, quem vai dizer em que parte posso confiar ? Pela lógica todo o resto se torna inútil”.

"A ciência é notoriamente conhecida por ser muito científica na sua destruição do conhecimento científico que produziu anteriormente”.
Charles Spurgeon

“Jesus está sendo criminosamente vendido no mundo, a grosso e a retalho, por todos os preços, em todos os padrões amoedados. E os novos negociadores de Cristo não se enforcam depois de vendê-lO.”

Humberto de Campos ( 1886 — 1934) foi um jornalista, político e escritor brasileiro.

"A falha do evangelismo atual reside na sua abordagem humanista. Trata-se de um esforço para ser supernatural, mas nunca se é o bastante. Esse evangelho é francamente fascinado com o grande, barulhento, e agressivo mundo com seus grandes nomes, o seu culto as celebridades, a sua riqueza e sua pompa berrante. Para os milhões de pessoas que estão sempre, ano após ano, desejando a glória mundana, mas nunca conseguiram atingi-la, o moderno evangelho oferece rápido e fácil atalho para o desejo de seus corações. Paz de espírito, felicidade, prosperidade, aceitação social, publicidade, sucesso nos negócios, tudo isso na terra e finalmente, o céu. Certamente nenhuma companhia de seguros pode oferecer algo parecido com isso”.
A. W. Tozer

“Os pensadores “cristãos” da atualidade confundem cultura secular com erudição bíblica, como se Deus preferisse os eruditos para a pregação do Evangelho do Seu Filho, em vez de escolher as pessoas mais simples e despretensiosas, conforme lemos em 1° Coríntios 3:18-20”

Dr. Ronald Cooke erudito escritor cristão

“Antes que possa haver uma vida cristã próspera, nobre, resistente ao mundo, firme na tentação, inabalável nas provações, cheia de bons frutos, deve haver uma estreita união com Deus em secreto”.
Paul E. Billheimer

"Uma pessoa pode ir a igreja duas vezes por dia, participar da ceia do Senhor, orar em particular o maximo que puder, assistir a todos os cultos e ouvir muitos sermões, ler todos os livros que existem sobre Cristo. Mas ainda assim tem que nascer de novo".

Jonh Wesley (1703 – 1791) pastor e teólogo inglês fundador da igreja metodista.

“A maioria das pessoas preocupam-se com passagens da Bíblia que não entendem, mas as passagens que me preocupam são justamente as que eu entendo”.

Mark Twain (1835-1910) foi um escritor, humorista e romancista norte americano. Twain foi a celebridade mais conhecida de sua época.

"Esta nova era da pós-verdade tem sido abraçada por todos que dão boas vindas à falência do Cristianismo tradicional. Seus “modelos de mudança” têm abandonado as “fronteiras formais” da verdade divina para explorar a visionária direção do homem, tentando unir Deus à estrada larga".

Tamara Hertzel em seu livro, “In the Name of Purpose: “Sacrificing Truth on The Altar of Unity”,

"Jamais coloque um ponto de interrogação na frase em que Deus colocou um ponto final".

Provérbio evangélico americano

“Fé é o poder de colocar o eu de lado para que Deus possa atuar sem impedimentos”.

F.B. Meyer (1847 – 1929) pastor, autor, professor e evangelista inglês.

"Há muitos vagabundos religiosos no mundo que não querem estar amarrados a coisa alguma. Eles transformaram a graça de Deus em libertinagem pessoal e muitas vezes coletiva".

Adaptação da fala de A. W. Tozer

"Quando um homem fica rodeado de hereges, ele perde a capacidade de discernir entre o que é falso e o que é verdadeiro e o seu ministério se transforma em ministério de confusão... "

Dr. Ronald Cooke é um erudito escritor cristão

"Quando a tolerância é valorizada acima da verdade, a verdade sempre sai no prejuízo".

John MacArthur Jr, é um pastor e escritor evangélico americano.

"Disse Jesus: O mundo amaria a vocês, se fossem dele; como não são, pois eu escolhi vocês para saírem do mundo; por isso é que são odiados pelo mundo". João 15:19

"Nunca ouça um homem que não ouve a Deus".

A. W. Tozer (1897-1963), pastor americano

"Se amarem suas vidas aqui embaixo, vocês perderão a vida real. Se desprezarem suas vidas aqui embaixo, vocês trocarão esta vida pela glória eterna".

João 12:25

"A verdadeira Igreja prega REGENERAÇÃO da alma; não reforma, não educação, não a legislação, mas regeneração".
MR DeHaan, (1891-1965) foi um professor da Bíblia, pastor, escritor e médico americano.

"Eu sei com certeza que depois que eu for, falsos mestres, como lobos ferozes, aparecerão no meio da igreja e não terão pena do rebanho". Alguns de vocês mesmos torcerão a verdade para conseguir seguidores".

Atos 20:29,30

Quanto mais desviado se torna um pastor, mais ele se volta para o evangelho de entretenimento e "novas obras" para trazer as multidões. E confia em números e nas finanças para julgar o próprio sucesso. Mas inexiste um testemunho acompanhando essas obras, porque elas são de um outro evangelho, um outro Jesus!

David Wilkerson, pastor americano criador das casas de recuperação

“Deus, em sua sabedoria, providenciou para que o mundo nunca o encontrasse através da inteligência humana. E então, Ele se manifestou e salvou todos quantos creram em sua mensagem, essa mesma que o mundo considera absurda e ridícula”.

I Coríntios 1:21

“Eu costumava pensar que as dádivas de Deus estavam em prateleiras uma acima da outra, e que, quanto mais alto crescíamos em nosso caráter cristão, mais fácil podíamos alcançá-las. Eu agora penso diferente. Creio que as dádivas estão em prateleiras, uma debaixo da outra. Não se trata de subir o mais alto, e sim, de descer o mais baixo. Quanto mais nos humilhamos diante do Senhor, melhores dádivas receberemos."

F.B. Meyer (1847 – 1929) pastor, autor, professor e evangelista inglês.

"Considero cristão de fato aquele que não se envergonha do evangelho nem é uma vergonha para ele".

Matthew Henry (1662 – 1714), pastor presbiteriano, autor de famoso comentário bíblico.

“Muitas pessoas tem considerado a fé cristã como algo fácil. Elas pensam assim porque nunca a experimentaram”.

Martinho Lutero

A verdade [bíblica] faz-nos temer somente ao nosso Deus, deixando de temer as críticas dos homens e fazendo-nos perder qualquer interesse nos seus aplausos.

Dave Hunt, escritor e pesquisador cristão.

“O amor separado da verdade não é nada mais que sentimentalismo hipócrita. Esse sentimento está se proliferando entre os evangélicos de hoje”.

John MacArthur, escritor e ministro da igreja Grace Community Church em Sun Valley, Califórnia.

“O erro gera o erro, a heresia gera a heresia, e sempre em nome da verdade, sempre em nome do evangelho”.
Walter Martin, fundador do Christian Research Institute

A maioria dos crentes não acredita que a Bíblia diz o que está escrito: acreditam que ela diz o que eles querem ouvir.

“Nós somos pagãos por natureza. Ou nossa religião nos transforma, ou iremos transformar nossa religião para corresponder às nossas simpatias”.

Michael Scott Horton é professor de Teologia e Apologética no Seminário de Westminster Califórnia.

Os tesouros no céu são recebidos somente na proporção em que são renunciados os tesouros da terra.
Anônimo

Assim como a desesperança do pecador de receber qualquer ajuda de si mesmo é o
primeiro requisito para uma conversão real, também a perda de toda confiança em si mesmo é o principal fator para o crescimento do crente na graça.
A. W. Pink (1886 - 1952) foi um pastor e evangelista inglês, profundo estudioso da Bíblia.

Argumentar com base na misericórdia para justificar o pecado pessoal é a lógica do diabo.

James Janeway (1636 - 1674) ministro e autor puritano que viveu após John Bunyan.

"Fé é quando Deus diz algo e eu digo o mesmo".

F. B. Meyer (1847 – 1929) pastor, autor, professor e evangelista inglês.

"A bíblia é uma janela na prisão deste mundo, através da qual podemos olhar para a eternidade.
Timothy Dwight (1752 - 1817) autor, pregador e teólogo, reitor da universidade Yale.

“Disse Jesus: Não me admiro que vocês não possam acreditar [no que Eu falo]! Porque vocês alegremente se aprovam uns aos outros, mas não se importam com a aprovação que vem do único Deus!” João 5:44

"Para a maioria dos crentes Deus é uma possibilidade, não uma realidade."

" Fé real invariavelmente produz santidade de coração e retidão de vida, fé falsa não se preocupa com isso”.

“Ninguém mergulha tão profundamente no inferno como aqueles que chegaram mais perto do céu, visto que caem de maiores alturas”.

William Gurnall (1617 - 1679), magnífico autor cristão Inglês

“Para alguns de nós, a maior habilidade parece ser a de afastar-se do Bom Pastor”.

Geoffrey King, teólogo inglês do século 16 um dos revisores da bíblia King James

"O homem precisa ser salvo de sua sabedoria própria, bem como de sua justiça própria porque o resultado do ajuntamento das duas, é uma e a mesma corrupção.”

William Law (1686-1761) pregador inglês.

“Disse-lhes Jesus: Porque o que entre os homens é nobre, para Deus é um absurdo”. Lucas 16:15

“Preparem-se para se tornarem cada vez mais fracos; preparem-se para mergulhar a níveis cada vez mais baixos de auto-estima;preparem-se para a auto-aniquilação e orem para que Deus apresse este processo”.

C. H. Spurgeon (1834-1892) Pastor Inglês, chamado de o príncipe dos pregadores.

“O mundo exige de nossa parte uma conformidade que afirme seus valores, não os valores de Deus. O mundo quer aprovação, não verdades.”

"Disse Jesus: Nem todos os que falam como gente de fé são realmente assim. Tais pessoas podem referir-se a Mim como Senhor, porém apesar disso não entrarão no céu. Porque a questão decisiva é se elas obedecem ao meu Pai do céu ou não". Mateus 7:21

“Ao concentrar-se em mim mesmo só vejo a minha condição de nudez e miséria.
Ao concentrar-se em Deus vejo somente conforto e segurança!”
C.H. Mackintosh (1820- 1896) pregador irlandês

"“A igreja que é dirigida por homens em vez de ser comandada por Deus está condenada ao fracasso espiritual embora se expanda nesse mundo. O ministério que se fundamenta em ensinos de seminários e não está cheio do Espírito Santo, não opera milagres verdadeiros, só falsos.”

Adaptado de Samuel Chadwick (1840 – 1932) pastor metodista

"A cruz de Cristo me constrange a tornar-me um santo."

“Amar Jesus encontra sua expressão mais compreensiva na obediência aos mandamentos de Jesus. Uma cristandade satisfeita com menos pode ser conveniente, mas é barato demais para ser verdadeiro.”

“O homem verdadeiramente sábio é aquele que sempre crê na Bíblia contra a opinião de qualquer outro homem. “

R. A. Torrey (1856-1928) evangelista, pastor, educador e escritor norte-americano.

"Quando o “eu” não é negado, ele é necessariamente adorado."

Se o seu cristianismo é confortável, está comprometido.
John Blanchard (1932) missionário e autor cristão.

Se não tornarmos clara nossa posição, com palavras e obras em favor da verdade e contra as falsas doutrinas, estaremos edificando um muro entre a próxima geração e o evangelho.

Francis Schaeffer (1912 - 1984) teólogo, filósofo e pastor presbiteriano.

"Contornar a Palavra de Deus e chamar os nossos desejos de direção divina, isso leva apenas a multiplicação do pecado."

Rev. Rousas John Rushdoony (1916 – 2001) Filósofo, historiador e teólogo presbiteriano.

"A igreja de Cristo é uma instituição divina, mas temos o poder de reduzi-la a algo terreno, fazer dela uma organização humana."

T. Austin Sparks ( 1910-1971) Pastor escocês.

“A Igreja costumava ser um barco resgatando os que perecem. Agora, ela é um cruzeiro recrutando pessoas promissoras.”

Leonard Ravenhil (1907- 1994) evangelista e autor cristão

"Um espírito demoníaco que induz a atividade religiosa favorita, está fazendo as pessoas sentirem-se espirituais e isso ocorre pela incompreensão da Palavra de Deus."

Max D. Younce pastor da Igreja Bíblica do Património em Ohio, E.U.A

"Muitos crentes querem servir a Deus... Mas apenas como Seus conselheiros."

Provérbio evangélico americano

"Cada dúvida no coração de um cristão é uma afronta á Palavra de Deus e ao sacrifício de Cristo."

A "quase verdade" é muito mais perigosa que a própria mentira.
Fred Barlow(1921–1983)pregador e autor batista

Se você crê somente no que gosta no evangelho e rejeita o que não gosta, não é no evangelho que você crê, mas sim, em você mesmo.
Agostinho (354 – 430).

“Nós como igreja, achamo-nos tão impregnados de uma filosofia anticristã, isto é, da idéia de que nosso alvo na vida consiste em obter uma infinidade de bens materiais, de ter status e gozar os prazeres do sexo, e não de viver os preceitos do Sermão do Monte, que o cristianismo praticado hoje, na verdade não passa de uma apostasia, pois se curvou diante do espírito desta época”.
Carl F. Henry (1913 - 2003) teólogo e intelectual cristão, o primeiro editor-chefe da revista "Christianity Today”.

Os homens estão mortos para Deus por estarem vivendo para o ego. Amor próprio, auto-estima, auto-satisfação são a essência e a vida do orgulho; e o Diabo, o pai do orgulho, nunca está ausente de tais paixões, nem deixa de ter influência nelas. Sem a morte para o ego não há escape do poder de Satanás sobre nós...
William Law, ( 1686-1761) pregador inglês.

" Você nunca saberá que Deus é tudo o que você precisa até que Ele seja tudo o que você tiver."

"No início a igreja era um grupo de homens centrados no Cristo vivo. Então, a igreja chegou à Grécia e tornou-se uma filosofia. Depois, chegou à Roma e tornou-se uma instituição. Em seguida à Europa e tornou-se uma cultura. E finalmente chegou à América e tornou-se um negócio."
Richard C. Halverson (1916-1995) pastor americano.

Deus cria a partir do nada. Portanto, enquanto o homem não se esvaziar e se reduzir a nada, Deus não poderá fazer nada com ele.
Martinho Lutero (1483 – 1546) teólogo

Muito do conhecimento de um homem pode ser uma tocha que ilumina seu caminho para o inferno.
Thomas Watson (1620-1686) pregador inglês

Há grande diferença entre negar coisas a si mesmo e negar-se a si mesmo.
Adrian Rogers, pastor americano (1931 – 2005)

Estamos vendo surgir uma “nova” igreja com um novo “credo” e um falso cristo."

“Ai de vocês que transformam a casa de Deus em comércio. Vendem seus CDs, vendem seus falsos milagres, vendem suas falsas unções, vendem falsas promessas de prosperidade, enquanto na verdade só vocês têm prosperado. Como escaparão do juízo que há de vir?”

Paul Washer é Diretor da Sociedade Missionária HeartCry

"Quando há algo na Bíblia que as igrejas não gostam, elas o chamam de ‘legalismo’. Se Jesus tivesse pregado a mesma mensagem que os ministros de hoje pregam, Ele nunca teria sido crucificado."

Leonard Ravenhil, (1907-1994) foi um evangelista e autor cristão

Não deixe de ler esse livro! Para comprar click na imagem.

Organizações Missionárias

Blogs que sigo

%d blogueiros gostam disto: