Arquivo de rudimentos do mundo

Higienização ou Santificação?

Posted in Reflexão Ácida with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 01/05/2012 by Roberto Aguiar

Por Bob DeWaay

Um leitor me telefonou recentemente e explicou como ele viu igrejas se afastarem da Bíblia através da implementação de vários programas e métodos para se ter uma vida melhor. Ele fez uma declaração intrigante: “Esses programas não santificam, eles higienizam”. E ele estava absolutamente certo sobre isso. Deixe-me descompactar essa idéia e mostrar a partir da Escritura como isso funciona.

É possível usar a sabedoria humana e programas que se baseiam em bons conselhos, a fim de ajudar as pessoas a alcançarem uma vida melhor. É possível transformar um alcoólatra num homem sóbrio, um marido abusivo em um ser atencioso e carinhoso, um jogador compulsivo que rasga o dinheiro da família, em uma pessoa focada em dar uma vida confortável para os seus, uma pessoa infeliz a se tornar feliz. Tudo isso pode ser feito sem nenhum trabalho especial da graça de Deus. Na verdade, isso pode ser feito sem religião nem fé.

Uma vez ouvi um debate entre dois professores universitários, um ateu e outro cristão. No final do debate, o ateu fez uma declaração interessante. Ele disse: “Você não precisa de um Deus ou religião para ter uma vida boa e feliz. Fui casado por muitos anos, tive filhos e netos maravilhosos, vivi uma vida moralmente correta, e não poderia querer mais nada da vida, sou um homem realizado. Eu não preciso de religião e nem você.” Infelizmente, muitos cristãos têm redefinido, mudado tanto o caráter do cristianismo que simplesmente não saberiam como responder a tal declaração. A verdade é que muitas pessoas são felizes, levam uma vida relativamente correta moralmente falando, e isso tudo sem Deus. Mas o que não podem obter é legitimidade diante do Deus Santo que criou o universo.

Quando o cristianismo se reduz a uma melhora de vida através da religião, ele não pode oferecer nada mais do que os programas de alguns ateus já têm. Isso é explícito em igrejas que enchem sua programação com seminários, encontros e pregações destinados a ajudar as pessoas a resolverem os problemas da vida através da revelação geral. O que chamo de “Revelação Geral” é o montante do conhecimento humano, colhido através de séculos de experiência social, e que está disponível para todos através dos meios normais do conhecimento. Todas as sociedades têm os seus próprios aforismos, uma espécie de sabedoria social, que passam ao longo dos tempos os seus “bons conselhos”. Não é pecado dar às pessoas bons conselhos recolhidos a partir da revelação geral, mas também não podemos confundir esses conselhos com ordenanças de Cristo.

“Ensinando-os a observar tudo quanto vos ordenei” ( Mateus 28:20).

Duas diferenças fundamentais dos bons conselhos sociais dos mandamentos das Escrituras:

1) Um bom conselho pode ser ignorado.

2) Um bom conselho não é santificação, não significa obedecer a Deus.

O ateu com uma boa família e uma vida feliz é claramente uma pessoa não santificada. O termo “santificação” significa ser feito santo. Segundo a bíblia, o individua que renuncia ao seu ponto de vista pessoal e ao da sociedade, e concede que apenas a palavra de Deus dirija a sua vida, é considerado santo, e portanto,  bem visto aos olhos de Deus. A bíblia também informa que a Santidade não pode ser adquirida a partir da revelação geral. Portanto, aqueles que são ajudados por bons conselhos extraídos da sabedoria humana, podem ser higienizados, o que significa ter uma vida humanamente equilibrada, mas a menos que se arrependam e creiam no evangelho, nunca serão santificados. A santificação vem através da redenção pelos meios da Graça. Paulo escreveu:

“Mas vós sois dele, em Jesus Cristo, o qual para nós foi feito por Deus sabedoria, e justiça, e santificação, e redenção; Para que, como está escrito: Aquele que se gloria glorie-se no Senhor. I Coríntios 1:30-31

Aquele ateu estava ostentando seu orgulho pessoal contra o Senhor, baseado no sucesso da aplicação da sabedoria humana! Mas o cristão só pode se orgulhar do Senhor, pois seu equilíbrio espiritual, que é o que realmente conta, depende exclusivamente de Deus.

A aplicação da sabedoria humana pode produzir muitos clientes satisfeitos. Um pastor local, conhecido por pregar o evangelho da prosperidade, foi exposto em um jornal local de uma cidade pelo seu luxuoso estilo de vida e possível desapropriação de fundos da igreja. Um de seus membros escreveu uma carta ao editor do jornal defendendo o pastor. O autor da carta citou todas as mudanças positivas que aconteceram desde de que passou a frequentar a dita igreja daquele pastor: uma família melhor, finanças melhor, libertação do vício e assim por diante. Mas ele não mencionou nada que fosse característico ao cristianismo. Algumas pessoas que acreditam que o evangelho de Jesus produz saúde e riqueza, na verdade poderão se tornarem saudáveis e prósperas materialmente, mas o que elas não observam é que assim também são as vidas de muitos ateus.

Muitas igrejas simplesmente desistiram de pregar a salvação e a santificação e se estabeleceram como uma espécie de “agência” para a higienização limpa e feliz da vida “cristã”, sem levar em conta a santidade aos olhos de Deus. Paulo fala sobre isso em Colossenses:

“Se, pois, estais mortos com Cristo quanto aos rudimentos do mundo, por que vos carregam ainda de ordenanças, como se vivêsseis no mundo, tais como: Não toques, não proves, não manuseies? As quais coisas todas perecem pelo uso, segundo os preceitos e doutrinas dos homens; As quais têm, na verdade, alguma aparência de sabedoria, em devoção voluntária, humildade, e em disciplina do corpo, mas não são de valor algum senão para a satisfação da carne”. Colossenses 2:20-23

O “limpo” pecador ainda é “carnal”, porque a única alternativa para a carne é o Espírito, e as pessoas não recebem o Espírito pelas obras da lei:

“Pensai nas coisas que são de cima, e não nas que são da terra; Porque já estais mortos, e a vossa vida está escondida com Cristo em Deus”. Colossenses 3:2-3

Observe que não há artigo definido no grego com relação a palavra “lei” no sentido de mosaica. Isso significa que Paulo não está se referindo especificamente as “obras da lei” judaica, mas a qualquer regra de vida que possa existir. Isso significa que as pessoas não recebem o Espírito Santo por se deixarem moldar por bons programas, filosofias humanitárias, ou qualquer outro conhecimento que as leve a ter uma vida socialmente equilibrada.

Esse detalhe se aplica a qualquer pessoa sem o Espírito Santo, consequentemente não salva e santificada:

“Para que a justiça da lei se cumprisse em nós, que não andamos segundo a carne, mas segundo o Espírito. Porque os que são segundo a carne inclinam-se para as coisas da carne; mas os que são segundo o Espírito para as coisas do Espírito. Porque a inclinação da carne é morte; mas a inclinação do Espírito é vida e paz. Porquanto a inclinação da carne é inimizade contra Deus, pois não é sujeita à lei de Deus, nem, em verdade, o pode ser. Portanto, os que estão na carne não podem agradar a Deus.”  Romanos 8:4-8

 Se aplica a qualquer pessoa sem o Espírito de Deus, motivada 100% pela natureza humana:

“Porque tudo o que há no mundo, o desejo da natureza humana, o que os olhos desejam e o orgulho da vida, não é de Deus, mas do mundo. E o mundo passa, e os seus objetos de desejo também; mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre.” I João 2:16-17

Uma pessoa pode ser capaz de fazer uma higienização de seus desejos através da sabedoria humana, através de um programa, mas ninguém pode escapar das paixões do mundo, por qualquer meio, exceto por um trabalho da Graça de Deus através do evangelho. Leis, regras, programas ou filosofias, podem restringir o mal, mas não podem produzir santidade. Nós não podemos escapar da corrupção do mundo por outros meios que não sejam as promessas de Deus encontrados na Bíblia.

“Pelas quais ele nos tem dado grandíssimas e preciosas promessas, para que por elas fiqueis participantes da natureza divina, havendo escapado da corrupção, que peles desejos há no mundo.” II Pedro 1:4

Sendo este o caso, por que tantas igrejas encheram seus sermões e programas com idéias recolhidas através da revelação geral, se cercando de uma multidão de bons conselhos sociais? A resposta se encontra provavelmente na política de manutenção de seus membros. E a santificação é tão determinante assim? Claro, a Palavra de Deus ensina a santificar aqueles que são verdadeiramente salvos. Jesus orou:

“Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade” ( João 17:17 ).

Isso significa que Deus faz uma obra da Graça no interior das pessoas, e muda as motivações do coração e não apenas certos comportamentos.

“Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração” Hebreus 4:12

Nesse contexto o comportamento se altera de forma radical, porque a Bíblia contém instrução sobre a vida piedosa, que deve ser ensinada como elo de ligação a Deus. Estas instruções são comandos, não bons conselhos. Elas não podem ser ignoradas ou serem vistas como opitativas. Mas a boa notícia é que a Graça de Deus vem a nós através de Sua palavra, habilitando-nos  e motivando-nos a obedecê-lo há partir de um conceito racional espiritualizado.

A igreja torna-se cheia de pessoas que não foram salvas, quando ensinamentos e programas sobre “uma vida melhor através de Jesus”, se tornam a norma e não a pregação do evangelho e o ensino da Bíblia. Nessas igrejas as pessoas são atraídas ali para encontrar o tipo de vida que aquele ateu se gabava de ter. Elas realmente podem ter uma vida agradável e feliz através da sabedoria humana que lhes foi dispensada em nome do cristianismo, isso é um fato.

Mas a santidade é o que essas pessoas não poderão encontrar através da sabedoria humana. Santidade vem de uma obra da Graça, e não de uma decisão de mudar algumas coisas para melhor. Pecadores sem o evangelho, mas higienizados através de um programa de igreja, podem acabar em uma condição pior do que antes. Se, em nome do cristianismo, os problemas da embriaguez ou do casamento possam ir embora, aqueles que se beneficiaram podem pensar que são salvos, quando na verdade, eles estão higienicamente perdidos. Essa falsa segurança é perigosa, e caso não seja detectada, certamente levará à condenação eterna.

O fracasso da abordagem dos problemas humanos com os métodos humanos está em pressupor  que os seres humanos possuem a motivação e a capacidade correta de que necessitam, o que está lhes faltando simplesmente são instruções sobre como colocar para funcionar o potencial para o bem que eles já possuem. A situação real é que somos pecadores sem esperança e sem um Deus no mundo como Paulo afirma em Efésios:

“Que naquele tempo estáveis sem Cristo, separados da comunidade de Israel, e estranhos às alianças da promessa, não tendo esperança, e sem Deus no mundo.”Efésios 2:12

Nós não temos um problema de engenharia, temos um problema espiritual. Esse problema espiritual é remediado unicamente pelo o que Deus faz pela Graça mediante a fé.

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. “ Efésios 2:8

Esse problema é insolúvel por meio de sabedoria humana. A Bíblia nos diz para “seguir” a santificação:

“Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor.” Hebreus 12:14

Apenas santificação através do sangue de Jesus, na força do Espírito Santo, nos torna aptos para ver o Senhor. Higienização interior através de bons conselhos, programas ou filosofias, jamais poderão fazer isso.

Fonte: Twin City Fellowship Critical Issues

Bem, é exatamente isso que as igrejas de um modo geral estão fazendo. Elas estão mudando o foco da pregação, antes centrada na salvação da alma, para um enfoque social. Todo o trabalho da maioria das igrejas tem se centrado na salvação social do indivíduo, e não de sua alma.

No contexto cristão pós-moderno, o problema crucial do indivíduo não está mais em seu coração, mas em sua adaptação aos desafios da realidade contemporânea. Isso se caracteriza como uma alteração de diagnóstico da realidade do homem segundo a bíblia. Interferir no diagnostico que Deus faz da problemática de sua própria criatura, supostamente motivado pela “boa” intenção em ajudar ao próximo, é externar um grau de estupidez colossal usando a infeliz idéia de melhorar o ótimo.

A bíblia nos ensina que o orgulho vem imediatamente antes do tropeço, “A soberba precede a ruína, e a altivez do espírito precede a queda.” Provérbios 16:18  O coração do homem é ruim por essência. Brincar de concertar o homem como a igreja evangélica contemporânea está brincado, é o mesmo que brincar de ser Deus. Esse posicionamento é estranho, e só comprova que o sistema moderno da igreja evangélica do século XXI está fadado ao fracasso, assim como estava o seu antecessor, o sistema religioso dos irreconciliáveis judeus. Assim como sucedeu com seus irmãos mais velhos, toda essa fétida estrutura afundará sobre o seu próprio peso. E aos genuínos cristãos caberá, mesmo não podendo abandonar o sistema, não se contaminarem, restando-lhes o consolo de serem recebidos por aquele que é incorruptível e cheio de misericórdia não fingida.

Que só Deus nos influencie!

Roberto Aguiar

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 239 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: