Arquivo de pastora evangélica lésbica

Apostasia de Philip Yancey

Posted in Falsos Mestres with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 31/01/2009 by Roberto Aguiar

Philip Yancey (nascido em 1949) é um escritor e jornalista cristão americano. Seus livros venderam mais de 14 milhões de cópias, desde a sua estréia em 1977 e são lidos em 25 idiomas pelo mundo todo. Mais de 600 dos seus artigos apareceram em 80 publicações diferentes, inclusive na Reader’s Diggest, Publisher’s Weekly”, “National Wildlife”, “Saturday Evening Post”, “Christianity Today” e “The Reformed Journal”. Seus livros ganharam onze medalhas de ouro da Evangelical Christian Publishers Association fazendo dele um dos mais vendidos autores evangélicos. Premiado duas vezes com o “Melhor livro do ano” pela ECPA, além de outros prêmios, Yancey colabora com a revista Christianity Today, como editor associado.

Infelizmente, Philip Yancey é exemplo do típico livre-pensador moderno herético, que não se envergonha de colocar a sua opinião acima de tudo, inclusive das escrituras. Com uma linguagem pseudo-intelectual cristã, sabe que o sucesso está à espera daqueles que souberem fazer uma ponte suave entre a igreja e o mundo guiado por seus “sábios”. Yancey é sorvido por uma legião de cristãos, pouco críticos, que não querem ser transformados pelo poder de Deus, mas querem moldá-lo segundo os seus caprichos, desejando ardentemente serem justificados em seus vícios e terem seus desvios reconhecidos como normais. Veja como o que Yancey prega é radicalmente contrário ao evangelho de Cristo!

Yancey diz,

“Talvez nosso dia apela a um novo tipo de movimento Ecumênico: não da doutrina, nem mesmo de unidade religiosa, mas que baseia-se no que os judeus, cristãos e muçulmanos mantenha-se unidos, por razões de sobrevivência mútua”. Philip Yancey (fonte: Revista Christianity Today /11/ 2004, Vol. 48, No. 11.

ECUMENISMO: Esforço para estabelecer laços entre os povos, de modo a formar uma única família em todo o mundo; restabelecer a unidade entre todas as religiões.

“Philip Yancey deu uma surpreendente entrevista para Candace Chellew Hodge(pastora evangélica lésbica), fundadora de Whosoever(whosoever.org), uma revista eletrônica para gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros evangélicos. Essa não é uma revista para cristãos que lutam contra tendências homossexuais, mas para que gays, lésbicas e travestis possam se sentir confortáveis e tranqüilos com seu pecado e ao mesmo tempo professar uma fé evangélica.

Yancey diz:

“Tenho freqüentado igrejas gays e lésbicas e fico triste que a maioria das igrejas evangélicas não tenha espaço para os homossexuais. Encontrei cristãos maravilhosos e comprometidos nas igrejas ICM (Igreja Cristã Metropolitana, uma denominação que defende o estilo de vida homossexual evangélico). Eu queria que as outras igrejas se beneficiassem da fé desses cristãos gays”.

Candace Chellew Hodge pastora lésbica

Yancey continua,

“Durante anos, Mel White foi um dos meus amigos mais íntimos antes que ele me revelasse sua orientação sexual. (A propósito, ele ainda é meu amigo.)… Quando as pessoas me perguntam como é que consigo manter amizade com um pecador como Mel, respondo perguntando como Mel consegue manter amizade com um pecador como eu. Mesmo se eu concluir que toda conduta homossexual é errada, como querem muitos cristãos conservadores, sou compelido a responder em amor”.

“No que se refere a assuntos de doutrinas, como a ordenação de pastores gays e lésbicas, fico confuso… Francamente, não sei a resposta para essas questões”.

“Obviamente, se uma igreja está dizendo que você precisa abandonar a orientação sexual, essa igreja precisa receber educação”.

“Já estive em igrejas gays e lésbicas cujo fervor e compromisso deixariam a maioria das igrejas evangélicas mortas de vergonha”.

Em outra entrevista igualmente reveladora ao site Interference, de fãs da banda U2, YANCEY RESPONDEU QUE SEU AUTOR FAVORITO É FREDERICK BUECHNER. Buechner é pastor e teólogo da PCUSA, denominação presbiteriana liberal dos Estados Unidos. Essa denominação faz casamento entre homossexuais.

Buechner declarou: “Dizer que moralmente, espiritualmente e humanamente a homossexualidade é sempre má parece tão absurdo quanto dizer que nos mesmos termos a heterossexualidade é sempre boa, ou vice-versa”.

Mel White pastor Homossexual 

 Mel White, um pastor evangélico que pregou ao lado de vários pastores famosos como Billy Graham mas que em 1994 assumiu o Homossexualismo e continuou no pastorado. Mel é amigo de Yancey e dirige o grupo homossexual evangélico radical Soulforce(www.soulforce.org), que faz pressão para que instituições evangélicas abandonem suas posições bíblicas e aceitem os homossexuais que se dizem convertidos sem abandonar o homosexualismo.

Uma campanha de rua da “Soulforce”. Nas camisas dos manifestantes está escrito, “Parem a violência espiritual”. A violência espiritual que eles se referem é a exigência por parte dos evangélicos de que eles devem abandonar o homosexualismo para serem aceitos como convertidos ao evangelho.

Andy Comiskey, ex-homossexual convertido ao cristianismo, que dirige um ministério de resgate para pessoas que desejam abandonar o homossexualidade, diz:

“Yancey, apresentou White em seu livro What’s So Amazing About Grace?, exibindo White e sua amizade com ele como exemplo forte da graça de Deus. Embora o autor não abrace todas as escolhas de White, Yancey dá destaque a um homem que se tornou o mais influente cristão gay de nossa época. Inadvertidamente, o autor cria uma ponte maligna entre um falso profeta (White) e milhares de leitores que estão buscando clareza na área da homossexualidade. Talvez o fato de que Yancey tenha incluído White em seu livro seja exemplo de alguém que “se introduziu com dissimulação( falsidade)” em nosso meio a fim de “transformar em libertinagem a graça de nosso Deus.”
“Porque se introduziram alguns, que já antes estavam escritos para este mesmo juízo, homens ímpios, que convertem em dissolução a graça de Deus”. Judas 4

Yancey minimiza as MUITAS PASSAGENS da Escritura que identificam a atividade sexual fora do contexto da relação matrimonial, ordenada por Deus entre um homem e uma mulher (Gênesis 1:27-28; 2:24), como sendo pecaminosa, Yancey diz o seguinte:

“existem ALGUMAS PASSAGENS da Escritura que me dão apoio”.

Indagado sobre como os demais cristãos evangélicos desenvolvem uma atitude de graça (senão de aceitação) em relação aos cristãos gays e lésbicas, Yancey responde:

“A única maneira é através de uma denúncia pessoal … os conservadores que desaprovam o homosexualismo deveriam ter contato com essas pessoas(gays crentes), e vice versa”.

Yancey encoraja os cristãos a que tolerem essas práticas pecaminosas entre os cristãos professos, tendo, o que ele chama de “contato” com as mesmas, em vez de confrontá-las, desaprovando-as. Os comentários de Yancey contra os ensinos da Palavra de Deus o tornam culpado, conforme a admoestação de Judas 4:

“Porque se introduziram alguns, que já antes estavam escritos para este mesmo juízo, homens ímpios, que convertem em dissolução a graça de Deus, e negam a Deus, único dominador e Senhor nosso, Jesus Cristo”.

De duas, uma: Yancey não está equipado ou então está de má vontade para articular a clara visão de Deus sobre esse item moral e como resultado ele está dando falsa esperança espiritual e conforto àqueles que se encontram em perigo de sofrer o mesmo julgamento dos seus ancestrais orientados nesse tipo de sexualidade, conforme Judas 7:

“Assim como Sodoma e Gomorra, e as cidades circunvizinhas, que, havendo-se entregue à fornicação como aqueles, e ido após outra carne, foram postas por exemplo, sofrendo a pena do fogo eterno”. (“Take Heed” Ministries, 05/07/2004).

O Pastor Gary Gilley, da Igreja Southern View Chapel(USA), escreve:

“Yancey tem um defeito fundamental, que predomina em todos os seus escritos: ele não coleta os seus pensamentos e princípios das Escrituras… O grave defeito de não embasar os seus conceitos nas Escrituras ocasionalmente o leva a desviar-se. Yancey não sabe a diferença entre tolerância e arrogância; entre graça e licenciosidade; entre audácia e impiedade. Conforme a definição de Yancey, João Batista e Elias estavam entre os homens ‘grosseiros’; contudo, parece que Deus não pensava assim… Certamente Jesus amava e gastava tempo com as prostitutas, porém sempre as convocava ao arrependimento [mudança de vida] não aprovando a sua maneira de viver. O método de Yancey de lidar com um homossexual, o qual também é um líder de igreja, pode lhe parecer ‘graça’, pode se assemelhar ao que Jesus faria, porém está claramente fora de sintonia em relação aos ensinos e exemplos da Escritura” (Fonte: Review of “Waht is Amazing About Grace?”, 10/07/1990) [Nota da tradutora: Quando Jesus perdoou a mulher adúltera, Ele lhe disse: “vai-te, e não peques mais” (João 8:11)].

“Onde está Deus quando chega a dor?” – Foi escrito por Yancey em 1981, ao tempo em que ele era diretor da Campus Life Magazine (Uma publicação da neo-evangélica e psicologizada da Youth For Christ). Embora Yancey declare a visão bíblica de que o sofrimento na vida dos crentes pode ser por Deus usado para o proveito destes (mas, conforme Yancey, não para o seu castigo), o tema sublinhado parece ser que Deus, de algum modo, foi injusto ao ferir aqueles que Ele decretou amar. Este tema é mais amplamente desenvolvido no livro “Decepcionado com Deus” (Ver abaixo). (Em “Onde está Deus quando chega a dor?”, Yancey também defende várias heresias comprovadas como o estabelecimento da saúde mental [o anticristão aconselhamento psiquiátrico e psicológico]; a freira esotérica católica Madre Teresa; a “Dor Psicológica de Abraão”; o falso valor de se correr atrás de uma agenda social-ativista; o Movimento Ecumênico; o pensamento positivo o auto-amor, auto-aceitação, auto-estima e autoterapia).

O livro “Decepcionado com Deus” – Foi escrito em 1988 e foi endossado pelo psicólogo Chuck Swindoll e pelo neo-evangélico Vernon Grounds. Yancey tenta responder três questões de dúvidas/auto-centradas:

1. – Deus me escuta?
2. – Ele merece confiança?

3.- Ele existe de fato?

No interior da primeira página, Yancey comenta:

“Eu queria um Deus que estivesse pronto a agir em minha vida com poder… [Eu] comecei a entender o que Deus requer dos seres humanos. Deus não quer ser analisado. Ele quer apenas ser amado… um Deus apaixonado… faminto do amor do Seu povo” [Ênfase acrescentada].

[No capítulo 24, intitulado “Deus é Desagradável?”, Yancey cita como fonte um psicólogo panteísta da Nova Era, M. Scott Peck como fonte ("The Road Less Traveled”)].

Panteísmo: crença segundo o qual Deus e o mundo constituem uma unidade e uma só substância; adoração da natureza.

O conceito de Yancey sobre Deus não é bíblico. Ele parece estar afirmando neste livro que Deus age no sentido de trazer sofrimento às nossas vidas porque não O temos amado apropriadamente. Ele também crer que há exemplos, nos quais alguém possa ficar justificadamente “decepcionado com Deus”, até mesmo a ponto de Lhe falar diretamente de sua decepção. Isso implicaria em que Deus de algum modo teria errado ou, pelo menos, agido contra os nossos melhores interesses!

Considerando tanto o livro “Onde está Deus quando chega a dor?” como “Decepcionado com Deus”, poderíamos indagar: Teria havido sequer um caso em que o cristão tivesse razão para “se decepcionar” com Deus? Se tal acontecesse, isso não implicaria em que Deus, de algum modo, tivesse cometido erro? Será que algum crente verdadeiro pode crer realmente que Deus aceita ser “pressionado” por uma das pessoas por Ele redimidas? Será correto, então, brigar com Deus a ponto de “atirar” sobre Ele nossos ressentimentos e críticas, para depois dizer que nada fizemos de errado?

Alguém pode honestamente simpatizar com a dor e frustração do outro, quando ele ou os seus amados sofrem. Muitos têm sido tentados a se zangar, acusando Deus de descaso. Mas não deveria alguém, em vez de sentir culpa sobre tais pensamentos e comportamentos, dizer que isso é aceitável para os cristãos? Quando nos iramos contra Deus, ou até mesmo O decepcionamos, nós pecamos.
Dizer às pessoas que elas nada fizeram de errado, quando “lançaram” sua decepção contra Deus, não é apenas tornar Deus erroneamente apresentado, mas é estar roubando do ofensor a oportunidade de glorificá-Lo no tempo da angústia.

Devemos admitir que Deus é justo e correto em tudo que Ele faz, que Ele é soberano sobre todas as coisas e aspectos da vida e que Ele está nos conduzindo à maturidade e santidade através da provação dolorosa. Jim Owen em seu livro – “Christian Psychology’s War on God Word: The Victimization of The Believer – expõe, acertadamente, o problema com uma proposta (como a de Yancey) no sentido de lidar com a provação:

“Que jamais aconteça o caso de nos ressentirmos ou resistirmos a qualquer interferência da parte de Deus, o que poderia privar-nos de nossos mais profundos anseios, pois muitos cristãos que cantam: “Tudo está em paz com minha alma”, estão mentindo. Nada vai bem com a sua alma, pois eles não estão perseverando e nem têm a intenção de fazê-lo, porque são amargos e hostis em relação a Deus e se lamentam, achando que são vítimas em Suas mãos. Outros são um pouco melhores, pois ‘perseveram’ com fria, rígida e estóica humildade, o que faz Deus lembrar-se do quanto eles estão fazendo, apesar da Sua falta de reciprocidade” (p. 84).

O psiquiatra espírita Carl Jun odiava a bíblia. Yancey lhe rasga elogios 

Mais provas da psicologização de Yancey podem ser documentadas em seu livro,  “Unhappy Secrets”(Segredos Infelizes da Vida Cristã), onde Yancey fala favoravelmente do psicólogo conselheiro Paul Tournier; elogia o psiquiatra espírita e ocultista Carl Jun, defende os falsos conceitos psicológicos da incondicional necessidade de auto-consideração, auto-aceitação e auto-perdão. Em “Feito de modo especial e admirável”, Yancey nos anima a imitar Madre Teresa e Billy Graham, exortando-nos a participar de pequenos grupos de sessões de Catarse(Segundo Aristóteles, a catarse refere-se à purificação das almas por meio de uma descarga emocional provocada por um drama).

A Chrisostom Society É UM GRUPO DA NOVA ERA com raízes cristãs. A Chrisostom Society se descreve como sendo um grupo de escritores cristãos contemporâneos. Em 1990, a Sociedade deu à luz um livro intitulado “Reality and the Vision”, o qual contém os idéias de 18 membros do grupo. “Reality and the Vision” homenageia cada um dos mentores dos escritores – aqueles que mais “estimularam suas paixões e transformaram suas vidas de maneira extraordinária.” (Excerto do livro “Trojan Horse: How The New Age Movement Infiltrates The Church”, de Brenda Scott e Samantha Smith, ps. 123-131).

A tarefa de editar “Reality and The Vision” foi entregue a Phillip Yancey. Ao ler o livro, descobre-se que os membros da Sociedade promovem o paganismo (Religião em que se adoram muitos deuses) da Nova Era aliado ao Cristianismo. Por exemplo, ao longo de um capítulo escrito por Karen Mains, descobrimos endosso às idéias da Nova Era, tais como a teoria de Carl Jung da Consciência Coletiva e de um oculto “Time of Beginings” (Tempo de Começos). Mains indaga: “E então não devemos elogiar aqueles tão poucos que nos ajudam a reaver a saudosa memória, tanto individual como coletiva?”

Por que será que essa entidade supostamente cristã está promovendo os conceitos de um psicólogo ocultista? Onde Karen Mains está conseguindo essa heresia novaerense? E por que Phillip Yancey é o editor desse livro místico? Se esse material é comumente usado por Yancey como editor, não se pode afirmar que ele está de acordo com o material da Nova Era contido no livro? De outro modo, não teria ele recusado o papel de editor?

Yancey foi o co-autor de um artigo do então Presidente Bill Clinton – “Faith” – na Christianity Today, edição de 25/04/1994. Conforme expressado numa carta ao editor da Christanity Today, em 18/07/1994, Yancey diz que Clinton “parece ser um homem de fé em um mundo que parece não ter consideração alguma pela fé. Ele [Clinton] está contrabalançando esses pesos conflitantes com notável sucesso”.

Novamente Yancey exaltou Bill Clinton durante o painel de discussão, numa conferência sobre C. S. Lewis. Dirigindo-se a mais de 600 (na maioria evangélicos) ali presentes, Yancey concluiu suas observações informando-nos que havia tido o privilégio de se encontrar particularmente com o presidente. Em seguida, ele disse que Clinton havia compartilhado com ele UM PONTO IMPORTANTE, ou seja, que existe uma diferença entre moralidade particular e moralidade pública. Essa peça de sabedoria foi deixada em nossos círculos por um líder evangélico, como uma palavra digna de toda aceitação, embora tendo partido de um presidente com óbvio interesse em separar as duas (Fonte: “A Feel-Good Sacrament”, James M. Kushiner, Touchstone Magazine – touchstonemagazine.com).

Comentários sobre essas duas declarações de Yancey na entrevista:

A Christianity Today com a sua ostensiva filosofia neo-evangélica é uma publicação muito perigosa. Isso ficou evidente na edição de outubro 2003. No artigo “Holy Sex”(Sexo Santo).

Phillip Yancey disse:

“Em certo sentido nós jamais teremos tanta semelhança com Deus como no ato sexual”.

Onde é que a Bíblia apóia esta visão? Claro que ela não o faz. Esta é uma filosofia não bíblica, a qual mais se aproxima do Hinduísmo Tântrico do que do Cristianismo bíblico. Yancey mencionou casualmente ter visto pornografia e ter sentido alguns tipos ilícitos de luxúria. Ele não se referiu a tais ações com uma atitude de profundo remorso e arrependimento, e nem as descreveu como sendo pecaminosas e malignas; em vez disso, ele as mencionou usando termos psicológicos, tais como “técnicas desconexas de sexo”. (Fonte: FBIS, 07/11/2003).

Yancey escreveu um artigo editorial na edição de 18/07/1994 da Christianity Today, no qual ele defende, como “irmãos dentro da tenda”, uma multidão de neo-evangélicos psicologizadores, radicais ecumênicos sociais e adeptos da nova era:

“Para onde eu me volto, ao que parece, fico sabendo de cristãos sendo atacados… não pelos humanistas seculares ou pelos muçulmanos fundamentalistas, mas pelos companheiros membros da comunidade cristã. Charles Colson… Tony Campolo… a carreira de Karen Mains… ameaçada por um boicote ao que ela tem escrito sobre a sua a vida de sonho. E a paráfrase de Eugene Peterson – The Message – o transformou em um daqueles transtornados, como qualquer um que ‘interfere na Palavra de Deus’. Richard Foster… (até mesmo) está sob a suspeita de ser um nova-erense. O que tem infectado a comunidade cristã com tal insignificância desnecessária? As táticas usadas por alguns dos críticos me fazem lembrar dos piores ataques de Joseph McCarty e do Reverendo Carl McIntire, meus heróis, quando eu crescia no fundamentalismo sulista. Foi somente mais tarde que aprendi a reconhecer suas teorias conspiratórias como um jogo de cartas embasado no rumor, na insinuação e na culpa por associação”.

Além disso, Yancey se refere à ecumênica e radicalmente liberal Declaração de Chicago II como sendo “a conferência das resoluções evangélicas”. Yancey também defende Billy Graham, dizendo:

“Ele [Graham] foi atacado por convidar católicos para dividir o pulpito, por jogar golfe com John Kennedy, por se encontrar com judeus e cristãos liberais, por viajar pelos países comunistas. Contudo, ele suportou todo o vitupério com palavras amenas, habilidade e espírito manso”. Eventualmente, o espírito pacífico de Graham proporcionou-lhe uma proteção que acolheu… e ajudou a amadurecer … todo o movimento evangélico. O que vai acontecer ao movimento, quando o espírito pacificador de Graham já não estiver conosco?”

Yancey parece ter esquecido (se é que já o soube) que:

A verdade deve ter prioridade sobre o amor e que o amor sem a verdade é uma falsa unidade.

Yancey e os Alcoólicos Anônimos

Quando Yancey pastoreou uma igreja em Chicago, ele permitiu que um capítulo do programa AA (Alcoólicos Anônimos) se reunisse no subsolo do prédio da igreja. Yancey fala de um novo freqüentador da igreja que observou:

“uma igreja que dá boas vindas ao grupo AA não pode ser tão ruim…” Yancey prossegue elogiando o conceito AA:

“[O AA foi] uma solução à tendência da igreja ao legalismo e ao orgulho. Os Doze Passos do AA, os quais têm tido uma importância tão revolucionária em tantas vidas, irrompe de dois princípios básicos: radical honestidade e radical dependência. São os mesmos princípios básicos expressos na Oração do Senhor, a cápsula sumária de um viver diário repleto de oração. As reuniões do AA, que não toleram uma pessoa mais santa do que a outra, insistem na radical honestidade e todos os membros antecipam cada comentário com um ‘sou um alcoólico’ ou ‘sou um viciado em drogas’’. Metade dos Doze Passos relata a incapacidade humana de mudar, uma dolorosa admissão para qualquer um de nós; a outra metade aponta a cura: dependência radical de um Poder Mais Alto e dos companheiros de luta”. (Reimpresso de um artigo da Christianity Today, Vista – 20/01/1994 [Wesleyan Church Sunday School Paper], “Where the High And Mighty Meet The Down and The Dirty”, ps 2-3).

Essa recomendação foi feita, apesar da espantosa evidência de que não apenas o AA é totalmente ineficaz em tratar o alcoolismo como de que a atmosfera de todos os seus centros é consistentemente antibíblica, quando não anticristã. O AA, de fato, sente orgulho de sua habilidade em fazer com que os homens vejam as suas necessidades de um Poder Mais Alto, encorajando os membros do grupo a descobrir e a definir sozinhos o que é ou quem é esse Poder Mais Alto. Yancey, evidentemente, não tem a menor idéia dos conceitos de Nova Era que são promovidos pelo AA, os quais estão conduzindo os seus membros a aceitarem falsos deuses como um substituto do verdadeiro Deus da Bíblia.

Em um artigo da Christianity Today de 03/02/1997 (“My Galery of Saints” – Minha Galeria de Santos), novamente Yancey expõe suas falsas visões sobre o AA e suas origens:

“Penso nos milhares de capítulos embasados nos Doze Passos, os quais se encontram nos subsolos das igrejas, nas entradas da WFW e nos salões através de toda a nação, cada noite, durante a semana. Os cristãos que fundaram o AA encorajam a escolha de torná-la cristã ou então fundá-la em princípios cristãos para, em seguida, deixá-la livre. Eles escolheram a última opção e hoje milhões de pessoas na América olham para esse modelo… embasado na dependência de um Poder Mais Alto, numa comunidade que apóia… como uma tábua de salvação contra as dependência do álcool, das drogas, do sexo e da comida”.

Acontece que os fundadores do A. A. Bill Wilson e seu amigo íntimo, Bob Smith não eram cristãos e sim médiuns espíritas.

Fonte: 12 Passos com “Deus Como Você O Concebe” de Dave Hunt. Ver também “12 Steps to Destruction: Codependency/Recovery Heresies” [Doze Passos Para a Destruição: Heresias da Co-Dependência/Reabilitação], de Martin e Dreide Bobgan, EastGate Publishers, Santa Barbara, CA, 1991, 247 páginas) para os fatos sobre o AA e seus fundadores.

Yancey continua sendo fã do movimento de reabilitação AA. Em seu artigo intitulado “Lessons from Rock Bottom” (Christianity Today, vol. 4 no. 8), ele contende defendendo que os cristãos têm muito o que aprender das teologias naturais dos alcoólicos e dos movimentos de reabilitação. Ele os vê como amistosos aliados, em vez de outras religiões. Ele começa o seu artigo dizendo:

“Nos tempos antigos, alguns teólogos escreveram ‘teologias naturais’, começando por explicar as maravilhas da natureza, em seguida movendo-se, gradualmente, para o teísmo, a revelação e a doutrina cristã”.

Eis um fraco argumento sobre o qual se embasar. Qualquer forma de teologia natural é severamente enfraquecida e distorcida pelos efeitos intelectuais da queda. Yancey diz:

“Se eu estivesse escrevendo hoje uma teologia natural, acho que iria começar pela reabilitação dos alcoólicos”.

Desse modo, Yancey constrói sobre o falso fundamento da teologia natural, quando equipara o homem decaído, o homem pecador, (alcoólicos recuperados) às “maravilhas da natureza”. Os alcoólicos recuperados, bem como todos os homens decaídos, são severamente limitados pelas insondáveis profundezas humanas e a incapacidade do homem decaído de se reconhecer de maneira correta, sem a intromissão de suas predisposições pecaminosas. Nós, os que confiamos na Bíblia como suficiente para a vida e a piedade, dizemos que a Bíblia é a única fonte de autoridade para se compreender a condição humana, incluindo os valores, e a única fonte de autoridade para prescrever como devemos viver. Nenhuma das considerações e estratégias humanas dos “alcoólicos recuperados”, ou de outras fontes, pode sequer merecer a consideração de possuir uma garantia ou autoridade que possa equiparar-se à da Escritura.

Yancey diz: “A antropologia, o pecado original, a regeneração, a santificação …o movimento de reabilitação contém em suas sementes todas essas doutrinas”.

Esta é uma declaração irrelevante e confusa. É irrelevante no que se refere ao Cristianismo, porque podem se substituir as palavras “movimento de reabilitação” por qualquer outra das principais religiões do mundo, o que daria no mesmo. Se alguém crê que Jesus é Deus e que “… em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos”, (Atos 4:12), deve concluir que a declaração de Yancey não é apenas confusa, mas falsa. Ela pode ser usada para justificar qualquer religião mundial professada pelos alcoólicos anônimos. Ele pode protestar que não faria isso, mas a verdade é que o AA abre suas portas a todas as religiões (ocultistas, animistas e semelhantes). (Fonte: PsychoHeresy Awareness Letter, edições de maio/junho e julho/agosto 2001). Digite no Google os AA e veja a infinita lista de sites espíritas apoiando os AA.

Yancey afirma que ao buscar modelos para o seu livro de 1997 – What’s So Amazing About Grace?” – ele “se voltou para as pessoas imperfeitas, compartilhando amor e aceitação em diferentes locais:

‘TENHO ESTADO NO AA COM AMIGOS E FICO PENSANDO: ‘AH! SE PELOS MENOS A IGREJA FOSSE UM LUGAR ASSIM.. EU GOSTARIA QUE A IGREJA FOSSE UM LUGAR ONDE PUDÉSSEMOS SER ACEITOS PELOS NOSSOS FRACASSOS’”.

O livro é, sobretudo, tão polêmico para a igreja como para uma sociedade evangelística, em vez da visão bíblica da igreja… “a coluna e firmeza da verdade”. (Fonte: Artigo do Houston Chronical… “O melhor dom do Cristianismo para o mundo é a graça”, diz o autor.

O Promise Keepers(www.promisekeepers.org) é um novo movimento gigantesco de homens (1971) entre os professos cristãos evangélicos. Suas raízes são católicas e carismáticas ao extremo. O Promise Keepers são pro-homossexualismo, sua promoção da psicologia secular; sua visão não bíblica do homem efeminado; sua descrição de um “messias fálico”, tentado a praticar atos homossexuais e os seus ensinos ecumênicos e não bíblicos deveriam dissuadir qualquer cristão verdadeiro de participar dele. O Promise Keepers tem comprovado ser um dos mais ímpios e mal dirigidos movimentos nos anais da história do Cristianismo. Mesmo assim, Phillip Yancey é um promotor desse ecumênico, carismático e psicologizado movimento de homens, conforme evidência escrita em seus devocionais diários, para publicação bimensal no “Men of Integrity” do Promise Keepers (o guia diário dos PK para a leitura da Bíblia e oração).

A Convenção Nacional de Pastores é um evento patrocinado pela “Youth Specialities” (a organização evangélica mais influente da América para pastores e líderes) e a Zondeervan (publicadora de Uma Vida Com Propósito e da Bíblia Paralela à NVI – The Message – e distribuidora evangélica do DVD – A Paixão de Cristo, de Mel Gibson). A Convenção de 2004 iniciou sua programação com a oração contemplativa (ver o registro de Richard Foster) e exercícios de “Yoga & Alongamento.” As liturgias da igreja emergente embasadas sobre os rituais e sacramentos das Igrejas Católica Romana e Ortodoxa foram introduzidas, incluindo as oportunidades da “oração do labirinto”. Esta última é uma oração meditativa, andando-se em círculo, segundo o modelo copiado de um desenho no chão, encontrado na Catedral de Chartres. Esse místico ritual católico data da Idade Média, tendo se tornado um substituto da perigosa jornada à Terra Santa controlada pelos Muçulmanos, a qual servia para descobrir a “rota da Paixão” de Jesus. Quando os católicos andavam no labirinto meditando nos sofrimentos de Cristo, em sua imaginação eles obtinham as mesmas indulgências (perdão que abreviava o seu tempo de sofrimento no Purgatório, a fim de purgar os seus pecados) como se estivessem fazendo a verdadeira peregrinação. A programação da véspera da Convenção incluía atos de comédia cristã, o Pintor de Jesus (o qual “pinta retratos de Cristo em menos de 20 minutos”), a “Experiência de Percussão da Igreja Tribal”, “Discussão de Saúde Pessoal e Emocional”, um “Pub emergente com música ao vivo” e “Cultos de Oração Contemplativa Tarde da Noite”.

A maior porcentagem de preletores era de praticantes da oração mística cristã e formas de adoração (referidas como “fé autêntica”) e os demais pareciam ser advogados, ou pelo menos encorajadores do desenvolvimento de novas metodologias e liturgias para a cultura emergente do século 21. Um dos tópicos foi intitulado “A New Theology for a New World” (Uma Nova Teologia para um Mundo Novo). As conferências em dois locais atraíram milhares e envolveram muitos líderes influentes da Igreja, inclusive Gordon MacDonald, Henry Cloud, Brennan Manning, Dallas Willard, Joseph Stowell, Howard Hendricks, Gary Thomas, Tony Campolo e Rick Warren. A Convenção de 2005 promete ser mais que idêntica, com as lideranças cristãs contemplativas experimentais e emergentes da igreja, tais como Richard Foster, Calvin Miller, Phillip Yancey, Ruth Halley Barton. Doug Pagitt e Dan Kimbal (Fonte: TBC, março, 2005).

Mais sobre “Disappointment With God” – Este extremamente popular “Decepicionado com Deus” de Phillip Yancey vem ironicamente embalado com uma etiqueta amarela, na qual se lê: “100% de garantia de volta do seu dinheiro. Se porventura você ficar insatisfeito com este livro, devolva-o … para ter um completo reembolso” .

Não se pode deixar de observar que o livro sobre a decepção com Deus promete não decepcionar e, no caso disso acontecer, você terá de volta o seu dinheiro. Se Deus viesse com uma garantia, quem sabe Ele iria lucrar mais com os “buscadores” de hoje!

Desse modo, Yancey surge com uma interessante maneira de manipular o problema, quando “coisas ruins acontecem a pessoas boas”. A dor e o sofrimento podem ser deixados na soleira do Diabo ou do povo, como garantia. Mas a verdadeira culpada parece ser a própria vida. Lá pelo final do livro, Yancey cita favoravelmente um amigo que aprendeu a lidar com a tragédia, separando sua vida de Deus:

“Aprendi, primeiro com a doença de minha esposa e, em seguida, através de um acidente, a não confundir Deus com a vida. Sou um estóico. Estou tão transtornado com o que me aconteceu como qualquer pessoa poderia estar. Sinto-me livre para amaldiçoar a infelicidade da vida e atirar toda a minha dor e raiva … Mas creio que Deus se sente do mesmo modo sobre este acidente… dolorido e zangado. Não O censuro pelo que aconteceu… Aprendi a enxergar, além da realidade física neste mundo, a realidade espiritual. Temos a tendência a pensar ‘A vida deveria ser bela porque Deus é belo’. Mas Deus não é a vida”. (p. 183).

Yancey admite ficar um tanto amargurado com essa estrita separação da “realidade física” da “realidade espiritual”, e, mesmo assim, intrigado (184). Conforme essa teoria emprestada de Yancey, Deus está chateado com a vida. Ele, pessoalmente, é bom e mais que desejoso de realizar grandes coisas por nós, porém a vida (o que seja ela) continua atrapalhando-O. Não apenas Deus não é a vida como Ele nem sequer pode controlar a vida. Ele é deixado, junto conosco, levantando as mãos, com “tristeza e raiva” pelo que a vida tem feito contra o Seu povo. Se pelo menos existisse algo que Ele pudesse fazer, mas Ele não tem esse poder! Mas pior ainda é como Yancey termina:

“Ninguém está isento de tragédia e decepção… O próprio Deus não foi isento” (p. 186)

Como podemos esperar que Deus nos ajude, se Ele nem mesmo pode ajudar a Si mesmo? A base de Yancey para essa declaração é a Cruz. [Que absurdo! Sem minimizar de modo algum o sofrimento da Cruz, certamente Deus jamais a viu como uma tragédia ou uma decepção. Deus havia preordenado muito antes da criação do mundo que o Seu Filho iria morrer na Cruz (Atos 2:16). A cruz é o poder da salvação de Deus para toda a humanidade (Ver 1 Coríntios 1:18; Romanos 1:16-17). Certamente Deus ficou triste com a Cruz, do mesmo modo como fica diante de todo pecado. Mas Ele jamais fica decepcionado e nem vê coisa alguma como tragédia. O Deus de Yancey é humano demais, portanto não é de admirar que Ele fique decepcionado.

Que espécie de Deus estaria à mercê de Satanás, das pessoas ou da vida em geral? Seria melhor crer num Deus todo misericórdia e amor, se não houvesse outra razão, além de manter o pensamento do que Ele não é, o que nos deixa um Deus com uma das duas deficiências: ou Ele é fraco em poder ou fraco em conhecimento. Ou Ele não tem poder para realizar o que o Seu amoroso coração gostaria de fazer ou então não possui o know-how suficiente. Alguém poderia indagar: será que alguns dos líderes cristãos, que afirmam ser evangélicos, acreditam num Deus tão insípido? Infelizmente, sim!

Phillip Yancey fala sobre Deus como de alguém que corresse riscos. No caso de Jó, por exemplo, Deus fez uma pequena experiência. Ele estava “apostando” com o Diabo (palavra de Yancey) como Jó permaneceria fiel, não importando o quanto ele sofresse. Particularmente Deus não tinha certeza disso, então aproveitou a chance. De fato essa aposta foi ao extremo, Yancey acredita, de ter “Deus arriscado a experiência humana na reação de uma pessoa” (p. 252).

Experiência humana? Será que a raça humana é uma experiência de Deus… Algo sobre o que Ele está incerto quanto ao resultado? Quem sabe, uma aposta entre Deus e o Diabo? Será que Yancey acredita que Deus estava realmente apostando sobre aquilo em que o mundo vai se tornar? Se Deus corre o perigo de perder alguma coisa, então Ele é vulnerável e se Deus é vulnerável, então Ele não é o Deus onipotente da Bíblia.

Essa doutrina herética é conhecida como “teísmo aberto”; em resumo, é a visão de que Deus está sujeito ao tempo, exatamente como nós estamos. Como resultado, o Deus sobre Quem fomos assegurados na Bíblia, Que sabe todas as coisas conhecíveis, desconhece o futuro, porque este ainda não aconteceu, sendo, desse modo, desconhecido, até mesmo para o Senhor. Deus é extremamente cheio de recursos e faz excelentes suposições sobre o futuro, porém não tem o poder de determinar infalivelmente, nem de predizer o futuro. Em outras palavras, Ele simplesmente não sabe como as coisas irão acontecer. Em “Decepção Com Deus” , a tese de Yancey é que o maior objetivo de Deus é que Suas criaturas O amem livremente. Desse modo, Ele limitou o Seu próprio poder, a fim de que possamos exercer o livre arbítrio, escolhendo entre amar ou rejeitar Deus.

A falsa doutrina do teísta aberto preferiu conservar o amor de Deus às custas do poder e conhecimento de Deus. Ao enfrentar o sofrimento, podemos estar certos da preocupação e simpatia de Deus. Ele está sofrendo junto conosco e desejaria poder fazer mais, porém não pode. Neste sentido Deus não é, de modo algum, responsável pelo mal ou pela dor… Então esse problema é resolvido, porém somos deixados com um Deus anêmico, andando no chão do céu, enquanto, sem esperança, Ele escuta nossas preces aqui na terra. Um teólogo resume o assunto deste modo:

“Abandonar a crença na onipotência de Deus pode ‘resolver’ o problema do mal, porém o custo é enorme, com o resultado de que Deus é incapaz de ajudar-nos. Ele pode ser capaz de dar-nos um bocado de simpatia e até mesmo de suspirar junto conosco, mas fica claro que Ele não pode ajudar-nos… Nem agora nem no futuro. Não existe possibilidade de orar a esse Deus nem de pedir-Lhe ajuda. Ele já está fazendo o melhor que pode, coitado, mas está chegando ao fim dos Seus recursos” (How Long, O Lord, p. 31).

Numa tentativa de proteger Deus e Sua reputação da responsabilidade, direta ou indiretamente, pelo sofrimento e pela dor, Yancey O transformou em algo menos que Deus.

(Fonte: Resumido e ou adaptado de “Pain, Pain”, Gary Gilley, “Think on These Things”, setembro 2000).

Roberto Aguiar

Fonte: Adaptado dos textos: Biblical Discernment Ministries (março/2005).Tradução, Mary Schultze e “Estranha graça: Philip Yancey e o homossexualismo” de Julio Severo. WWW.juliosevero.blogspot.com/2008/01/estranha-graa-philip-yancey-e-o.html
Outras fontes:
http://www.solascriptura-tt.org/Seitas/Religioes12Passos-AA-AlcAnonimos-DHunt.htm
WWW.pt.wikipedia.org

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 248 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: